Posts arquivados em: Tag: Transferência de dinheiro

Estilo de Vida Outros

Como enviar dinheiro entre o Brasil e os EUA?

10 de novembro de 2017

Quem é meu amigo e acompanha o blog sabe que eu comentei neste post aqui que eu mantenho a minha conta aberta no Brasil e tenho vida financeira normalmente nos dois países. Hoje explico sobre como faço as transações entre as duas contas e como pago taxas menores por elas.

Para pagar contas no Brasil, todos os meses eu preciso transferir dinheiro do Chase daqui para o Citibank aí. Eu utilizo o Transferwise. Antes de usar, eu havia pesquisado sobre a Western Union, que é uma das instituições mais famosas no mundo, para o envio de dinheiro internacionalmente; já tinha conversado com o gerente da minha conta no Brasil e com a gerente da minha conta aqui e tudo era muito caro. Só para ter uma ideia, para enviar dinheiro do Brasil para cá, eu pagaria em média a partir de R$50 reais por operação, e o caminho inverso sairia por aproximadamente U$50 (valores de agosto de 2016). Sem contar que quanto maior o valor a transferir, maior a taxa de IOF e afins.

A salvação surgiu num post da minha amiga Cibelle que mora na Inglaterra. Por aquelas bandas ela estava usando o Transferwise e eu então decidi testar. Baixei o App e me cadastrei. Não vou mentir porque este post não é pago como 90% dos posts a respeito do App que li pela internet. Não foi fácil cadastrar. Na verdade, foi um perrengue absurdo. Tudo porque tive de entrar em contato com o Citibank e descobrir um tal de um número IBAN que seria o número da minha própria conta, porém para transações internacionais. Após quase meia hora com o atendente na linha que também nem sabia o que era o IBAN, tive de pedir para ele esperar enquanto eu testava as informações que ele me passou. O engraçado foi que os dados da conta americana foram super fáceis de inserir no App, claro que a burocracia/dor de cabeça ia rolar do lado do Brasil. Mas após uma longa tentativa, finalmente consegui cadastrar tudo. Fiz um teste e enviei 10 reais para os USA e 10 dólares para o Brasil. O App dizia que em até 5 dias o dinheiro chegaria, mas em todas as minhas transações o dinheiro chegou no dia seguinte. Claro que sempre transfiro com uma janela de tempo o suficiente para pagar contas sem atraso. Mas o sistema nunca falhou e as taxas são muito baixas.

Após inserir todos os dados, fica tudo salvo no App e todos os meses eu volto lá para transferir, e em menos de 3 minutos envio dinheiro entre os dois países por um valor decente e sem pagar taxas de IOF e ou conversão. Mas como isso é possível? Porque os caras que desenvolveram o App (os mesmos por trás do Skype) tiveram uma sacada genial. O dinheiro na verdade nunca sai do país. Eles encontram pessoas no sistema que precisem por exemplo receber dinheiro nos EUA quando eu preciso enviar para o Brasil. Dai eles cruzam essas informações e quando eu envio daqui para o BR, o meu dinheiro é enviado para a conta da Transferwise aqui e o mesmo acontece no BR com alguém que precise enviar para cá. Como o valor não cruza fronteiras, ele é apenas enviado entre bancos dentro do mesmo país. Não me pergunte como, deve rolar uma matemática absurda nesse esquema (hellloooo eu sou de humanas!!!), mas o que importa é que eu nunca paguei mais de U$5 para enviar dinheiro para o BR, e isso me deixa muito feliz.

P.S: As transações que faço todos os meses são entre USAxBR e ou BRxUSA. Envio da minha conta pessoal americana para a minha conta pessoal brasileira e vice e versa. Nunca enviei para outros países além dos Estados Unidos ou para terceiros. Uma vez que o dinheiro chega na minha conta no BR eu faço transferência/DOC se necessário ou pago contas normalmente pela internet banking. Caso você tenha alguma dúvida referente a pagamentos para terceiros e em outros países que não sejam os EUA, aconselho entrar em contato com a Transferwise diretamente. Também nunca efetuei pagamentos de boletos para mandar dinheiro, apesar de ser uma opção no site/app, então não tenho como explicar sobre como funciona essa parte do sistema.

 

 

Compartilhe

Por Érica Brasilino

6

Pessoas comentaram