América American National Parks EUA O que fazer em Washington DC Viagens Virgínia Washington

National Mall

14 de junho de 2016

Hoje vou falar sobre a menina dos olhos de todos os turistas que visitam Washington D.C: O National Mall.

Não ele não é um shopping… é um parque nacional e vai desde o Capitólio até o Lincoln Memorial cobrindo aproximadamente 3 quilômetros de uma ponta a outra. Estima-se que esta área receba cerca de 24 milhões de visitantes por ano!!!

Os residentes de DC gostam de ir ao National Mall para praticar exercícios ao ar livre. A vista é deslumbrante. O mall também é conhecido mundialmente porque sempre que os EUA são atacados por alienígenas a estátua do Lincoln ou o Washington Monument são destruídos.

O Mall é uma das minhas áreas favoritas de DC. Tem tanta coisa para ver por lá que você pode passar dias voltando para o mesmo local para ver coisas diferentes. Para visitar o mall você deve planejar com antecedência pois tudo depende de quanto tempo você terá para a sua viagem.

É possível acessar o National Mall por algumas estações de metrô diferentes. Tudo depende de qual área você irá desbravar. Olhando a foto acima fica mais fácil entender. Se você visitar a área dos monumentos que ficam entre o Lincoln Memorial (este prédio em estilo grego/romano) e o Washington Memorial (o obelisco alto no centro do parque) é mais fácil acessar pela estação Foggy Bottom do metrô (linhas laranja, prata e azul). Se você for ao mall para visitar os museus que estão localizados entre o Washington Monument e o Capitólio, o melhor acesso é pela estação Smithsonian do metrô (linhas azul, laranja e prata). Tem tanta coisa bacana para ver nesta área que vou postar individualmente sobre cada atracão, assim fica mais fácil para você  decidir o que fazer e quanto tempo gastar em cada área uma vez que vale a pena gastar tempo pra ver tudo por lá.

O mapa acima dá pra ter uma ideia de tudo o que você tem disponível para ver no Mall. O rio Potomac divide Washington de Arlington que fica no estado vizinho da Virgínia, e por lá você também tem atrações para visitar como o Pentágono, Arlington National Cemetery, Old Town Alexandria, entre outros. Se você conseguir planejar sua visita, terá tempo para ver as melhores atrações das duas cidades.

O national mall eu dividiria em dois dias. Um apenas para os monumentos e o outro para ver os museus. Mas isso será tema para outros posts.

A título de curiosidade… quando recebemos visitas aqui, no primeiro dia sempre levo eles para um tour dos monumentos no Mall. De acordo com o Activity App do iWatch este tour é de aproximadamente 7 milhas (11.2 quilomêtros). Ou seja, tenha em mente que você vai precisar de sapatos confortáveis porque caminha-se muito por aqui.

No próximo post vou falar sobre o Lincoln Memorial e os monumentos que estão ao lado dele que dá pra fazer no mesmo dia de visita. Se tiver alguma dica ou pergunta  deixe abaixo que eu respondo.

Até lá  =)

 

Compartilhe

Por Érica Brasilino

4

Pessoas comentaram

América EUA O que fazer em Washington DC Viagens Virgínia Washington

O Pentágono  

10 de junho de 2016

Ontem visitei a sede do poder americano: o Pentágono. Primeiro que é incrível que eles ofereçam visita guiada para turistas; segundo para quem adora filmes de ação este passeio é um prato cheio.

O Pentágono pode ser visto de praticamente todos os cantos da cidade. De Washington D.C, das rodovias que entram e saem da cidade, do metrô, do avião, do cemitério de Arlington. Impossível não ver uma parte do suntuoso prédio se você estiver pela cidade. Cedo ou tarde você vai ver ele. O triste é que do chão voce não consegue ver a forma de pentágono do prédio, somente de cima. Mas aí já é outra história…

Mas como visitar o Pentágono?

Primeiro visite o site oficial do Departamento de Defesa americana no link Pentagon, clique em Book a Tour e lá vai aparecer uma página pedindo seu nome e email; insira as informações e clique em submit. Automaticamente assim que você enviar as informações eles vão encaminhar um email para você com um link para continuar a solicitação de visita. O email que você vai receber conterá o link que você  deve clicar para continuar a sua inscrição e o mais importante de tudo é o documento anexo com as informarções de segurança que devem ser seguidas fielmente. Caso você não siga, adeus tour então, be prepared.

O link que você deve clicar no email te levará para uma janela do site do Departamento de Defesa onde você pode escolher as datas para verificar se tem disponibilidade de acordo com a sua agenda. O Pentágono somente oferece as visitas de segunda à sexta em horário comercial. Infelizmente.

No site diz que você pode solicitar visitas com 14 dias de antecedência. Talvez esta informação seja válida para a época de baixa temporada americana (inverno por aqui). Acabei de fazer o passo a passo e só tem disponibilidade para agosto em diante. O primeiro tour é oferecido às 9 da manhã e o último às 3 da tarde. Escolha seu horário e clique em next. Abrirá uma página falando sobre os guidelines de segurança (a mesma informação que foi enviada em anexo no email para você).

Dica: Se os caras estão repetindo a informação, por favor, siga as instruções. Simples assim. A próxima página será para você informar os dados de quem vai no tour. Nome, Data de Nascimento, Sexo, Número de Telefone, Número do Passaporte, Tipo de Visto, País de Origem, Portador de Necessidades ou não… Se não tem cidadania americana o único documento aceito é o nosso passaporte. Não esqueça de levar ele no dia do tour, sem ele você não entra.

Enfim após preencher tudo o Pentágono vai fazer o procedimento de investigação para liberar sua visita. Ou você acha que eles vão autorizar qualquer pessoa a entrar lá? Procedimento normal até quando você vai visitar uma embaixada ou consulado americano fora do país.

Após preencher tudo, eles enviaram um email dizendo que retornariam com uma resposta quando eles decidissem se eu poderia visitar ou não. Demorou uns 20 dias para receber o email confirmando o agendamento da visita.

Ontem foi o grande dia. Fui até a estação de metrô Pentagon (linhas azul ou amarela) e já ali é possível sacar que você está numa área militar. Homens uniformizados por todos os lados (um prato cheio para quem gosta). A estação é praticamente na porta do prédio, ou seja pelo o que vi se você não vai para o Pentágono meio que não tem porquê você perambular por ali. Eles estarão vigiando cada respirada sua.

O email com as instruções diz que você deve chegar lá uma hora antes do tour para poder passar pela segurança. Cheguei as 12:50 (meu tour era as 14:00). Eles não me deixaram entrar. Mandaram eu dar uma volta e retornar em 10 minutos. Voltei e descobri que meu grupo tinha 60 pessoas. No Visitor Information Center somente entra quem tem por quê estar ali. Você passa por dois policiais armados e com cachorros na entrada do prédio, #tenso.

Passei pela primeira porta de vidro e nesta primeira ante-sala é como o consulado americano com janelas blindadas. Você leva uma cópia impressa do email de confirmação que foi enviado para você confirmando seu tour e seu passaporte e eles verificam se seu nome está na lista. Daí você recebe um crachá e pode acessar a próxima sala que é como se você estivesse num aeroporto. Tanto você como sua bolsa passarão pelo X-Ray. A diferença é que no guideline do email eles deixam claro que quase nada além do seu corpo é permitido no Pentágono. Então nada de andar com mochila no dia da visita. Vá com o menor número de itens possíveis. Eu tive de tirar até meu iWatch para ser vistoriado. Também fui selecionada para passar os dedinhos no scan de pó químico. Uma maravilha.

Depois de passar por tudo isso sem ter sido presa (hahaha) acessamos uma área de espera já dentro do prédio. Ali é o único momento da sua vida onde o celular ou a câmera será autorizado desde que você desceu na estação de metrô Pentagon. Lá tem o booth para fotos, uma loja de souvenires e banheiros. Vá ao banheiro, o tour terá 60 minutos onde você será  vigiado o tempo inteiro por pelo menos dois soldados. Sem contar que eles deixam claro que este momento é o único onde você terá privacidade ao usar o banheiro. Se durante o tour você quiser usar, todos os presentes no grupo entrarão no banheiro com você. Melhor não…

Nesta área eles tem uma outra janela onde você tem de dar seu nome para confirmar mais uma vez se você está agendado. Se tiver tudo certo você segue para um auditório onde terá um briefing de segurança com todos os DONT’S enquanto você está dentro do prédio. Se você é meu ex colega de trabalho e está lendo isso e acha que tinha frescura demais no Consulado… reveja seus conceitos.

Enfim… eles separaram o grupo em grupos menores e fomos escoltados por um fuzileiro e um membro da Forca Aérea. Infelizmente fotografias lá são terminantemente proibidas. O prédio é sensacional. Andamos cerca de 2 milhas (quase três quilômetros) e eles contam a história da construção do prédio, histórias de pessoas famosas que já trabalharam por lá como Chuck Norris e Morgan Freeman, histórias de espionagem contra o prédio que foram descobertas. O curioso é que o prédio  em si é praticamente uma cidade. Tem shopping, Starbucks, lavanderias… impressionante o mundo à parte la dentro. O ponto alto do tour é quando eles levam o grupo para a área que foi destruída pelo avião que caiu nos ataques de 11 de Setembro. Os detalhes que são contados do dia do ataque, como os funcionários reagiram, o tempo de reconstrução da área, os americanos que viajaram de todo o país para voluntariar na reconstrução do prédio 24 horas por dia em 11 meses batendo o recorde previsto de um ano… enfim foi emocionante poder estar lá e ver por dentro e entender a visão deles do que aconteceu em 2001.

Se você vier para D.C e tiver tempo, se souber com antecedência suas datas de viagem e tiver curiosidade, eu super indico este passeio. Eles ficaram bem curiosos quando eu mencionei que era brasileira. Pelo o que entendi 90% das pessoas que fazem o tour são americanas. Então fica a dica para quem curte política e quer ver por dentro aquilo que está no nosso imaginário apenas em filmes.

Ao final do tour há um memorial do lado de fora (este pode ser visitado por qualquer pessoa sem agendamento). Há uma praça com bancos com os nomes das pessoas que faleceram nos ataques ao prédio em 11 de Setembro. Como fotos são proibidas a foto abaixo é da internet.

É isso… espero que tenham gostado das informações, se tiverem mais alguma dúvida ou comentário e só escrever pra mim que eu respondo.

 

Até a próxima

Compartilhe

Por Érica Brasilino

1

Pessoas comentaram

América EUA Quando Viajar Viagens Washington

Quando viajar para Washington D.C?

06 de junho de 2016

Além da acomodação, transporte e orçamento disponível para as férias , muitas vezes não pensamos no essencial para se ter uma ótima viagem: Qual época visitar o destino escolhido?

Muitas vezes nos preocupamos apenas quando a empresa pode nos liberar para curtir a tão sonhada e merecida férias. So que devemos nos preocupar em pesquisar se o destino será o ideal para quando podemos viajar.

Se você escolheu Washington D.C como seu destino, você deve levar alguns itens em consideração para definir a melhor época para visitar essa cidade incrível.

Inverno Americano – Dezembro a Março

Cheguei em DC no dia 3 de janeiro ou seja 3 semanas após o início do inverno. Posso falar com propriedade. É muito frio para o nosso padrão brasileiro. O que mais pode incomodar aqui em DC na verdade é o vento. A ventania na cidade é apavorante. Às vezes eu tinha medo do vento me levar. As temperaturas chegam aos -17C facilmente. Os dias são de um cinza interminável. Porém raramente chove. E quando chove claro que a chuva se torna neve pois está abaixo de zero. Se você tiver roupa adequada para enfrentar o inverno, isso não é um problema. Eu sai para todos os cantos da cidade durante estes 3 meses de inverno e confesso que prefiro a cidade para turistar nessa época. Não tem quase ninguém a não ser os próprios moradores e pessoas que aqui estão á trabalho e aproveitam para passear. É uma ótima pedida para fazer tudo o que durante os meses quentes é impossível como conseguir tickets para as atrações mais concorridas.  Nada que touca, luvas, cachecol, segunda pele, calça de lã, botas para neve, meias e um ótimo casaco de inverno por cima de mais umas 4 camadas de malhas não resolvam. Se eu que sou friorenta sobrevivi você também consegue.

Primavera Americana – Março a Junho

Tá aí uma estação extremamente interessante. A primavera é bem marcante aqui na parte norte do país. Em março, as pessoas alérgicas sofrem. Mas sofrem demais. Como as árvores pela cidade decidem entrar no pico do florescimento todas ao mesmo tempo, o pólen voa por toda a cidade. Até eu que não sofro de nenhuma ite (rinite, sinusite, etc) precisei tomar remédio. Era uma sinfonia de espirros por todos os lugares. Rostos inchados, narizes escorrendo e corrida às farmácias. Se você tem problemas severos de alergia eu aconselho que você não venha para DC em março. Porém, você com certeza perderá uma das épocas mais lindas dessa cidade. Nunca na minha vida vi cores tão lindas por todos os lados como na época do festival das cerejeiras. A cidade inteira fica coberta de rosas e as multidões chegam aos montes para ver de perto a beleza das árvores. A temperatura ainda é extremamente fria, não se engane. Varia entre -14C a 3C. Em abril é a época das chuvas. E este ano por incrível que pareça bateu o recorde e choveu incessantemente por 21 dias consecutivos. Eu evitei sair para turistar porque ninguém merece. Estamos no início de junho e finalmente esquentou. Estamos com as temperaturas entre 12C e 28C. Esta semana até deu pra pegar uma piscina só que as multidões já começaram a andar pela cidade. Conversando com locais, descobri que eu devo correr e visitar o restante das atrações até o final de junho pois em julho além de ser extremamente quente a cidade estará um inferno para passear.

Verão Americano – Junho a Setembro

Essa é uma estação que pode ser bem complicada para visitar Washington. Nos meses de junho, julho e agosto a cidade fica lotada por conta das férias escolares (lembre que o calendário escolar aqui é diferente). Os americanos chegam aos montes para aproveitar os museus e os incontáveis passeios gratuitos. Se você não estiver dentro de um local com ar condicionado no último nível, sua experiência turística pode ser bem desagradável. A cidade além de ser extremamente quente é muito úmida. Ficamos com o corpo pegajoso o dia inteiro. Porém os dias são compridos, no pico do solstício de verão até 8:30 da noite é possível ainda estar claro. Protetor solar e guarda chuva para se proteger do sol são itens indispensáveis por aqui.

Outono Americano – Setembro a Dezembro

Sem dúvida a minha estação favorita para visitar Washington. O calor começa a perder forças e o Pumpkin Spice Latte volta com tudo ao cardápio do Starbucks (sim, beba todos os dias porque a edição é limitada). A cidade fica exuberante, com tons de amarelo, laranja e vermelho por todos os lados. Se você ama as cores outonais, essa é a melhor época do ano para visitar a capital americana. Fiz um passeio fotográfico no pico do outono em outubro no Rock Creek Park e as fotos ficaram lindas. Ta aí uma ótima época também para contratar fotógrafos profissionais e tirar fotos de família para os cartões de Natal. Nessa época é sempre bom andar com um casaco na bolsa pois as temperaturas tendem a cair à noite.

 

E você, já decidiu qual época prefere visitar Washington D.C?

 

 

 

Compartilhe

Por Érica Brasilino

2

Pessoas comentaram

América EUA Maryland Viagens Virgínia Washington

Acomodação e Transporte em Washington D.C

31 de maio de 2016

Washington é uma das cidades mais caras dos EUA para se hospedar. Porém se você considerar que 80% das atrações da cidade são gratuitas, eu acho que vale muito a pena visitar a capital dos Estados Unidos.

Você tanto pode optar por um hotel em DC  mesmo ou pelos bairros na cidade de Arlington, que são atendidas pelo metrô . Em 20 minutos no máximo, você está na capital.

Pelo o que pesquisei no Booking, uma semana em Agosto para duas pessoas pode variar entre U$500 a U$2200 dólares de acomodação. Tudo vai depender claro, do tipo de viajante que você é. Eu só preciso de um chuveiro quente, cama limpa e macia, ar condicionado/aquecedor e wi fi. Não me preocupo com amenidades como piscina ou academia. Quanto mais facilidades o hotel te oferecer e quanto mais próximo da Casa Branca mais caro ele será.

Decidido o hotel, chegou a hora de pensar em locomoção. Como já mencionei o Metrô atende a grande DC e os estados vizinhos de Maryland e Virgínia. O metrô aqui funciona com um cartão chamado Metro Card e ele pode ser comprado em qualquer estação. Ele custa U$10 sendo que deste valor U$8 ficam disponíveis para utilização imediata. Você pode pagar com dinheiro em espécie ou com cartão de crédito internacional. Nao há guichês com funcionários nas estações, todas as máquinas você deve operar sozinho. Porém, caso tenha dificuldade há funcionários na estação para auxiliar.

smartrip_card2

O metrô aconselha os viajantes a pagarem U$14 por um daily pass. Eu veementemente não aconselho at all. Primeiro porque o metrô daqui funciona com um sistema de tarifas para o horário de pico e o horário normal. Sem contar que a tarifa não é um valor fixo como em São Paulo por exemplo. A tarifa é cobrada de acordo com a distância entre as estações e o horário que você passar na catraca quando embarcar será levado em conta para a cobrança da tarifa no momento que você desembarcar na sua estação final. As tarifas variam de U$1.75 fora do horário de pico a U$3.60 ou U$2.15 a U$5.90 no horário de pico.

Exemplificando

Se você embarcar no Jabaquara em São Paulo as 11 da manhã (não é horário de pico) e descer por exemplo na Vergueiro você pagaria U$2.15, mas se você descer no Carandiru paga U$3 (gente eu uso São Paulo como exemplo pois sou de lá).

Eu levei dois dias mais ou menos para me habituar ao sistema… depois ficou mais fácil. Em cada estação tem uma tabela com valores atualizados a partir da estação de onde você vai embarcar para todas as outras do sistema. Então caso seu cartão esteja sem crédito e você vai até a estação Smithsonian por exemplo e você está na estação Ballston vai dar mais ou menos uns U$2.20. Você só  tem que ir até a máquina e adicionar seu suado dinheirinho. Abaixo tem um mapa da malha metroviária de DC e arredores para vocês visualizarem melhor.

metro map

A grande maioria das atrações que você quer visitar em DC está na linha laranja/azul/prata entre as estações Foggy Bottom até Stadium-Armory. O Ronald Reagan National Airport é servido pelas linhas Azul/Amarela pela estação de mesmo nome. O melhor shopping da cidade está na linha Prata e fica na estação Tysons Corner e por aí vai.

A título de curiosidade para quem curte um mapa como eu, a estação Rosslyn é a primeira estação do estado da Virgínia para quem está vindo de DC. E do outro lado do Rio Potomac quem sai da Virgínia em direção a DC a primeira estação é a Foggy-Bottom.

Eu curto muito andar de metrô, apesar de eles estarem passando por um processo de reforma que vai durar um ano a contar do próximo sábado 04/06/2016. No metrô, você consegue prestar atenção no cotidiano das pessoas que realmente moram aqui e observar a interação dos Washingtonians com os turistas ou estrangeiros. Sem contar que é uma ótima oportunidade de se ver livre do estresse de dirigir num outro país. Eu particularmente não me sinto a vontade em virar à esquerda aqui, pois sempre acho que o carro que vem no sentido contrário vai bater no meu carro em cheio uma vez que em SP não viramos à esquerda…

Há também a opção de andar de bicicleta pelo sistema de compartilhamento de bicicletas igual ao que o Bradesco tem em São Paulo. Eu nunca usei, sei que tem um App que você  deve utilizar para liberar e você pode devolver em qualquer uma das estações que geralmente estão localizadas perto de algum ponto turístico principal da cidade ou outras estações do metrô. Talvez seja uma opção para aqueles que além de fazer turismo querem se exercitar.

Enfim espero ter dado uma luz sobre transporte e acomodação por aqui. Se tiver alguma dúvida deixe nos comentários.

 

À partir do próximo post vou começar a falar sobre o que vi por aqui e como agendar os passeios  =)

 

 

 

Compartilhe

Por Érica Brasilino

2

Pessoas comentaram

América EUA Viagens Virgínia Washington

Como chegar em DC?

19 de maio de 2016

Esta pensando em vir pra cá?  Vou te contar como!

Você pode tanto voar diretamente para o aeroporto internacional de Dulles ou pode escolher fazer uma conexão em qualquer lugar e de lá voar para o aeroporto nacional Ronald Reagan. Pra quem conhece São Paulo, o Dulles seria como o nosso aeroporto internacional de Guarulhos, esta fora de DC e leva em média até uma hora de carro do aeroporto até a capital. Eu sei que o seu Google Maps vai te falar 28 minutos… mentira. É uma cidade grande, com um fluxo enorme de pessoas, entrar em DC pode ser bem chatinho uma vez que a cidade é cercada de rios, florestas e afins,  em alguns lugares o trânsito simplesmente afunila. Não chega a ser um pesadelo como São Paulo, mas congestiona. Já o aeroporto Ronald Reagan seria como o aeroporto de Congonhas e fica dentro da cidade, sendo atendido inclusive pelo metrô (ahhhh que delícia … cidades que conectam o aeroporto ao metrô sempre ganham o meu coração, vide Madri e DC S2).

Já voei para DC em vôo direto e já fiz conexão. Posso falar com propriedade sobre os dois.

Se você vier direto para Dulles o vôo é de aproximadamente 10 horas. Fiz uma rápida  simulação para setembro numa data que não engloba feriado nem aqui nem no Brasil e o vôo direto pela United está por volta de U$780. Devo dizer que a internet neste aeroporto é sensacional. Já precisei esperar algumas horas por lá e até capítulo de novela eu assisti.

Caso você venha num vôo com conexão tenho algumas dicas. A primeira e mais importante da vida é evitar com toda a força do seu ser fazer conexão em Miami. O aeroporto internacional de Miami se tornou um grande terminal rodoviário do Tietê. É humanamente desgastante fazer qualquer conexão ou desembarque naquele lugar. As últimas vezes que tivemos que passar por lá foi extremamente estressante. As filas são absurdamente quilométricas, por que aparentemente todas as pessoas do mundo entram nos EUA por Miami e de lá fazem conexões. É um inferno. FIM!

Eu super aconselho a quem puder vir use ou a Azul e faça conexao em Fort Lauderdale ou pela Air Canada e faça conexão em Toronto. A Air Canada além de ser a melhor cia que já voei na vida (e pra melhorar os vistos para brasileiros não são mais necessários, ebbbaaaaaaaa), a imigração  americana é feita em solo canadense. Como você passa pela imigração no Canadá, sua entrada aqui é mamão  com açúcar. Entra pelo aeroporto nacional Ronald Reagan, pega a malinha e já sai do aeroporto vendo o Washington Monument no horizonte. Se quiser economizar o dinheiro do aluguel do carro, pegue o metrô dentro do aeroporto. Isso é vida.

Fiz uma simulação na decolar.com e vôos com conexão estão por volta de U$674. São 100 doletas de desconto em comparação ao vôo direto. É pra se pensar…

Eu particularmente prefiro voar com conexão e chegar no aeroporto nacional que é dentro da cidade. Se seu vôo chegar durante o dia então… é simplesmente mágico. Em fevereiro agora, cheguei após a nevasca Jonas e Washington de cima estava um espetáculo. Um tapete branco infinito. Sem contar que você pode ver o National Mall de cima. Lindo demais.

No próximo post vou falar sobre mobilidade em Washington. Como se locomover pela cidade e otimizar seu tempo e economizar dinheiro.

Até lá =)

 

 

 

Compartilhe

Por Érica Brasilino

6

Pessoas comentaram