Categoria: Saindo do Brasil

Estilo de Vida Outros Saindo do Brasil

A difícil decisão de partir

28 de novembro de 2018

Há exatamente três anos atrás eu abandonei tudo no Brasil por conta de um amor. Eu tinha um ótimo emprego, amigos, família, já tinha comprado um apartamento, carro, fazia uma viagem bacana por ano, mas me apaixonei loucamente e decidi seguir meu coração.

Eu nunca tinha pensado em sair do Brasil, muito pelo contrário sempre tive muito orgulho de ser brasileira e sempre me senti confortável na minha São Paulo. Por mais que eu já tivesse visitado alguns países eu sempre soube onde era o meu lugar no mundo.

A minha amada São Paulo

 

Pedir demissão não foi nada fácil… o dia que redigi a carta de demissão eu chorei horrores sentada na cozinha da minha mãe. O que eu estava fazendo? Jogando fora nove anos de empresa e tudo o que eu conhecia por um amor que eu tinha vivido por menos de dois anos no dia a dia e estava vivendo ele a quinze meses à distância. Minha mãe que acompanhou meus meses de tristeza longe do Ezio enquanto ele trabalhava em Islamabad disse: “vá ser feliz, se não der certo você sempre terá um lar para onde voltar, você fala outros idiomas e fome não vai passar se precisar voltar ao Brasil”. Imagino o quanto deve ter doído nela falar isso para mim, mas sem dúvida se não fosse a postura e o apoio dela, eu não teria seguido o meu destino.

O dia que fui embora foi o mais difícil da minha vida. Dar tchau pro meu irmão e pra minha mãe, beijar meu afilhado e dizer até um dia doeu no fundo da minha alma. Foram as piores 9 horas de vôo da minha história. Nunca contei pra ninguém, mas as comissárias tiveram de me dar um calmante para eu dormir. Eu não sabia o que o futuro me reservava, sabia que era filha de uma mãe solteira que tinha lutado muito para pagar o pouco de educação que eu tinha e que eu estava abrindo mão de viver o dia a dia com a minha família para viver um amor no exterior.

O dia de dar tchau 🙁

 

Cheguei em Washington D.C e esperei por longas oito horas o vôo do Ezio que estava vindo de Islamabad no Paquistão. Assisti vários capítulos da Além do Tempo (novela) pela internet até que um etíope funcionário do aeroporto veio perguntar se estava tudo bem. Ele viu que eu tinha desembarcado as 7 da manhã quando ele chegou para trabalhar e eram 2 da tarde, ele estava indo para casa e estava preocupado se alguém tinha esquecido de me pegar no aeroporto. Eu jamais vou esquecer a bondade dele. Expliquei que meu noivo ia chegar num vôo vindo de outra parte do mundo e eu estava bem.

As 4 da tarde o vôo do Ezio chegou e pro meu desespero todo mundo naquele vôo era careca. Quando ele finalmente apareceu e nos abraçamos após 3 meses sem nos ver (tínhamos nos encontrado em setembro na Espanha, onde passamos 21 dias juntos) eu chorei tudo o que estava preso na minha garganta. Estava aliviada que o tour dele longe tinha acabado, mas estava muito melancólica por ter deixado minha família para trás.

Primeiro dia da minha vida nova 28/11/2015

 

O resto é história: passamos oito meses em treinamento de francês em Washington antes de ir para o Togo, passamos um ano em Lomé e estamos de volta em DC a 17 meses. Não temos ideia de onde será o nosso próximo posto em julho do ano que vem. Adotamos a Isabella, visitamos lugares incríveis pelo mundo, casamos e formamos uma família. Temos nossos problemas como qualquer casal, mas estamos juntos a quase 6 anos entre altos e baixos.

Sinto falta do Brasil todos os dias: da minha gente, do idioma, da comida, da minha cultura, das minhas amigas, da minha mãe e do meu irmão, da minha família. Mas o WhatsApp tá aí e faço o possível para sempre estar em contato com eles. Perdi dois tios queridos e não pude me despedir. Isso é morar fora… muita gente tem uma ideia fantasiosa do que é ser imigrante e morar num outro país. Em falar 24 horas por dia um idioma que não é o seu, mas é o que tem pra hoje. Tem dias que meu cérebro da tilt e dou graças a Deus por ter dois colegas de trabalho brasileiros que me entendem e posso xingar o mundo e eles me entenderão. Tenho a Gabi, a Flávia, a Aline, a Juliana, a Chris, a Mirella e a Cascia que me aguentam quando estou surtada (mesmo a distancia). Sem essa rede de apoio ser imigrante não seria fácil.

As mulheres maravilhosas da minha vida (faltam algumas ai)

 

Se eu faria tudo de novo? Não tenha dúvidas!!!

Se eu voltaria a morar no Brasil? Hoje respondo com certeza que não. Sei que o amor da minha mãe e meu irmão é incondicional e minhas amigas continuarão minhas amigas não importa onde estou. Mas o meu lar é aqui (ou em qualquer outro país que eu tenha que mudar) ao lado do meu marido e da minha gata.

Morar na África me mostrou como sou abençoada nas pequenas coisas, me ensinou a acreditar em Deus em qualquer momento. Me deu a Isabella de presente quando eu nunca nem pensava em adotar um bichinho. E se existe reencarnação acredito piamente que a Isabella foi minha filha em outras vidas. Ela preenche o meu coração de maneiras que eu jamais imaginei ser possível.

Minha Bella mais bela

 

Ser imigrante é um misto de sabores e dissabores, é um contentamento descontente, é um aprendizado constante, ininterrupto e diário. É conquistar o mundo a cada dia, é perceber que não somos nada neste mundo e que viemos aqui para evoluir devagar e sempre.

O ser que virou minha vida de ponta cabeça

 

E no fim… é perceber que o nome do meu blog define exatamente quem sou hoje… uma louca pelo mundo.

Compartilhe

Por Érica Brasilino

0

Pessoas comentaram

Saindo do Brasil

Carteira de Matrícula Consular

10 de maio de 2018

Você sabe o que é e para que serve a Carteira de Matrícula Consular (CMC)? Hoje explico sobre este documento extremamente importante que qualquer brasileiro que reside no exterior deveria ter, mas pouquíssimos sabem do que se trata.

A CMC é um documento de identificação fornecido pela representação diplomática do Brasil no exterior e serve para que o Brasil tenha no seu banco de dados as informações pessoais dos seus cidadãos que residem na sua área de jurisdição. Também serve para que as autoridades locais tenham no idioma local, informações sobre o cidadão. Dados como nome completo, data de nascimento, fotografia e endereço são disponibilizadas na carteira.

Além de servir como identificação, a CMC também serve para que o consulado ou embaixada do Brasil, tenha registrado as informações de contato do cidadão. Em caso de emergência, o governo brasileiro consegue rapidamente contatar ou o cidadão no exterior ou os seus familiares no Brasil, através dos dados atualizados fornecidos no ato da inscrição.

A CMC muitas vezes é aceita como documento de identificação no país onde o cidadão reside. É importante frisar que a CMC não menciona a condição migratória do seu portador. Caso o portador esteja no país de maneira irregular, não há nenhuma menção na CMC a respeito. O consulado/embaixada do Brasil também não questiona o solicitante da CMC qual a sua situação no exterior (legal ou ilegal) no momento que o documento é solicitado. A CMC não vale como CNH.

Qualquer pessoa que fique pelo menos 3 meses no exterior numa única região, é aconselhável fazer o documento. A CMC é grátis e para solicitar você deve entrar em contato com o consulado ou embaixada do Brasil mais próximos da sua residência.

Eu já solicitei a CMC duas vezes, uma para a Embaixada do Brasil em Lomé e a outra aqui no Consulado do Brasil em Washington DC. Os dois documentos são diferentes mas ambos tem a mesma informação.

Para mim o mais importante em obter a CMC local, era para evitar andar com o meu passaporte pela cidade antes de ter documentos locais expedidos. Utilizava a CMC como documento de identificação na África e sempre foi aceita quando precisei apresentar para alguma autoridade local. O mesmo aconteceu durante um período aqui nos EUA até eu tirar minha habilitação do estado da Virgínia e outros documentos oficiais americanos.

Não é obrigatório solicitar este documento mas ele é altamente recomendado. Aconselho principalmente para você meu amigo que mora no exterior e tem familiares simples que falem apenas português. Caso (bate na madeira) aconteça alguma coisa com você, como seus familiares irão resolver qualquer problema a distância com autoridades locais de onde você vive sem que o país onde você esta não sabe quem você é e não tenha seus dados? Pense nisso principalmente se você estiver em situação irregular, onde quer que você esteja neste mundão afora. Durante o período que trabalhei no Consulado Americano em SP, cansei de atender pessoas que tinham perdido parentes no exterior e não sabiam nem por onde começar a resolver a questão. Se o brasileiro fosse cadastrado com a representação brasileira local, tudo seria mais fácil de resolver. Pense nisso.

Vale lembrar também que caso você perca seu passaporte e precise voltar para o Brasil, a CMC serve como documento para embarque sem que você precise emitir um novo passaporte. Porém a CMC é recolhida quando você retorna ao país.

Não esqueça, para solicitar sua Carteira de Matrícula Consular você deve contatar a Embaixada ou Consulado do Brasil mais próximos da sua residência.

 

Até o próximo post  =)

Compartilhe

Por Érica Brasilino

2

Pessoas comentaram

Estilo de Vida Saindo do Brasil

Como enviar dinheiro entre o Brasil e os EUA?

10 de novembro de 2017

Quem é meu amigo e acompanha o blog sabe que eu comentei neste post aqui que eu mantenho a minha conta aberta no Brasil e tenho vida financeira normalmente nos dois países. Hoje explico sobre como faço as transações entre as duas contas e como pago taxas menores por elas.

Para pagar contas no Brasil, todos os meses eu preciso transferir dinheiro do Chase daqui para o Citibank aí. Eu utilizo o Transferwise. Antes de usar, eu havia pesquisado sobre a Western Union, que é uma das instituições mais famosas no mundo, para o envio de dinheiro internacionalmente; já tinha conversado com o gerente da minha conta no Brasil e com a gerente da minha conta aqui e tudo era muito caro. Só para ter uma ideia, para enviar dinheiro do Brasil para cá, eu pagaria em média a partir de R$50 reais por operação, e o caminho inverso sairia por aproximadamente U$50 (valores de agosto de 2016). Sem contar que quanto maior o valor a transferir, maior a taxa de IOF e afins.

A salvação surgiu num post da minha amiga Cibelle que mora na Inglaterra. Por aquelas bandas ela estava usando o Transferwise e eu então decidi testar. Baixei o App e me cadastrei. Não vou mentir porque este post não é pago como 90% dos posts a respeito do App que li pela internet. Não foi fácil cadastrar. Na verdade, foi um perrengue absurdo. Tudo porque tive de entrar em contato com o Citibank e descobrir um tal de um número IBAN que seria o número da minha própria conta, porém para transações internacionais. Após quase meia hora com o atendente na linha que também nem sabia o que era o IBAN, tive de pedir para ele esperar enquanto eu testava as informações que ele me passou. O engraçado foi que os dados da conta americana foram super fáceis de inserir no App, claro que a burocracia/dor de cabeça ia rolar do lado do Brasil. Mas após uma longa tentativa, finalmente consegui cadastrar tudo. Fiz um teste e enviei 10 reais para os USA e 10 dólares para o Brasil. O App dizia que em até 5 dias o dinheiro chegaria, mas em todas as minhas transações o dinheiro chegou no dia seguinte. Claro que sempre transfiro com uma janela de tempo o suficiente para pagar contas sem atraso. Mas o sistema nunca falhou e as taxas são muito baixas.

Após inserir todos os dados, fica tudo salvo no App e todos os meses eu volto lá para transferir, e em menos de 3 minutos envio dinheiro entre os dois países por um valor decente e sem pagar taxas de IOF e ou conversão. Mas como isso é possível? Porque os caras que desenvolveram o App (os mesmos por trás do Skype) tiveram uma sacada genial. O dinheiro na verdade nunca sai do país. Eles encontram pessoas no sistema que precisem por exemplo receber dinheiro nos EUA quando eu preciso enviar para o Brasil. Dai eles cruzam essas informações e quando eu envio daqui para o BR, o meu dinheiro é enviado para a conta da Transferwise aqui e o mesmo acontece no BR com alguém que precise enviar para cá. Como o valor não cruza fronteiras, ele é apenas enviado entre bancos dentro do mesmo país. Não me pergunte como, deve rolar uma matemática absurda nesse esquema (hellloooo eu sou de humanas!!!), mas o que importa é que eu nunca paguei mais de U$5 para enviar dinheiro para o BR, e isso me deixa muito feliz.

P.S: As transações que faço todos os meses são entre USAxBR e ou BRxUSA. Envio da minha conta pessoal americana para a minha conta pessoal brasileira e vice e versa. Nunca enviei para outros países além dos Estados Unidos ou para terceiros. Uma vez que o dinheiro chega na minha conta no BR eu faço transferência/DOC se necessário ou pago contas normalmente pela internet banking. Caso você tenha alguma dúvida referente a pagamentos para terceiros e em outros países que não sejam os EUA, aconselho entrar em contato com a Transferwise diretamente. Também nunca efetuei pagamentos de boletos para mandar dinheiro, apesar de ser uma opção no site/app, então não tenho como explicar sobre como funciona essa parte do sistema.

 

 

Compartilhe

Por Érica Brasilino

8

Pessoas comentaram

Estilo de Vida Saindo do Brasil

Como funciona uma mudança entre países para o corpo diplomático?

07 de novembro de 2017

Quem me conhece e me acompanha no Instagram viu que a exatamente uma semana recebemos nossa mudança do Togo. Saímos de lá em junho e agora após quase 5 meses finalmente nos reencontramos com os nossos pertences. Uma das delícias e/ou dissabores de ser uma pessoa nômade (no meu caso por conta do trabalho do meu marido), é não ter a certeza de nada em momento nenhum. Quando nos preparamos para o Togo, a princípio íamos ficar lá até agosto de 2019. Por uma dessas jogadas do destino, estamos de volta a Washington. Só que lidar com toda a logística de uma mudança internacional não é fácil.

Ao sairmos de um país onde estamos alocados, saímos apenas com o que podemos carregar de acordo com a nossa passagem aérea. No meu caso eu vim com duas malas de 23 quilos, uma mochila, a mala de transporte da Bella e mais uma mala para ela. E apenas isso. Como sabíamos que nossa mudança levaria muito tempo, tínhamos que ter em mente o que poderíamos precisar durantes estes meses. Aí é que está o grande problema. Você SEMPRE precisa de algo que não está com você… e sempre compra a mais, e de repente se vê com 5 itens de uma coisa que se você morasse numa casa normal sem mudar sempre, teria apenas 1.

Por não trabalhar, eu não precisei me preocupar com roupa social, então no meu caso foi muito mais fácil. Meu esposo por outro lado focou nos seus ternos, pois alguém nessa casa tem que fazer dinheiro. Agora imagine você, essa logística toda quando a família tem filhos. A loucura é totalmente dobrada.

Quando preparamos a casa para a mudança, devemos separar duas levas de transporte. Uma se chama UAB e a outra HHE. Tecnicamente o UAB são duas caixas enormes que chegam geralmente na sua casa ou onde você indicar dentro de 2 a 4 semanas após você chegar no seu novo destino. Como essa parte da mudança chega mais rápido e tem limitações do que pode/não pode transportar (porque viaja de avião), decidimos mandar o maior número de roupas e sapatos possíveis. Principalmente roupa de frio porque não tínhamos ideia de quanto tempo a mudança mesmo levaria para chegar e não queríamos gastar dinheiro novamente com roupa especial para o frio de -15C de Washington. Neste carregamento que foi entregue em agosto aproveitei para também colocar todos os meus itens de maquiagem. Maquiagem é caro demais e eu não queria que ela ficasse debaixo do sol Togolês por meses a fio até liberarem a carga do porto de Lomé. Afinal minhas makes são minhas prioridades (quando a Bella não esta envolvida CLARO).

Em agosto recebemos o UAB e desde então estávamos vivendo apenas com estes itens. Só que ao alugar uma casa nova, lembre que nem colheres nós tínhamos. Ao voltarmos para os Estados Unidos ficamos no limbo… precisamos comer, lavar, passar, cozinhar… e não temos nada. Quando alugamos uma casa/apartamento aqui, temos apenas o básico: fogão, geladeira, lavadora de louça, lava e seca roupas. O restante estava tudo em caixas entre o Togo e os EUA.  Compramos os itens mais vagabundos que você imaginar na vida… por pura necessidade… e algumas coisas decidimos não gastar dinheiro. Não apenas para economizar, mas também porque depois não teríamos espaço para guardar tudo o que compramos. Tivemos que comprar por exemplo ferro e tábua de passar roupa, uma TV mixuruca para assistir… um mini enxoval.

Enfim na terça passada finalmente entregaram a nossa vida inteira embalada em 190 caixas do HHE. Os carregadores chegaram e começaram aquela loucura. O apartamento que antes parecia enorme sem nada foi ficando cada vez menor. E de repente eles foram embora e deixaram para trás um rastro de zona generalizada para todos os lados. Na primeira noite dormimos com bicicletas no nosso quarto e pneus de carro na sala. O cansaço físico e emocional é tão grande que é muito comum as pessoas entrarem em colapso emocional. Eu estava tão perdida que eu não sabia por onde tentar começar a arrumar. Meu esposo teve de me sentar e tentar me acalmar porque entrei num colapso nervoso instantâneo. Ele foi fantástico ao arrumar o quarto de hospedes e categorizar fileiras de caixas separando por categorias como cozinha, quarto, banheiro. Eu não teria pensado melhor. Na quarta feira fomos cuidar das coisas grandes que não iam ficar dentro de casa como carro, moto, bicicletas e os pneus. Conseguimos emplacar o carro e a moto, fazer seguro, inspeção e estacionar. Depois foquei em arrumar o nosso quarto o máximo que eu pude. Porque pelo menos no final do dia precisávamos fechar a porta do quarto e deixar o caos do lado de fora e dormir num local tranquilo.

Hoje quase uma semana depois já levei mais de 10 caixas para doação no Goodwill, já abri metade das 190 caixas e o nosso quarto e a cozinha estão pelo menos 70% organizados. As caixas já estão todas dentro de um único cômodo e aos poucos voltou a parecer com uma casa novamente. Meu esposo viajou a trabalho e estou fazendo tudo sozinha desde sexta. Mas não posso tirar o credito dele de ter me acalmado e ter feito o máximo que ele pôde para me ajudar.

Não consigo imaginar fazer tudo isso com filhos. Eu tiro o meu chapéu para todos os diplomatas e expatriados pelo mundo afora que fazem toda essa mudança com 3, 4, 5 filhos e cachorros e gatos. Eu não daria conta.

Espero que até o mês que vem a casa já esteja totalmente arrumada. Não vou me estressar mais. Preciso focar nas minhas provas finais da faculdade daqui a 15 dias. E preciso de um break também. Desde junho quando saímos do Togo temos matado um leão por semana. Não foi fácil. Porém, já tenho ciência que em agosto de 2019, levantamos a lona e partimos para o próximo posto. E começara tudo outra vez.

Compartilhe
Tags:

Por Érica Brasilino

0

Pessoas comentaram

Documentação de Viagem Estilo de Vida Saindo do Brasil

Quando a viagem para o exterior pode se tornar uma dor de cabeça

12 de setembro de 2017

Este final de semana acompanhamos estarrecidos a força do furação Irma que desolou ilhas no Caribe e deixou mais de 6 milhões de pessoas na Flórida alagadas e sem energia elétrica. Milhões ainda estão fora do estado e o governador ontem a noite implorou que essas pessoas evitem voltar para casa, pois nem estradas estão preparadas para receber eles de volta como os serviços públicos ainda vão levar dias para voltarem ao normal.

E no meio de todo este caos tem os turistas. Se passar por uma situação dessas é uma dor de cabeça sem fim para quem mora aqui, imagina para quem está apenas de passagem.

Quando viajamos ao exterior, temos que tomar precauções, muitas vezes juntamos dinheiro por muito tempo para a viagem dos sonhos mas imprevistos acontecem. Desde uma pedra na vesícula no interior da Itália até óbito repentino (sim acontece com mais frequência do que você pode imaginar), podem tirar o sono dos familiares que ficaram no seu país de origem e muitas vezes sem dinheiro para poder trasladar o corpo do turista de volta ao Brasil. Mas como tentar resolver em partes este tipo de dor de cabeça quando viajamos?

Seguro Viagem

O primeiro e mais importante item de um viajante (profissional ou não) é o seguro viagem. A maioria dos cartões de crédito internacionais no Brasil oferecem o seguro de viagem caso o titular do cartão e a pessoa que irá utilizar a passagem sejam a mesma pessoa. Se o cartão oferecer, peça ao atendente que envie para o seu e-mail a apólice do seguro viagem e tenha a cópia impressa com você. Mesmo na era da tecnologia, cópias impressas ainda são mais aceitas em situações de emergência no exterior do que versões eletrônicas. Se o seu cartão não oferecer o seguro, recomendo que você entre em contato com o seu agente de seguros para que ele indique a melhor opção para você. O seguro viagem cobre desde custas médico hospitalares até traslado do corpo casa haja óbito. Acredite, em caso de falecimento no exterior, você estará ajudando e muito a sua família se por ventura algo aconteça. Acompanhei de perto dois casos de falecimento de brasileiros (um nos EUA o outro em Belize) e o trauma causado aos familiares que não tinham dinheiro para as custas  de transporte foram enormes.

Cópias de Documentos

Após cuidar do seguro viagem, indico que você faça cópias dos seus documentos. Passaporte, RG, CPF entre outros. Caso você tenha seu passaporte furtado ou simplesmente perca ele, você deverá contactar a missão diplomática brasileira mais próxima do seu destino de viagem e agendar um atendimento de emergência. Principalmente se você estiver fazendo aquelas viagens que pretende cruzar várias fronteiras, como na Europa.

Contatos no Exterior

E por falar em contactar a missão diplomática no exterior… sempre leve com você os telefones e endereços mais importantes. Neste caso o da missão diplomática brasileira mais próximo (consulado ou embaixada do Brasil), telefones dos cartões de crédito no exterior (muitos cartões como o AMEX oferecem uma linha telefônica que português no exterior), telefone e endereço do hotel onde vai ficar hospedado, telefone e nomes de contatos de emergência no exterior. Estes dados não devem estar apenas no seu celular, é importante manter uma cópia escrita na carteira ou na bolsa. Caso aconteça algo com você e por ventura você perca a consciência, é importante que um terceiro tenha acesso a estas informações para te auxiliar.

Informar roteiro de viagem para alguém de confiança

Uma das medidas mais importante em todas as viagens que faço, é enviar um e-mail para a minha mãe com todos os dados da minha viagem. Ela nunca abre estes e-mails… porque geralmente nós fazemos 13 cidades em 21 dias e passamos por 8 hotéis diferentes. Minha mãe não consegue entender nossa necessidade de pé na estrada. Porém ela tem lá o nosso roteiro com todas as informações detalhadas, onde estaremos a cada dia, telefone dos hotéis que pretendemos ficar, países onde faremos escalas e afins. Já atendi um caso no passado no meu antigo empregador que um brasileiro veio a óbito no Japão mas morava na Austrália. Quando descobriram o corpo, a mãe atônita jurava que não era o filho dela porque ele morava em outro país. Please… sempre informe alguém sobre o seu paradeiro.

Deixo abaixo a cartilha elaborada pelo Itamaraty explicando como obter um seguro de viagem e também o link deles com orientações gerais para quem vai viajar ao exterior. Vale a pena dar uma olhada.

Assistência de Viagem

Orientações Gerais Itamaraty

Claro que existem outras medidas de segurança, mas essas são as mais importantes quando viajamos para o exterior. Você cumpre algumas dessas medidas ou nunca parou para pensar sobre elas?

 

Compartilhe

Por Érica Brasilino

0

Pessoas comentaram

Estilo de Vida Saindo do Brasil

Mudança para o exterior – Devo encerrar minha vida financeira no Brasil?

08 de setembro de 2017

Uma pergunta que sempre respondo para meus amigos interessados em morar no exterior, é o que eu fiz com a minha vida financeira no Brasil. Há muitas dúvidas sobre encerrar tudo de vez ou manter a distância.

O primeiro passo e o mais importante de todos foi deixar com minha mãe uma procuração de plenos poderes. Ela pode resolver qualquer coisa pra mim, desde abrir e encerrar contas e até pegar um empréstimo em meu nome. Claro que minha mãe é a pessoa que eu mais confio no mundo, então confiança é fundamental. Caso você não tenha alguém que você confie cegamente eu o aconselho a deixar uma procuração limitada especificando por exemplo que essa pessoa pode apenas fazer uma coisa ou outra. Quando você vai ao cartório fazer a procuração, geralmente os atendentes são muito prestativos e te perguntam tudo o que você quer autorizar ou não.

Eu optei por deixar minha vida financeira e contas em aberto no Brasil. Por vários motivos. Primeiro porque minha conta tinha muitos anos e meu relacionamento com o banco é excelente. Como meu crédito é muito positivo com eles, seria besteira fechar a conta. Em segundo lugar eu quis manter um cartão de crédito no Brasil pois em datas comemorativas como aniversário, Natal e afins, eu posso usar meu cartão daí nos sites do Brasil e mandar entregar presentes para familiares e amigos e assim evitar pagar taxas internacionais por utilizar o cartão daqui.

Caso você não tenha interesse em pagar a cesta de serviços do seu banco, saiba que há uma lei brasileira que obriga TODOS os bancos no país a abrirem contas para pessoas físicas sem cobrança de taxa mensal. E foi exatamente o que fiz, conversei com o meu gerente na época e migrei a minha conta que era master plus mega blaster para a de Serviços Essenciais.

De acordo com o BCB – Banco Central do Brasil, não importa o banco, ele tem por obrigação de oferecer este serviço. O problema é que muitas vezes os gerentes não querem abrir essas contas pois elas não geram lucro para as instituições e o funcionário do banco não ganha pontos com a sua meta mensal de vendas. Veja no gráfico abaixo os serviços inclusos na conta de serviços essenciais.

Eu como sou precavida por natureza, imprimi a lei e levei comigo no dia que fui ao banco mudar a minha conta antes de sair do Brasil. Claro que o gerente tentou de todas as maneiras me mostrar as “desvantagens” de mudar a conta para uma com limitações de serviços. Mas eu já havia feito a lição de casa e deixei claro que só iria movimentar a conta pela internet.

É importante frisar que você não pode zerar essa conta. Eu deixo dinheiro nela rendendo na poupança e quando preciso enviar dinheiro para o Brasil eu envio da minha conta americana para a brasileira e de lá eu transfiro ou pago contas normalmente pela internet. Para quem mora fora é ainda melhor pois quando vou ao Brasil, não preciso usar a conta daqui para efetuar saques em moeda local e pagar taxas absurdas de saque internacionais.

Se você mantém sua vida financeira no Brasil é preciso lembrar que dependendo da quantidade de dinheiro enviada do exterior para o Brasil no período de um ano, talvez seja necessário declarar o Imposto de Renda e recolher os impostos. Tudo isso eu explicarei em outros posts.

Indico que antes de decidir mudar a cesta de pacotes do seu banco, dê uma pesquisada antes com a sua instituição bancária brasileira qual a melhor opção. Vou deixar abaixo alguns links sobre a conta de serviços essenciais.

Banco Central do Brasil

Serviços Essenciais Bradesco

Serviços Essenciais Itaú

Serviços Essenciais Santander

Serviços Essenciais Caixa

Serviços Essencias Banco do Brasil

Serviços Essenciais Citibank – Pesquisei o site do Citi sobre o pacote de serviços essenciais e não encontrei informações a respeito no site, porém como sou correntista deles, sei que eles aplicam a lei. É só levar a lei impressa até sua agência e em minutos a conta é modificada. A lei pode ser encontrada neste link aqui. E também neste artigo do Hora 1 entre milhares de outros artigos na internet a respeito.

Boa sorte!

 

 

 

 

 

 

Compartilhe

Por Érica Brasilino

1

Pessoas comentaram

Estilo de Vida Saindo do Brasil

Ensino à Distância – EAD

01 de setembro de 2017

Você já considerou voltar a estudar, mas por algum motivo pensa ser impossível? Tanto pelo deslocamento, como pelo bebê recém-nascido que você não tem com quem deixar? Ou até mesmo por morar num país inóspito onde não tem nada para fazer no dia a dia (conhece alguém que passou por isso?), então que tal agregar conhecimento e manter o cérebro ativo?

Pois bem… quando mudamos para o Togo eu sabia que trabalhar na economia local seria bem difícil, uma vez que os valores salariais eram infinitamente menores do que os oferecidos no mercado brasileiro e com quatro funcionários dentro de casa cuidando de tudo, eu não tinha praticamente nada para fazer o dia inteiro, além de cuidar da Bella ou ir para a academia (uma vez na vida outra na morte porque a preguiça sempre falava mais alto, claro).

Após considerar as minhas alternativas, decidi voltar a estudar. Sou comissária de bordo por formação (técnica) e nunca atuei na área. Enquanto eu decidia se eu largava meu emprego de segunda a sexta que pagava bem no Consulado e corria atrás da aviação, conheci meu noivo, que mesmo não sendo da aviação, virou meu mundo de cabeça para baixo e me fez viver com a mochila/casa nas costas pulando de país em país a cada dois anos. Como ainda faltava a lacuna do diploma universitário a ser preenchido, decidi que o EAD no Brasil seria minha melhor opção. Tanto pelo diploma, como pela oportunidade de me dedicar 100% aos estudos e a desculpa de ir ao Brasil duas vezes ao ano para fazer provas (mentira, vou mesmo para comer feito louca, comprar feito doida, e abraçar familiares e amigos hahahahaha).

Hoje vejo que o EAD ainda é tabu para milhares de pessoas que sem tempo, mas com internet em casa, ainda relutam em optar por esta modalidade de ensino. Primeiro mesmo que você tenha uma vida maluca como a minha, você sempre tem uma hora do seu dia disponível para usar o Facebook. Ao invés de logar lá, faça o login no site da faculdade e leia a matéria uma hora por dia. Eu estudo Eventos na Anhembi Morumbi. Não seria a minha primeira opção de curso se eu estudasse presencialmente, mas confesso que me apaixonei pelo curso (apesar de ter umas matérias do capeta que eu odeio). Provas para acesso a universidades pagas no Brasil, vocês sabem que não são nenhum monstro, e eu já era ex aluna deles, então do Togo mesmo eu fiz a minha reabertura de matrícula. Paguei o boleto online e voilá, já estava matriculada novamente.

Você tem acesso a plataforma e a quatro unidades (enormes) de cada matéria após a matrícula.

Dentro de cada unidade é disponibilizado para o aluno o material para ler e estudar, vídeos complementares postados pelos professores para ilustrar algum ponto da matéria, games com perguntas e respostas que testam o seu conhecimento sobre aquela unidade, e por fim cada unidade tem sua atividade obrigatória valendo nota que pode ser um fórum onde você deve interagir com o professor e os colegas de “classe” sobre um tema proposto dentro do conteúdo ensinado, podem ser perguntas de múltipla escolha ou até mesmo uma outra tarefa como visitas a eventos e desenvolvimento de conteúdo explicativo sobre o evento visitado, etc.

Antes de realizar cada atividade você pode enviar perguntas para o professor no fórum correspondente de cada matéria, onde o professor responde as suas dúvidas e você tem também acesso as perguntas dos outros alunos para poder ler e estudar. Há também vídeo aulas ao vivo, onde o professor pré-determina uma data e hora para o encontro e faz um resumo da matéria, e você pode interagir com os colegas e os professores enviando perguntas. Caso não seja possível assistir aquela aula ao vivo elas ficam disponibilizadas na plataforma para acessar no dia seguinte.

A frequência é medida através da quantidade de atividades que você envia no prazo determinado pela faculdade e a prova final presencial é obrigatória para aprovação por nota e presença. Confesso que no inicio eu tinha medo de não dar conta ou de gastar dinheiro em vão num sistema que fosse mentiroso/enganador. Mas a faculdade me surpreendeu. Tanto que após este curso eu já sei qual pós vou fazer no mesmo modelo de ensino. Gostei tanto do EAD que já estou realizando um outro curso que nada tem a ver com a faculdade simultaneamente online.

A faculdade online pode ser a solução dos seus problemas, como falta de tempo, dinheiro (o EAD geralmente é mais barato do que o presencial), deslocamento, falta de babá para o seu bebê, viagens frequentes a trabalho, enfim, milhares de empecilhos que possam surgir e não permitir que você volte a estudar. Hoje eu sou defensora desta modalidade de ensino e acredito que seja importante falar à respeito para que as pessoas percam o preconceito contra o EAD.

Vale lembrar que nada são flores e você precisa controlar seu tempo e sua agenda e encontrar tempo para o estudo. Mesmo organizando uma mudança e passando pela loucura de mudar entre dois continentes, eu estou firme e forte no estudo. Você precisa ter uma agenda e seguir um cronograma à risca. Eu geralmente dedico de 2 a 4 horas por dia para estudar, porque não é apenas ler a matéria, mas o ensino a distancia você deve buscar o conhecimento, então tem que pesquisar palavras que você não entenda na apostila, buscar exemplos extra na internet, etc., mas no fim conhecimento é a única coisa que nunca podem tirar de você.

 

E você, já fez algum curso a distancia? Como foi a sua experiência?

Compartilhe

Por Érica Brasilino

0

Pessoas comentaram

Documentação de Viagem EUA Gatos Saindo do Brasil Viagens

Viajando com Gatos de Avião

27 de junho de 2017

Só de pensar em escrever este post eu já fico cansada. Estafada na verdade. Eu sempre quis uma vida leve e sem dores de cabeça… porém fui inventar de adotar uma gata. A vida no Togo era solitária demais, e eu precisava de uma companhia em casa. A Bella chegou na nossa casa com 1 mês e meio de vida e logo se tornou o xodó. Tanto que até o homem da casa que morre de ites e alergias se rendeu de amores por ela. Eu não podia simplesmente deixar a Bella para trás ao voltar para a América.

A minha Bella mais bela

Decidido que ela iria com a gente… começou toda a loucura para entender como funciona o processo. Não é fácil, mas também não é um monstro de sete cabeças. Confesso que por várias vezes pensei: “Mas porque raios eu inventei de ter uma gata?” de tão confuso que tudo parece. Li e reli milhões de blogs gringos, brasileiros, sites de cias aéreas, sites de clínicas veterinárias para saber o que fazer. Deu certo e no post de hoje vou explicar o passo a passo desse complicado e monstruoso processo burocrático.

Primeiro descubra se o país de destino admite gatos. Li sobre várias restrições em várias partes do mundo. Cada país é soberano sobre aceitar o seu amor peludo ou não. O que anima é que gatos são mais aceitos mundo afora do que cachorros e/ou aves. Ponto para os bichanos.

Os EUA é o país mais brando para a importação de pets. Se você pensa em mudar um dia para cá, saiba que até a data de hoje o seu gato/cachorro é muito bem vindo.

Após pesquisar sobre o país tive de definir com qual cia aérea voar. Ai é que começou a grande dor de cabeça. Dependendo do vôo que você comprar… voce tem de se preocupar se o mesmo terá escala e se o país da escala é pet friendly. Já aviso que a União Européia é o destino mais chato para animais tanto em trânsito como para destino final. Após descobrir este detalhe eliminei as possibilidades de vôo que fariam escala por lá. Por este motivo optamos pela única opção viável… um vôo direto Lomé – Newark.

Após decidir o vôo chegou a hora de preparar a documentação exigida pela cia aérea e pelo Departamento de Agricultura americano. Para gatos é obrigatório o microchip, coisa que a Bella não tinha e tivemos de inserir às pressas. A brincadeira em CFAs (moeda da África) ficou em XOF 55 000 algo como R$350. Após o microchip outro item obrigatório é a comprovação da vacina de Raiva. Como a dela está em dia não precisei me preocupar. Também foi exigido um Passaporte. Eu nunca tinha ouvido falar na vida que animais de estimação tivessem passaporte… pois têm. Por sorte a Bella já tinha um e eu nem sabia disso. É a caderneta com todas as informações sobre ela que foi dada pelo veterinário lá no Togo, desde quando a adotamos. Pura sorte!!! Por fim é necessário uma carta do veterinário, emitida no máximo de dez dias a 1 dia antes do embarque. Nessa carta constam todas as informações referentes ao animal como nome, sexo, nome dos donos, endereço de estadia no local de destino e o médico precisa atestar que o animal está saudável e livre de qualquer doença infecto-contagiosa. Essa carta me custou XOF 15 000 (R$87).

Documentação

Após toda a documentação estar em dia você precisa definir se seu filho de quatro patas irá viajar como carga ou na cabine com você. Optamos por levar a Bella na cabine. Eu estava apavorada demais em ter ela longe de mim e com medo de ao chegar no destino final me entregarem um gato morto ou a notificação de que ela havia se perdido no meio do caminho.

Ao decidir que ela iria na cabine o procedimento foi comprar o tiquete e ligar logo em seguida na cia aérea para informar que ela ia viajar comigo. Essa ligação deve ser realizada no máximo até 3 dias antes do embarque. Claro que como tudo na minha vida acontece com emoção… eu comprei o tiquete apenas 2 dias antes de embarcar. E a Ethiopian Airlines tanto no Brasil como no Togo por telefone me deu a maior dor de cabeça. Eles não queriam deixar de jeito nenhum a Bella embarcar usando a desculpa de que eu não estava seguindo à risca a determinação deles. Tive de ir até o aeroporto em Lomé e simplesmente contar toda a minha vida, como a Bella era importante pra mim e lógico explicar que estava indo embora do Togo. Explicar isso para alguém de uma cultura que não liga a mínima para animais de estimação é até ridículo. Todos me olhavam com cara de “o que essa insana ta falando???”. Como eu tenho um santo que não dorme muito forte, eles autorizaram a ida da Bella no vôo. Após autorizarem, tive de pagar uma taxa de XOF 117 000 (R$670) e ela finalmente foi liberada para embarcar comigo. Fui informada das dimensões obrigatórias da bolsa de transporte. Este item é extremamente importante. Se você optar que o animal viaje com você na cabine deve seguir a risca esta informação. Eu já tinha comprado uma bolsa para ela na Amazon neste link aqui. Cada cia tem as dimensões distintas para o espaço embaixo da poltrona a sua frente, então aconselho que você leve a fita métrica com você a pet store quando for comprar a sua. Além disso a bolsa deve ser maleável (aqui no exterior) e o animal e bolsa não podem ultrapassar 8 quilos. Soube que algumas cias limitam para 7 quilos já outras por aí podem chegar até 10 quilos. Não há um consenso. Verifique antes com eles todas as informações uma vez que muda de empresa para empresa. Lembre-se que eles limitam de 2 a no máximo 3 animais na cabine e pode acontecer de no seu vôo já não ter mais espaço para o seu pet quando você comprar o bilhete, neste caso você deverá seguir outros trâmites para enviar o bichinho como carga.

Mala de mão para a Bella

No dia de embarcar eu rezei para todos os santos me ajudarem com o processo. Lembre de não alimentar o seu bichinho de quatro a seis horas antes de voar. Parece desumano mas isso evita que ele vomite, tenha ânsia, enjôos, náuseas e faca fezes na malinha de transporte durante o deslocamento. Eu estava sozinha e foi uma briga colocar ela dentro da bolsa de transporte. Por mais que ela já estivesse usando a mesma a 3 semanas para dormir para se habituar com o espaço, cheiros e afins… parece que naquele dia desceu um santo nela e ela percebeu que ia ficar um dia inteiro lá dentro. Foi um mega drama. Como a Bella nunca tinha saído de casa na vida… tudo a assustou. O caminho de casa ao aeroporto foi um drama. Ela se debateu tanto que parecia que estava tendo convulsões. Eu só chorava. Por sorte minha grande amiga Deusa estava comigo e como um anjo acalmou a Bella. Fizemos o check in – meu e dela – e neste momento é quando você apresenta todos os documentos que precisou providenciar para o seu pet. Por sorte ou intervenção divina de repente ela ficou quieta. O drama foi passar pela segurança… no aeroporto em Lomé passamos por duas revistas e em ambas eles queriam retirar ela da bolsa. Eu com o meu francês mea boca expliquei que se ela saisse… nenhum de nós nunca mais conseguiríamos pegar ela. Mostrei minhas mãos com marcas de unhadas dela e eles todos entraram em pânico. Pelo menos no Togo a grande maioria dos locais não tem afinidades com gatos e muitos comem ou praticam rituais de vudu. Ouvi várias piadinhas durante a revista no aeroporto sobre o absurdo que era eu pagar tudo aquilo para levar um gato, ou toda a dor de cabeça que eu estava passando por um animal “besta”. Ouvi também guardas que pediram para eu dar ela para eles comerem e teve um outro que me disse que ao invés de gastar dinheiro pra levar ela para os EUA eu deveria levar ele… só Jesus na causa.

Entrei na aeronave, posicionei a Bella embaixo do assento à minha frente e rezei. Essa gata surtou na subida… acho que por conta da diferença de pressão… ela fez um escândalo. Miou, chorou, se debateu, tentou sair da mala… tive de conversar com ela para ela se acalmar. Durante o vôo (de 10 horas e meia) ela tentou escapar umas 3 vezes… sempre conversava com ela e enfiava a mão na mala para poder acalma-la. E a descida foi o mesmo drama… uma hora ela se debateu tanto que eu achei que ela fosse morre de ataque cardíaco… fiquei bem penalizada pelo desespero dela…

Ao chegar aos EUA o processo foi TÃO simples que deu até gosto. Passamos pela imigração onde carimbaram meu passaporte e fui na sequência pegar as malas. Ela super quieta prestando atenção a tudo e a todos. Na saída tive de pegar uma outra fila para ser inspecionada pelo Departamento de Agricultura. Como no cartão de chegada (o I-94) eu tinha mencionado que tinha uma gatinha eu fui direcionada a essa fila. Nunca, jamais, em hipótese alguma minta neste formulário. Gatinhos/Cachorros/Aves apreendidos irregularmente são enviados para destruction (morte). Você não quer isso!!!!! Entreguei pro oficial todos os documentos que eu providenciei no Togo e ele gentilmente me falou que como era uma gata eu podia passar tranquilamente por fora do Raio X e ir para a saída. Curiosa como sempre, perguntei o porque e ele me explicou que cachorros são mais suscetíveis a transmitir doenças infecto contagiosas do que gatos. Mais um ponto para a Bella.

Ao sair do aero meu mozão aguardava por nós e fomos pegar o carro pois ainda tínhamos 4 horas de estrada entre Newark e Washington. Enquanto ele arrumava as malas no carro coloquei treats que trouxe comigo na malinha de mão da Bella e ela comeu. Fiquei surpresa que apesar de todo o estresse ela ainda tivesse animo para beliscar alguma coisa. A essa hora já estávamos a 17 horas em deslocamento e a coitadinha estava presa por todo este tempo. A agua ela nem tocou. A viagem de carro foi bem mais sossegada. Acho que como éramos apenas nós dois e ela ouvia com mais clareza a nossa voz e não houveram movimentos bruscos… ela ficou mais calma do que no avião.

Ao chegar ao hotel abri a porta da malinha dela e ela claro sumiu. Hoje enquanto escrevo este post (sexta 23/6) já tem 5 dias que chegamos aqui e ela aos poucos está melhorando. Já sai de debaixo do sofá para comer, beber água e usar o banheirinho dela (á noite quando já estamos deitados) e pula a noite toda em cima de nós dois enquanto dormimos. Porém ela ainda não se adaptou aos barulhos da cidade grande. Tudo a assusta com muita facilidade e ela tem passado os dias embaixo do sofá o mais reclusa possível. Hoje por um milagre de Deus ela saiu das trevas do sofá e brincou por uma hora com os brinquedinhos que comprei aqui após chegarmos. Trouxe dois comigo que ela brincava no Togo mas ela nem ligou pra eles.

Por enquanto essa tem sido a adaptação da Bella… como estamos em um hotel tem sido complicado… os barulhos de abre e fecha de portas nos quartos ao lado a assusta muito e quando algum funcionário do hotel tem que entrar aqui pra ela é um caos. Como temos uma vida itinerante ela vai um dia se habituar com isso. Não vou abrir mão dela… já a  trouxe do Togo pra cá e evitei que ela virasse comida ou artigo de macumba. Sem contar todo o dinheiro já gasto com ela e toda a carga emocional também já investida nestes 8 meses.

Vou deixar alguns links abaixo que vocês podem ler com mais calma sobre como transportar gatinhos/cachorros para os EUA e também de avião pelo Brasil. Espero que este artigo apesar de grande sirva de ajuda para vocês.

Até o próximo post  =0)

http://pt.wikihow.com/Transportar-Gatos-por-Avião

http://www.aeroportoguarulhos.net/dicas-de-viagem/como-levar-animais-de-estimacao-em-viagens-de-aviao

https://www.voegol.com.br/pt/servicos/transporte-de-animais-no-aviao

https://www.latam.com/pt_br/informacao-para-sua-viagem/como-viajar-com-cachorro-e-gato/

http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/quanto-custa-viajar-de-aviao-com-seu-cachorro-ou-gato/

https://www.state.gov/m/fsi/tc/c10442.htm

https://www.cdc.gov/importation/traveling-with-pets.html

http://www.freshfromflorida.com/Divisions-Offices/Animal-Industry/Consumer-Resources/Animal-Movement/Dog-and-Cat-Movement-Requirements

Compartilhe

Por Érica Brasilino

1

Pessoas comentaram

Estilo de Vida Quando Viajar Saindo do Brasil

Como organizar uma viagem?

11 de janeiro de 2017

Que tal começar o ano organizando mais viagens? Com um pouco de pesquisa e determinação é possível tirar aquela viagem fantástica do papel e realizar o seu sonho.

Quando meu marido diz: estaremos de ferias no mês tal, para mim é como se ele falasse que eu emagreci ou que ganhei na loteria. É a melhor frase que ele pode me dizer, não importa a época do ano. Sempre quando ele define o período que pode se ausentar na empresa, começa do meu lado os preparativos para uma aventura. Mas como decidir para onde ir? O que fazer? Quanto gastar? No post de hoje vou listar as etapas para organizar as nossas férias. Quem sabe este post ajuda você a tirar o seu projeto do papel.

Decidir o destino para nós não é tão difícil uma vez que nós dois temos o mesmo gosto por lugares de praia ou de turismo de aventura. Se puder unir os dois numa única viagem, melhor ainda. Por falarmos espanhol/inglês/francês e  português, confesso que sempre damos preferência para destinos que falem os idiomas que sabemos. Este ano como estamos morando na África, o idioma não será fator determinante para nossa escolha de destino, apenas listamos o que gostaríamos de conhecer aqui neste continente por ordem de preferência e vamos tentar ver o maior número de lugares possíveis.

De acordo com a época da viagem e uma lista de pelo menos 2 lugares em mente começo a pesquisar sobre o clima durante o mês das nossas férias. O que mais queremos evitar são surpresas desagradáveis e ir por exemplo para o Caribe durante a temporada de furacões e ficar preso no hotel ou correndo perigo de vida. Além de perder dinheiro pode ser inclusive perigoso. Se o clima estiver bom para a época desejada pulo para a próxima etapa da organização que seria pesquisar se é alta ou baixa temporada no destino escolhido. Para mim este é um dos itens mais importantes. Viajar em alta temporada não apenas significa que os preços de passagens e hospedagens estarão nas alturas, mas também que você pode levar horas para conseguir comer ou nem conseguir entrar em alguns lugares.

Nós dois somos adeptos de viajar sempre no contra fluxo. Dito isso, visitamos Campos do Jordão e Monte Verde no verão. Pois é nada de lareira e fondue para nós, em contrapartida encontramos cidades vazias e com preços acessíveis. Orlando das 4 vezes que já visitamos apenas 1 calhou de ser em agosto durante as férias americanas. Além do calor insuportável, a Disney estava infernal. A montanha russa Seven Dwarfs Mine Train a mais nova atração do Magic Kingdom tinha fila de espera de 4 horas sem contar a quantidade absurda de carrinhos de bebês e crianças chorando para todos os lados. Foi um dia mais estressante do que animado para nós.  A melhor época de visitar Orlando entre todas as que já fomos é novembro. Os alunos estão em provas tanto nos Estados Unidos como no Brasil, os parques já estão com a decoração de Natal, o clima já não esta mais tão quente como o Saara e você repete os brinquedos. Fomos na Hulk Roller Coaster na Universal 5 vezes seguidas!

Batido o martelo quanto ao destino começo a saga das passagens aéreas. Verifico sempre no Decolar.com e no Kayak.com. Estes são sem dúvida meus dois sites favoritos. A companhia aérea que estiver mais barata eu entro em contato diretamente no site deles e fecho por lá. Geralmente sai mais em conta no site da própria empresa do que nos sites parceiros pois você evita pagar taxas intermediárias. Quando começo a pesquisar passagens tem outro macete… por qual aeroporto viajar?

Se você estiver em São Paulo há a opção de voar por Congonhas, Viracopos e Guarulhos. Congonhas é sempre mais caro. Por ser localizado no coração da cidade, as passagens partindo de CGH sempre são mais caras. Guarulhos e Viracopos acabam sendo opções mais em conta para destinos domésticos e internacionais. A grande questão é… quanto tempo de deslocamento você terá e o mais importante quanto vai gastar para chegar até estes aeroportos. Já viajei pelos 3 e cada um tem suas peculiaridades.

Se viajar por GRU utilizando GOL ou TAM ambas oferecem serviço de traslado sem custo adicional partindo de CGH e do Terminal Tietê. Nos sites das cias aéreas você pode acessar o horário de chegada e saída e todas as rotas oferecidas. Já o aeroporto de Viracopos principal HUB da Azul linhas aéreas tem um serviço de ônibus ate CGH. Em todos estes casos você deve apresentar o bilhete aéreo impresso para poder embarcar sem custo. Caso você vá viajar para o exterior saindo de GRU aconselho a utilizar o Airport Bus Service. Sempre uso este serviço ao visitar minha família no Brasil. Desembarco em GRU, compro minha passagem por menos de 60 reais e vou até Congonhas. Confortável, eles disponibilizam água gelada, wifi e você vai sem preocupação até o seu destino. De lá pego um táxi e em 30 minutos estou sentada na sala da minha mãe. Claro que hoje em dia há o Uber. Mas acho mais fácil usar o Uber para ir para o aeroporto. Ao chegar é muito mais complicado pois a saída de GRU é lotada de taxis cadastrados e eles podem encrencar com um carro preto por lá. Lembre-se que para viagens internacionais é sempre bom chegar com 3 horas de antecedência ao aeroporto e viagens nacionais 2 horas são o suficiente. Caso a viagem seja em alta temporada ou véspera de feriados, aconselho acrescentar mais tempo para poder fazer o check in e passar pela segurança com calma. É importante você ter em mente como será seu deslocamento para o aeroporto pois a pior coisa que tem é viajar já estressado preocupado se chegar ao aeroporto a tempo ou não.

Após comprar as passagens começo a pesquisar sobre as atrações no destino. O que faremos? Será uma viagem cultural? Eco turismo? Praia 24 horas por dia? Aqui a lição de casa é mais intensa e minha bíblia neste caso se resume em Tripadvisor, Mochileiros.com e Lonely Planet. Recorro a amigos também que já tenham visitado o destino que tenho em mente para pegar dicas. Neste momento pesquisar onde ficam as atrações é primordial para se ter uma ideia de onde ficaremos hospedados e como chegaremos ate lá após sair do aeroporto.  Nesta etapa monto um roteiro para apresentar ao meu marido e coloco no papel o que faremos em cada dia da viagem em cada cidade visitada. Há pessoas que não gostam deste tipo de planejamento e que gostam de fazer o que der na telha no momento que acordam. Cada um tem um estilo de viagem e nós estamos habituados a já sair de casa com uma programação impressa onde colocamos endereços das atrações, valores dos passeios, como chegaremos até lá. Talvez este não seja o seu estilo de viagem, após 4 anos juntos descobrimos que este modelo funciona perfeitamente pra gente.

Após ter uma ideia das atrações que iremos visitar no destino, começo a pensar nos hotéis. Nessa etapa o meu serviço preferido é sem dúvidas o Booking.com. Aqui o fator custo/benefício/localização é primordial. Para poder definir onde ficaremos levo em consideração se a cidade conta com serviço de transporte acessível, se alugaremos carro/moto, se usaremos serviço de empresas de receptivo local para os passeios, se há restaurantes perto para jantar, se é seguro. Não é apenas o fator preço por noite que levamos em conta onde nos hospedar. Quando fizemos nosso mochilão pela Espanha, fizemos 13 cidades em 3 semanas. Nos primeiros 4 dias como ficamos em Madri sem carro optamos por um Hostel bem simples, mas ao lado da estação de Metro Sol. Uma mão na roda pois fizemos tudo a pé por lá. Já na Costa Rica, numa das cidades no centro do país optamos por um resort all inclusive pois queríamos ter a experiência de relaxar nas piscinas aquecidas naturalmente pelo vulcão Arenal. Tudo depende do tipo de viajante que você é: você curte luxo ou você fica feliz com uma cama limpa e ar condicionado + wifi?

Algo muito importante para nós é ter acesso a comida internacional. Nós não somos aventureiros no quesito comida. Não nos ofereça uma sopa de tartaruga ou sangue de cobra. Sempre nos mantemos fiéis ao combo comida italiana, mexicana, libanesa, japonesa, brasileira e cubana. Se houver um destes no local já estamos felizes. Sempre pesquiso onde comer no Tripadvisor, Yelp e Foursquare. Nessas pesquisas em uma das cidades que visitamos na Costa Rica descobrimos um restaurante no topo de uma árvore simplesmente original e fantástico. Surpresas de viagem que o destino nos da.

E tão importante quanto é verificar se o país de destino pede visto de entrada ou caderneta de vacinação em dia. Lembre se sempre de que para sair do Brasil seu passaporte deve ter mais de 6 meses para vencer e alguns países são bem amistosos com o Brasil e não precisamos de vistos de entrada ou se precisar podemos requerer na entrada no país. Mas cada país é soberano sobre suas regras. Fique atento. Caso precise solicitar seu passaporte neste artigo aqui explico sobre como solicitar o seu.

Sei que o post ficou longo, mas pelo menos dá uma ideia de como organizar uma viagem. E você já tem em mente quais lugares visitará em 2017? Nós já temos nossa lista pronta.

Feliz ano novo e ótimas viagens para vocês,

Até o próximo post  =0)

 

Compartilhe

Por Érica Brasilino

0

Pessoas comentaram

Outros Saindo do Brasil

Mudança no despacho de bagagens aéreas no Brasil

09 de dezembro de 2016

Está em todos os jornais desde março que a ANAC – Agência Nacional de Aviação Civil iria mudar as regras de bagagem aérea no país. Semana que vem finalmente será a decisão final sobre o tema. Claro que o assunto voltou a ser notícia uma vez que tudo poderá mudar a partir do ano que vem. Mas o que realmente vai mudar?

Hoje caso você viaje dentro do Brasil (vôo doméstico), para a América Central ou para a América do Sul pode levar sem pagar nada mais por isso uma mala de 23 quilos. Entende-se que isso já está incluso no valor da sua passagem. Viagens internacionais na grande maioria das vezes se você parte do/para o Brasil pode levar até duas malas de 32 quilos sem pagar nada extra. Com a nova regra que a ANAC votará na semana que vem, várias mudanças estão em pauta:

  • Os vôos domésticos continuam até outubro de 2018 com o limite de uma mala de até 23 kg.
  • Vôos para América do Sul e Central terão direito a uma mala de 23 kg.
  • Demais destinos internacionais mantêm a permissão de duas malas, mas com peso máximo de 23 kg em vez dos 32 kg atuais.
  • Entre 1º de outubro de 2017 e 30 de setembro de 2018, os passageiros de todos os vôos, nacionais e internacionais, terão direito a apenas uma mala de 23 kg.
  • Um ano depois, a partir de 1º de outubro de 2018, as franquias de bagagem despachada passam a ser livremente estabelecidas pelas companhias aéreas.

De acordo com a ABEAR – Associação que representa as grandes do setor no Brasil: Avianca, Azul, Gol e TAM, a mudança seria benéfica principalmente para 2/3 dos passageiros que segundo eles viajam sem malas porém pagam o custo do transporte de malas daqueles que viajam com a casa inteira nas costas, uma vez que o custo operacional seria diluído entre todos os passageiros do mesmo vôo. Caso a mudança seja aprovada a bagagem de mão que hoje é de 5 quilos aumentaria para 10 quilos.

Na prática o que isso quer dizer?

Viajo de avião pelo menos 4 vezes por ano em vôos domésticos e internacionais. Os únicos vôos que vi pessoas viajando apenas com mala de mão foram São Paulo/Rio, São Paulo/Brasília, Toronto/Nova Iorque, Nova Iorque/Reagan National (DC), Toronto/Los Angeles, ou seja, os trechos considerados ponte aérea. Todos os outros vôos que peguei, os passageiros despacharam malas. Por milhares de motivos… presentes de familiares, mudanças entre estados/países, ir de um local quente para um local frio e vice e versa. Uma mudança agora nas regras de bagagem pode ser um tiro no pé das companhias aéreas. Primeiro porque cada uma será livre para fazer o que bem entende… e esperta será a que não mudar as regras e se o fizer oferecer para seus clientes alternativas ou facilidades para poder continuar levando suas malas de 32 quilos.

Em agosto quando começamos nossa mudança de Washington D.C para Lomé passando por Miami e São Paulo foi uma mega operação logística e de planejamento justamente por conta das malas. Por mais que 90% das nossas coisas tenham vindo para a África pela empresa de mudança internacional, tivemos que lidar com a dor de cabeça de como chegar até aqui passando por outras cidades sem pagar absurdamente mais caro por isso. Para o trajeto DC-Fort Lauderdale tivemos de pagar bilhetes de primeira classe para poder num vôo doméstico despachar duas malas de 23 quilos cada um. Poderíamos levar até 32 quilos o que seria perfeito, porém nosso trajeto depois até o Togo não permitia malas de 32 quilos. Enquanto a passagem custava $110 dólares para cada um de nós, se quiséssemos levar malas, deveríamos pagar U$200 por cada mala por ser uma tarifa promocional. Porém por U$320 cada bilhete, viajaríamos de primeira classe e poderíamos levar as malas “de graça”. Depois quando fiz Miami/São Paulo eu estava sossegada pois estava dentro da minha franquia de 2 malas de 32 quilos para o Brasil. Porém na última parte da viagem São Paulo/Lomé, foi um inferno. Primeiro fui informada em Washington quando compramos as passagens pela Ethiopian Airlines de que eu teria direito á apenas 2 malas de 23 quilos. Até aí tudo bem, pois essa é a norma no mundo inteiro. Pelo o que pesquisei, o Brasil é um dos únicos países que permitem franquias de 32 quilos e funcionários de cias aéreas mundo afora odeiam os brasileiros pois carregamos de tudo e mais um pouco… Me segurei no Brasil para não enfiar o mercado inteiro na mala e quando cheguei ao aeroporto descobri que eu tinha direito a duas malas de 32 quilos uma vez que eu estava saindo do Brasil (mesmo o bilhete tendo sido comprado nos EUA). Nem a própria cia aérea sabia qual informação dar. Resultado: poderia ter trazido mais 18 quilos de bagagem e não trouxe para Lomé.

Enfim… fiquem de olho quando comprarem suas passagens daqui pra frente, de acordo com a ANAC em abril e maio deste ano os passageiros puderam enviar para a agência soluções para serem consideradas na votação da semana que vem. Você enviou essas sugestões? Eu confesso que nem prestei atenção em nada disso até o perrengue que passamos em agosto… enfim… é sempre assim, só damos atenção a determinado assunto quando dói no nosso bolso, fica a dica para os meus amigos viajantes. Muito provavelmente aquela história do: “Você pode trazer um perfumezinho pra mim do outlet?” vai acabar… porque uma vez que você ou paga pela sua mala ou viaja leve começar a valer… ninguém mais fará favores para outrem quando viajar ao exterior. É importante que a população e o Ministério Público fiquem em cima das cias aéreas para verificarem se elas realmente vão repassar os valores promocionais para aqueles que viajarem sem malas.

E aí quem perde com as novas regras? Eu humildemente acho que todos nós perdemos. E você o que acha disso? Deixe sua opinião na caixa abaixo.

Até o próximo post  =0)

 

 

Compartilhe

Por Érica Brasilino

1

Pessoas comentaram

Documentação de Viagem Outros Saindo do Brasil

O que é um visto?

27 de setembro de 2016

Visto é uma autorização de entrada/saída para um determinado país. Cada país tem suas leis de visita e imigração, portanto cada lugar neste mundão que você decidir visitar, seja a trabalho, turismo, negócios, estudos, tratamento médico, etc, você deve primeiramente verificar qual a documentação necessária para se aventurar em terras longínquas e estrangeiras antes mesmo de fechar o pacote com a agência de viagens. Os Estados Unidos como todos sabem requerem visto de entrada para turistas já a Arábia Saudita requer visto de saída do país para qualquer estrangeiro. Besteira? Desnecessário? Não! Apenas siga as leis de cada lugar e abrace a diversidade neste planeta chamado Terra.

Entrar num país sem visto ou usar um visto de turismo para arrumar emprego é ilegal. A pessoa que assim o fizer está sujeita a ser presa e deportada e muitas vezes proibida de retornar a aquele país para sempre. Então evite dores de cabeça internacionalmente e cumpra á risca as regras do visto que você tiver para qualquer lugar que você viajar.

Existem vistos de inúmeras categorias, porém as mais comuns são: diplomático, turismo, negócios, trânsito, tripulante, investidor, estudante, trabalho, atleta e religioso. Para cada tipo de viagem, cada país tem autonomia para determinar qual o tipo de visto é necessário para cada solicitante. E para cada tipo de visto, há documentações diferentes a serem apresentadas no Consulado e/ou Embaixada. Verifique com antecedência quais documentos irá precisar.

Não é necessário o uso de despachante para a grande maioria dos vistos. Tenho vistos dos EUA, Canadá e Togo e não utilizei em nenhum destes processos o uso de terceiros. Preenchi os formulários sozinha e fiz as entrevistas por conta própria. Todas as informações estão disponíveis aí na internet para todo mundo e não é nenhum bicho de sete cabeças. Agora se você tem dinheiro sobrando e não tem paciência de procurar informações ai são outros quinhentos.

Um grande mito sobre este mundo dos vistos é a recusa. Quais motivos levam um cônsul a negar um visto? Na grande maioria das vezes a falta de atenção dos solicitantes na hora de preencher o documento, a falta de verdade nas respostas (considerada fraude consular), falta de provas sobre os laços do solicitante com o país dele de origem, ausência de fundos financeiros para o custeio da viagem, falta de motivo aparente para a viagem são alguns dos motivos mais comuns para a recusa.

A pessoa que tem o visto negado não esta proibida de tentar o visto novamente, mas o consulado pode solicitar um tempo mínimo de seis meses a um ano para que o solicitante faça a entrevista de novo. Fique atento a esta informação caso seu visto seja negado.

Este post é apenas um resumo do que é um visto, quais tipos de vistos existem e motivos de recusa. Outros motivos para recusa podem surgir, cada caso é um caso.  Pense e planeje com atenção sua viagem internacional e analise bem qual o tipo de visto você precisará. Taxas de visto não são reembolsáveis caso você solicite um visto de turismo e decide que precisa mesmo é de um de estudante. Fique atento!

Caso tenha dúvidas ou comentários deixe seu relato na caixa abaixo,

Até o próximo post  =D

 

 

 

 

 

Compartilhe

Por Érica Brasilino

2

Pessoas comentaram

Documentação de Viagem Saindo do Brasil

Como solicitar um passaporte?

06 de setembro de 2016

Você decidiu que irá viajar além dos limites do nosso amado Brasil e o país de destino não faz parte do Mercosul (aqueles que apenas com o RG podemos transitar livremente), então é hora de tirar o passaporte. Mas por onde começar?

O primeiro passo é verificar neste link aqui a documentação necessária para solicitar o passaporte. Entre os documentos necessários estão RG, CPF, Título de Eleitor, Comprovante de Alistamento Militar e Passaporte anterior caso seja uma renovação. Lembre-se que se for uma renovação e você não apresentar o antigo a taxa para solicitar o passaporte é maior. Uma vez que você conseguiu reunir toda a documentação necessária, o próximo passo é preencher o formulário online de solicitação de passaporte que você pode encontrar neste link aqui.

Quando você preencher o formulário de nova solicitação de passaporte ele vai te perguntar onde será seu atendimento. Eu já fiz passaporte no posto do Shopping Ibirapuera na zona sul de São Paulo e já fiz no prédio da Polícia Federal na Lapa. Se você reside na zona sul de São Paulo, eu super indico tentar agendamento no posto do Shopping Ibirapuera. Porque infelizmente, você precisa ir ao posto duas vezes, a primeira para colher as digitais e tirar a foto e após uma semana para retirar o documento pronto. Para quem mora na zona sul ir até a Lapa é um saco. Sem contar que no Ibirapuera é muito mais cômodo.

Tome cuidado ao preencher o formulário para que tudo saia corretamente no sistema e seu atendimento seja o mais rápido possível. No posto da PF você vai apresentar os documentos que mencionei acima, tirar a foto e colher as impressões digitais. Lembre-se que o agendamento pode demorar. Hoje enquanto escrevo este post (domingo 21/08) de acordo com o site oficial o passaporte so ficará pronto dentro de 45 dias. Ou seja… se você pensa em viajar no carnaval eu aconselho a já começar a solicitação para evitar transtornos. No dia do atendimento vá preparado para perder umas duas horas no posto. Talvez você tenha sorte e seja atendido rapidamente. Eu já fui atendida em 15 minutos como já demorei quase 2:30 horas por lá. Então não marque nada muito importante para o mesmo dia.

A taxa para solicitar um novo passaporte é de R$257,25 e pode ser paga pela Internet. Caso você precise do documento com urgência essa taxa sobe para R$334,42. E caso seja uma renovação e você não apresente o documento anterior seu novo passaporte custará R$514,50.

A validade do passaporte brasileiro varia de acordo com a idade do solicitante:

IDADEVALIDADE 
0 a 1 ano incompleto1 ano
1 ano completo a 2 anos incompletos2 anos
2 anos completos a 3 anos incompletos3 anos
3 anos completos a 4 anos incompletos4 anos
4 anos completos a 18 anos incompletos5 anos
18 anos completos ou mais10 anos

 

Quando seu passaporte estiver pronto e você puder retirar, não esqueça de verificar seus dados pessoais lá na hora antes de ir embora. Verifique tudo com muita atenção: Grafia do nome, sexo, data de nascimento. Já vi várias pessoas perderem viagens, reuniões de trabalho, início de ano letivo, entre outras coisas pois ao levarem seus passaportes para solicitar o visto o Consulado notava um erro no passaporte e o solicitante tinha que levar o passaporte de volta a PF para corrigir. É um mega estresse desnecessário e que pode ser evitado se você verificar seus dados com atenção.

Caso você tenha alguma dúvida deixe um comentário na caixa abaixo.

Até o próximo post  =D

 

Compartilhe

Por Érica Brasilino

3

Pessoas comentaram