Categoria: Outros

Estilo de Vida Gatos Outros

Pet Sitter – Babá para animais

26 de setembro de 2017

Você tem animais de estimação? Já deixou de viajar porque não tinha com quem deixar o seu animalzinho? Ou sempre que vai se ausentar, precisa pedir favores para amigos e familiares para ter a certeza que seu bichinho será bem cuidado?

Minha Bella mais bela

Pois essa semana precisei me ausentar de casa por quase uma semana e estava desesperada com o que eu faria com a Bella. Como surgiu a oportunidade de vir para NY enquanto meu esposo trabalhava, fiquei no impasse de vir me divertir ou ficar em casa com a minha gatinha. Por morarmos longe dos nossos familiares e não estarmos mais na África onde tínhamos empregada, fiquei aterrorizada com a viagem iminente e a ideia da Bella ficar sozinha e desamparada em casa.

Após muito considerar… decidi contratar uma Pet Sitting Company que foi indicado por várias pessoas do trabalho do meu esposo. Eles têm um site onde você faz um cadastro e responde um questionário enorme sobre você, sua casa e seu animalzinho. Após o cadastro abre uma pagina com a agenda e você solicita o serviço para os dias e a faixa de horário que você achar mais conveniente. Após este cadastro inicial, a empresa entrou em contato comigo para confirmar os dados e disse que a sitter designada para o meu bairro entraria em contato após a confirmação do serviço para agendarmos uma “consultation” antes da minha viagem. No dia e horário combinados, conheci a Diana. Ela foi bem profissional e simpática e fez várias perguntas sobre a Bella, os hábitos dela, horários de refeição, onde guardamos a comida, quantas vezes deveria trocar a areia e etc… Após nossa entrevista com muito cuidado levei ela até o meu quarto onde a Bellinha estava escondida na minha cama embaixo do edredom. Ela é muito medrosa e quando ouve vozes de quem não conhece ela se esconde no mesmo momento. A Diana conseguiu ver a Bella por 3 minutos, o suficiente para minha gatinha cheirar a sitter e sumir.

Como viajei na terça, após várias pesquisas em blogs aqui da gringa, decidimos que a Bella poderia ficar dois dias sozinha em casa com água e comida e que iríamos agendar a sitter para um dia sim dois não. Então a princípio a Diana ficou agendada para a sexta. Como voltamos no sábado a noite, pelas minhas contas ficaria tudo bem. Mas como sou mega preocupada com o bem estar da minha gatinha, na quarta a noite contatei a Diana por SMS e perguntei se ela poderia antecipar a visita a minha casa. Ela prontamente reagendou para um dia antes do programado a visita e na quinta feira ela foi lá em casa.

Enfim, ela disse que a Bella tinha comido toda a ração molhada e tinha comido metade da ração seca. Ela também bebeu água e usou a areia dela normalmente. Fiquei aliviada. Minha maior preocupação era que ela parasse de comer por estresse ou por depressão por estar sozinha, mas aparentemente ela estava bem. Também tem o fato de ela ter ficado em casa no ambiente dela e não mudando de hotel em hotel por três semanas como fizemos em junho. Claro que o ideal seria ter um pet sitter disponível todos os dias durante a viagem, mas é um serviço relativamente caro. Vou deixar algumas dicas caso você considere contratar este tipo de serviço para a sua próxima viagem.

Contrate uma empresa/pessoa de confiança que venha com referências. Optei pela Fetch! Pet Care que atende muitas áreas dos EUA e honestamente estou muito satisfeita com o serviço deles. Eles estão super habituados a trabalhar com diplomatas uma vez que viajamos muito e muitos de nós temos animais de estimação. Foi uma indicação de vários outros colegas do corpo diplomático. A Fetch! oferece sitters que tem os antecedentes criminais checados e também é uma empresa com seguro, caso qualquer coisa aconteça é muito mais fácil processar eles ou acionar o seguro. Eles também enviam o contrato de prestação de serviços por e-mail onde todas as informações de segurança estão lá disponíveis caso surja alguma dúvida.

Um dos benefícios do pet sitter, é que o seu bichinho vai ficar na casa dele. Não terá o estresse de ir para um hotel e ficar com outros animais. No caso da Bella além de ela ainda não ser castrada, ela não teve contato com outros animais desde os 2 meses de vida. Ela ficaria mais estressada ou até doente. Sem contar que muitos hotéis para animais não aceitam os que não são castrados como ela.

Comunicação é primordial. Explique para o sitter quais são as necessidades do seu animalzinho, onde você guarda comida, areia, treats, brinquedos. Quantas vezes a areia deve ser trocada, onde estão os sacos de lixo para as fezes do animal, ele/ela toma alguma medicação? Onde fica esse remédio, qual a dosagem e quantas vezes por dia/semana? Além de mencionar tudo isso na entrevista/consulta, deixe anotado para o sitter essas informações em local visível. Se na correria da viajem, você esquecer, mande um SMS para o sitter relembrando ele/ela de tudo.

Certifique-se de que os valores acertados estejam de acordo com os serviços/dias prestados. Geralmente nos finais de semana, feriados ou após as oito da noite, a tarifa costuma ser maior. Tenha certeza do que você esta pagando antes do sitter comparecer a sua casa. Nós acertamos $20 cada visita de 15 minutos. Não precisamos de mais tempo que isso uma vez que a Bella NUNCA irá aparecer para interagir com a sitter. Na primeira visita a Diana achou ela escondida atrás da nossa cama e quando a Diana finalmente a encontrou, claro que a Bella fez que ia atacar. Ohh boy!

Para feriados e datas comemorativas, indico que você faça reserva com antecedência. Assim que souber sua data de viagem, já reserve. Natal e férias escolares são as datas mais concorridas para este tipo de serviço.

Lembre de deixar um contato de emergência com a sitter ou a empresa. Pode ser tanto o veterinário de confiança do seu bichinho como um parente próximo que more perto (amigo também serve).

Combine como será a entrega da chave para o serviço. Como temos serviço de concierge no nosso prédio, deixamos a chave com a recepção e eles ficaram responsáveis de guardar a chave em segurança para nós. Eles sabiam o dia e horário que a Diana ia passar lá em casa, como eu troquei os dias no meio da viagem, eu liguei na recepção do nosso prédio para dar novas instruções. Ela teve acesso sem maiores problemas.

Após arranjar o serviço, entrevistar a sitter e organizar a casa para a sua viagem, não esqueça de deixar comida, areia e medicação o suficiente para a sitter não ter que se preocupar.

Viaje com paz de espírito sabendo que o seu animalzinho, que faz parte da sua família esta em boas mãos e na casa dele.

E você como faz com o seu animalzinho quando precisa viajar?

Compartilhe

Por Érica Brasilino

0

Pessoas comentaram

Estilo de Vida EUA New York Outros Viagens Washington

Viagem de ônibus entre Washington DC (Union Station) e NYC (Port Authority)

22 de setembro de 2017

Essa semana minha melhor metade está trabalhando em NYC e aproveitei para visitar a cidade enquanto ele esta por aqui. Como vim a NYC mês passado de trem, decidi que este mês iria testar o serviço de ônibus entre as duas cidades. Meu marido não gostou muito da ideia, mas consegui convencer ele. Comprei passagem de ida pela Greyhound e paguei apenas U$10. São aproximadamente R$35. O valor é muito atrativo e hoje vou explicar como funciona utilizar este sistema.

Em Washington DC a estação rodoviária fica no segundo andar da Union Station. O complexo da estação serve o serviço de metrô, ônibus e trens da Amtrak. Ao comprar pela internet você pode imprimir o ticket em casa. Eles pedem que o passageiro chegue com 30 minutos de antecedência para o horário de saída do ônibus. Cheguei a estação com uma hora e meia de antecedência de embarque pois como a Union Station também é um mini shopping, já vim preparada para almoçar e fazer tudo com calma. Na hora de embarcar você deve ir ao segundo andar da estação onde também está localizado o guichê da Greyhound. No site diz que se você tiver o ticket impresso, é só embarcar. Não caia neste conto. É uma boa passar por lá para poder imprimir uma identificação para a sua mala que vai no bagageiro (na parte inferior do ônibus).

Na sequência você vai passar por um funcionário da rodoviária que irá te indicar qual fila você deve pegar. Ao passar por essa área, notei que há uma sala de espera climatizada com televisor bem na entrada da área de embarque dos ônibus do lado direito. Mas como eu estava curiosa pelo sistema rodoviário americano, decidi não entrar nessa sala de espera.

Um funcionário antes do embarque passa avaliando as malas dos passageiros e indicando se eles precisam identificar ou não a bagagem. Como viajei com uma mala pequena de mão mais uma mochila, ele disse que não tinha necessidade dessa identificação, até mesmo porque meu ônibus não ia parar em nenhuma outra cidade antes de chegar em NY (sorte a minha, porque a essa altura a fila já estava enorme e se eu tivesse que pegar ela de novo, não pegaria um bom local no ônibus).

Ao embarcar vi um grupo de senhoras africanas tentando embarcar preferencialmente e vi quando uma senhora americana na mesma faixa etária delas reclamou que quem mora aqui tem que se adaptar as regras daqui e não trazer as regras do seu local de origem para os EUA, e deveria aceitar que não tem embarque prioritário. Ficamos todos com cara de paisagem na fila por conta da torta de climão…

Quando o embarque começou, o funcionário recolheu as passagens e indicou que cada passageiro colocasse a sua própria mala no bagageiro do ônibus. Babado e confusão. Vi mulheres com malas pesadíssimas sem nenhuma ajuda por parte dos funcionários da rodoviária. Mais ou menos assim… trouxe muito peso? Problema seu. O último problema que percebi foi um casal alemão que ao embarcar por último não encontrou dois assentos disponíveis para eles. Um dos funcionários pediu para eles descerem do ônibus e pegarem o próximo das 2 da tarde. Fiquei com a sensação de que a empresa foi desorganizada ao vender os tickets e aparentemente não tem muito controle de quantas tickets foram vendidos. E se não tivesse o ônibus da duas da tarde… como seria?

No ônibus o sistema de climatização estava a todo vapor, então se decidir fazer uma viagem dessas, aconselho a levar um casaquinho mesmo no verão. Há tomadas nas poltronas em frente aos assentos e pelo menos onde eu estava sentada, não estava funcionando. O bagageiro acima das poltronas é minúsculo, se você viajar com uma mochila muito cheia, essa terá que ir no seu pé no assento a sua frente.

O motorista ao iniciar a viagem fez um briefing e falou sobre o horário estimado de chegada ao destino, portão programado para a chegada, explicou sobre a existência de banheiro no fundo do ônibus e sobre o wi-fi. Eles juravam que tinha serviço de wi-fi a bordo, tentei por diversas vezes conectar e nada. Depois de umas cinco tentativas desisti.

Meu colega de banco era uma das pessoas mais desagradáveis com quem eu tive o desprazer de viajar na minha existência. Mesmo após o motorista pedir que as pessoas utilizassem os equipamentos eletrônicos com fones de ouvido, o babaca fingiu não ter entendido. Na metade da viagem a minha vontade era de esfregar o celular na cara dele… tive de praticar a paciência até a hora que a bateria do celular dele acabou e ele dormiu.

No geral a viagem em si foi confortável, o ônibus da Greyhound entrega o que promete: assentos confortáveis e uma viagem relativamente segura entre o ponto A e B. Pelo valor acho que valeu a pena. O que você deve considerar na verdade é se vale a pena por apenas U$11 viajar ao lado de um público diferente do público do trem. Percebi que as pessoas que fazem o trajeto no trem são mais business people e consequentemente muito mais educadas. Tanto que mesmo a classe econômica do trem é muito diferente do ônibus. Viajei com muitos turistas fazendo mochilão entre as duas cidades, muitos imigrantes da África e da América Central e do Sul. Estes foram os mais mal-educados na viagem. É uma pena dizer isso, mas foi essa a grande diferença que notei entre quem viaja de trem e quem viaja de ônibus por aqui.

O trajeto entre NYC e DC de ônibus leva 4:20hrs e de trem varia entre 2:30hrs e 3:20hrs dependendo de quanto você esta disposto a pagar. Minha volta a DC esta programada de trem. Honestamente não pretendo mais utilizar ônibus de viagem entre cidades por aqui. É uma economia que pra mim, não valeu a pena, por U$39 a mais eu poderia ter ido de trem, no vagão silencioso  e com internet rápida disponível. Never again!!!

E você já fez alguma viagem de ônibus pelo exterior? Como foi?

 

 

 

 

 

 

Compartilhe

Por Érica Brasilino

0

Pessoas comentaram

Estilo de Vida Outros

Genius Bar – Apple

20 de setembro de 2017

Genius Bar é uma estação localizada dentro das lojas Apple onde os Geniuses (funcionários altamente treinados pela Apple) ajudam os usuários dos produtos Apple (fonte Wikipedia).

Você sabia que é possível efetuar pequenos reparos nos seus eletrônicos Apple e melhorar o funcionamento deles? Quando voltamos para os EUA em junho, um dos primeiros itens da minha to do list era agendar um atendimento no Genius Bar e levar meus eletrônicos para um check up.

Meu MacBook Air que já está completando 4 anos de vida, começou a esquentar mais do que o normal enquanto morávamos no Togo. Ao esquentar, o ventilador interno na parte do teclado começou a fazer um barulho horrível que dava a impressão de que o computador ia levantar vôo a qualquer minuto. Ao levar na Apple para darem uma olhada, os técnicos fizeram vários testes no sistema ali na minha frente. Depois, levaram meu note pro fundo da loja e após uns 20 minutos, constataram que o computador por dentro estava totalmente coberto de areia!!!!! Me perguntaram várias vezes se eu morava de frente pro mar e se levava o notebook pra praia… até que eu comentei que morava no oeste da África. Fui informada que durante os meses do Harmattan (o vento que bate no Saara e voa por todo o continente) os equipamentos eletrônicos, mesmo dentro de casa recebem uma quantidade muito grande de areia, que entra e se aloja por baixo das teclas e assim impedem a passagem de ar e consequentemente esquentam o equipamento fazendo com que o mesmo acione a ventoinha com mais potencia e claro, mais barulho. Eles abriram meu computador, sugaram toda a areia e voilá. Meu MacBook esta novo em folha. DE GRAÇA.

Meu iPad mini também estava bem lentinho e uma técnica me indicou reinicializar ele, reinstalar tudo do zero. Ela mesma efetuou o back up de tudo na iCloud e me devolveu o iPad zerado, como seu eu tivesse acabado de comprar ele. Também DE GRAÇA.

E por fim meu iPhone (6S) estava com problema no alto falante, algumas vezes o som não tocava. Se eu recebesse uma mensagem de áudio por exemplo, tinha vezes que não reproduzia o som, a não ser que inserisse o fone de ouvido. Para ouvir pelo próprio auto falante era preciso reinicializar o aparelho. Ali na minha frente outro técnico fez alguns testes que nós simples mortais não sabemos a combinação de códigos para fazer e após 15 minutos meu iPhone foi devolvido e segundo o técnico, não me daria mais problemas. Adivinha… DE GRAÇA.

Para conseguir estes atendimentos gratuitos da Apple, você tem que ser o dono do aparelho e ter uma conta ativa na Apple Store (aquela conta que você configura com o seu email para poder fazer atualizações e/ou baixar conteúdos). Você clica neste link aqui e agenda o seu horário na Apple Store mais próxima. Não sei em outras cidades, mas sei que tem no Rio de Janeiro e em São Paulo.

Verdade seja dita, dos três equipamentos que levei, o único que não resolveu 100% foi meu MacBook Air. Uma vez por mês ainda da uma super aquecida e a ventoinha trabalha a todo vapor. Mas meu computador esta entrando no que a Apple chama de tempo de validade para um notebook (eles estimam que após 5 anos de uso é hora de trocar de equipamento). O iPhone esta novo em folha e o iPad também esta bem mais rápido.

Eu sou applemaníaca, até comento isso no meu perfil no blog, então como uma cliente fiel da marca, confesso que fico surpresa com a atenção que os funcionários da loja tratam os clientes com aparelhos em uso já a bastante tempo. E pra mim este é o maior diferencial da Apple, não ser tratada como dispensável porque já tenho um aparelho. Muitas vezes ao entrar numa loja para trocar, reembolsar, ou qualquer outro motivo que não seja uma compra, você já sente na pele a indiferença dos vendedores, que pensam que você esta ali para encher o saco e não aumentar a cota de venda deles. Eu agendei três equipamentos simultaneamente para reparos na Apple Store e fui atendida por três funcionários diferentes, cada um especialista em um dos equipamentos e TODOS com um sorriso no rosto. Não tem satisfação maior para um usuário/cliente/entusiasta de uma marca/produto do que ser bem tratado. Se há aparelhos la fora melhores que a Apple?Claro que tem, talvez não melhores mas no pareo em termos de qualidade, porém não pretendo deixar de usar Apple tão cedo, pois o pós venda deles é o melhor do mercado hoje em dia.

 

Compartilhe

Por Érica Brasilino

0

Pessoas comentaram

Compras Gatos Outros

Viajando de carro com gatos

25 de julho de 2017

Ao voltar para os EUA fui informada pelo marido que iríamos tirar uns dias de folga. Não porque queríamos, mas por conta do cronograma da nova posição dele. Não tivemos tempo de organizar nada, de reservar nada, de pensar em nada. Após 8 dias de volta a DC já íamos por o pé na estrada rumo a Miami para a casa da minha sogra. O que fazer com a Bella? Levar ela com a gente ou deixar ela num hotel para pets? Após muito pesquisar decidimos levar ela com a gente. Mesmo sabendo que seria estressante, não queríamos nos separar dela e o pior já tinha passado (a viagem de avião entre o Togo e os EUA).

Foram 6 dias de estrada (3 para descer para Miami e 3 para voltar para Washington), 3415 quilomêtros, 4 hotéis pelo caminho, casa da minha sogra e uma gatinha aventureira. Mas como organizar tudo isso? A primeira decisão foi a de não reservar hotel. Não sabíamos como estaria o humor dela, como estaria o trânsito (estamos em plena época de férias de verão por aqui), então decidimos que iríamos dirigir até onde conseguíssemos e quando estivéssemos cansados pararíamos para comer e enquanto comíamos, íamos procurar um hotel pela região que fosse pet friendly.

Feliway

 

O primeiro dia foi bem estressante… a Bella mal tinha se adaptado ao hotel que estávamos em DC (ficamos 8 dias por lá) e de repente se viu na malinha de transporte de novo… 20 minutos antes de colocar ela lá dentro usamos o spray de feromônios da Feliway. Não estou sendo paga para falar sobre o produto para vocês (queria eu!!!!). É caro ai no Brasil gente, não vou mentir. Inclusive como comentei no post sobre como voar com gatinhos (disponível aqui) eu comprei em São Paulo pois não tinha no Togo e a viagem aconteceu de última hora. Paguei R$234 na Cobasi. Um assalto a mão armada mas o produto realmente funciona. Ao alocar ela no carro optamos por posicionar a mala de transporte no chão no banco atrás do motorista (após ler milhões de blogs falando sobre como viajar com gatinhos de carro, os relatos eram categóricos em mencionar que dentro do carro o chão é o local mais seguro para o gatinho). Também é a maneira mais fácil para quem estiver sentado no banco do passageiro poder checar se esta tudo bem com o animalzinho. O primeiro dia foi um inferno. Ela chorou, se debateu, tentou escapar da mala… até que conseguiu!!! Quando percebemos ela já estava embaixo dos pés do Ezio entre os pedais do carro. Um mega perigo. Eu realmente achei que não íamos conseguir chegar em Miami. Com muito custo consegui alocar ela dentro da mala novamente, vi por onde ela tinha passado e usei um dos cadeados da minha mala de viagens para segurar bem o fecho da mala dela. E pra tentar acalma-la usei uma echarpe por cima para deixar ela no escuro. Meia hora depois de muito miar, se debater e afins, ela percebeu que não tinha escapatória e dormiu.

Quando fizemos check in no hotel a prioridade foi ela. Trouxemos a caixa de areia no porta malas com a areia que ela já estava usando, então pelo menos este cheiro era familiar. Já deixamos também prontos os potinhos de viagem de água e comida. Ao abrir a malinha ela saiu correndo procurando o primeiro lugar escuro e escondido que pôde encontrar. Como não achou ela se jogou embaixo dos cobertores na cama. E de madrugada ouvimos ela andando pelo quarto reconhecendo o território, comeu, bebeu água, usou a caixa de areia e dormiu. O segundo dia já foi mais sossegado, houveram algumas tentativas de escapar mas foram em vão. Durante os 3 dias descendo para Miami, todos os restaurantes que paramos para comer ao longo do caminho, foram fáceis de entrar com ela. Eu colocava a malinha embaixo da mesa entre as minhas pernas e ela ficava bem quietinha. Como também tinha o barulho de pessoas, pratos e afins, ela mesma ficava o mais quieta possível para não ser notada.

Na casa da minha sogra ela ficou duas semanas dentro do nosso quarto. Fomos para Orlando por uns dias e minha sogra ficou de olho nela. Graças a Deus tudo correu bem.

Ao voltar para Miami após ler a respeito de remédios homeopáticos para gatos, acabamos comprando este aqui. Deve-se dissolver uma colher de chá no potinho de água uma vez por dia. Segundo as instruções o remédio é um calmante natural. Sei que este remédio operou milagres pois na viagem de volta para DC essa gata APAGOU por 3 dias seguidos. Ela entrava no carro e dormia profundamente. Não sei se foi o spray de feromônios, o calmante, o fato de ela já ter se habituado a mala de transporte e o balanço do carro… sei que ela dormiu durante o dia no carro super tranquila.

Natural Pet Pharmaceuticals

 

Enfim esta foi a nossa experiência ao viajar de carro com a Bella. Cada gatinho tem um temperamento e muito provavelmente pode responder aos estímulos de maneira distinta. Se eu faria tudo de novo? Não. Só fizemos por pura necessidade e porque não estamos ainda alocados na nossa casa. Mas na próxima viagem pretendo deixar ela reinando lindamente na casa dela.

E você já viajou de carro com o seu gatinho? Compartilha comigo a sua experiência,

Até o próximo post  =0)

Compartilhe

Por Érica Brasilino

0

Pessoas comentaram

Outros

Um mês fora do Togo

19 de julho de 2017

Olá gente tudo bem?

Hoje completa um mês que deixamos o Togo oficialmente. O tempo passa rápido demais. Desde que chegamos aos EUA tiramos 3 semanas de férias para descansar a mente. Pela primeira vez nos últimos 4 anos tiramos férias sem destino e sem nada programado. Para quem tem mania de seguir roteiros de férias como eu foi muito estranho. Durante este tempo meu marido até pediu para eu programar alguma coisa e ler sobre possíveis atrações que eu gostaria de ver/fazer/visitar. Mas eu estava tão esgotada física e emocionalmente após todo o estresse das últimas 6 semanas que meu cérebro simplesmente deu uma pane. Sabe quando você não consegue saber nem por onde começar? Eu honestamente nunca tive isso antes… a sensação é a de que o cérebro estava tão cheio de informações e comandos e que estava entrando em tilt. Resolvi que pela primeira vez ia me permitir pensar no que fazer apenas na manhã do dia seguinte. Então as últimas semanas foram apenas de acordar, ver a programação cultural da cidade e decidir se íamos ou não.

Para não dizer que não fizemos nada fomos para Orlando por uns dias (pior decisão da vida… nunca mais iremos para os parques em meses de férias de verão – falarei mais sobre isso quando postar sobre a Disney). Fomos para a praia, passeamos por Miami, encontramos amigos queridos em Orlando e em Miami e curtimos a família do marido. Era exatamente o que precisávamos… de um tempo entre pessoas queridas para recarregar as energias após sair de Lomé.

Sei que deixei o blog abandonado, mas eu precisava desocupar a mente. O blog é um hobby querido… poder colocar em palavras dicas ou coisas que eu considero serem úteis para o próximo. Mas honestamente precisava me afastar por um tempo. Não somos super heróis, não somos máquinas invencíveis… precisamos muitas vezes nos isolar para olhar pra dentro e perguntar se está tudo bem.

Enfim… este é apenas um post/desabafo/prestação de contas. Sei que algumas pessoas visitam o blog com frequência e estava tudo parado por aqui… mas aqui estou

Um cheiro e até o próximo post  =0)

Compartilhe

Por Érica Brasilino

0

Pessoas comentaram

Outros

Enlouquecida pelo mundo

22 de junho de 2017

Após mais de um mês sem blogar, aqui estou eu. Os últimos 14 dias foram totalmente insanos. Dia 5 estava feliz da vida embarcando para São Paulo para ver minha família após 9 longos meses de saudades. Cheguei, abracei todo mundo, comecei a comer e a gastar feito louca, fui fazer provas na faculdade… até que apenas dois dias depois recebo a informação de que muito provavelmente iríamos sair do Togo. Lá vou eu trocar passagens do dia 25 para o dia 11 (apenas 6 dias após chegar) e sair correndo para a nossa casa. Meu noivorido já estava nos EUA e eu sozinha, num país que vamos combinar… não é tão amistoso com mulheres que resolvem as coisas sozinhas, tive de enlouquecidamente organizar uma mudança entre continentes e de quebra o transporte de uma gata para o Tio Sam em apenas 7 dias.

Essa foi sem dúvida a semana mais estressante da minha vida. Mas também foi a semana onde eu fui agraciada com demonstrações de carinho e afeto tanto no Brasil como no Togo. Meus amigos e familiares no Brasil foram de um carinho e compreensão absurdas comigo e os meus amigos no Togo foram de uma gentileza e prestabilidade tremenda. Se não fosse por eles eu não sei como teria passado por toda a loucura de tudo o que eu tinha que resolver em tempo recorde…

Não apenas eu fui pro Brasil nas últimas duas semanas, mas voltei pro Togo e vim pros EUA. Haja cabeça, controle, calma, paciência, organização e boa vontade.

Também queria aproveitar este post e agradecer o pessoal do Iunique pelo novo layout do blog. A Suzi foi uma linda e captou exatamente o que eu tinha em mente para a nova imagem gráfica do blog. Começamos a bater papo em abril e finalmente o layout ficou pronto. Como eu não tinha pressa fomos aperfeiçoando a idéia aos poucos. Suzi meu muito obrigada, você não tem idéia de como fiquei feliz com o resultado final do blog.

Enfim… não vou me alongar no post de hoje… essa é apenas uma prestação de contas… sumi por motivos de força maior mas em algumas semanas as coisas entrarão nos eixos. As férias que iam rolar em São Paulo foram transferidas para Miami. Vamos tirar uns dias de descanso de toda essa loucura e vamos nos desconectar pelas próximas três semanas. Na segunda quinzena de julho prometo voltar com os posts duas vezes por semana no blog. Tenho muita coisa já na cabeça pra postar.

Enquanto isso me segue no Instagram pois vou atualizar lá com mais frequência durante as férias.

Um cheiro!

 

 

Compartilhe

Por Érica Brasilino

0

Pessoas comentaram

Documentação de Viagem Estilo de Vida Outros Viagens

Como montar uma lista de viagens

31 de janeiro de 2017

Para uma viagem sem stress hoje vou compartilhar com vocês minha lista de viagem. Sempre tenho a mão quando vou montar minha mala, tanto para um final de semana prolongado em outra cidade ou para uma mudança entre continentes que pode levar 60 dias com temperaturas variadas no meio do caminho (sim… entre nossa mudança de D.C em agosto passando por Miami em pleno verão no hemisfério norte + passagem de um mês por São Paulo no pico do inverno + chegada em Lomé na África no verão que nunca acaba) ter uma lista pode salvar a sua vida e evitar esquecer itens primordiais.  Seja a mala de mão ou a mala despachada acomodar tudo na sua bagagem é mais simples do que parece. Fique à vontade para imprimir quantas cópias quiser e tornar a sua vida mais leve e fácil.

 

Bagagem de Mão

– Itinerário de Viagem (datas de chegadas, check ins, check outs, destinos)

– Número de confirmação da reserva do vôo/ônibus/trem e do assento

– Nome, endereço e telefone dos hotéis + confirmação da reserva

– Cartões de débito e crédito. Lembre de entrar em contato com o banco informando sua viagem caso seja para o exterior para evitar ter o seu uso bloqueado. Leve também o número de telefone da central dos seus cartões no exterior para uma emergência. O Citibank por exemplo oferece atendimento em português nos EUA

– Passaporte com mais de seis meses de validade caso esteja saindo do Brasil, visto para o país de destino, telefone e/ou endereço da embaixada ou consulado do Brasil no local de destino. Vai por mim, mesmo que você acredite que nada pode acontecer e rezamos para que isso seja verdade, leve estes números e/ou endereços com você.

– Cartão do seguro viagem ou cartão de cobertura estendida do seu plano de saúde. Muitos cartões de crédito internacional oferecem cobertura no exterior para quem comprar a passagem para aquele destino com o próprio cartão. Antes de gastar dinheiro para comprar um seguro de viagem verifique se há essa opção habilitada e oferecida pela sua empresa de crédito

– Carteira de motorista e/ou Permissão Internacional para Dirigir (PID). Caso sua viagem seja maior que 6 meses alguns países exigem a PID. Super fácil de solicitar verifique no site do Detran da sua cidade o tempo para expedir a sua. Para pessoas registradas em São Paulo acesse o link aqui.

– Medicamentos Prescritos. Caso seja usuário de alguma medicação contínua e necessite levar uma quantidade muito grande de remédio, vá até o seu médico e peça uma receita onde explica quantos remédios usa por dia e quantos serão necessários para o tempo de sua estadia no destino. Evite dores de cabeça com o departamento de narcóticos local.

– Lentes de contato, óculos de leitura, óculos de sol

– Telefone, iPod, iPad, e-reader, notebook e seus respectivos carregadores. Leve um adaptador universal se for o caso. O Brasil é o único país a utilizar o sistema de três pinos (sim… eu sei… é ridículo)

– Gel desinfetante para mãos ou toalhas umedecidas para limpeza. Vai por mim… o banheiro do avião após 5 horas de vôo é o local mais nojento da aeronave

– Cinto para guardar dinheiro. Pode parecer coisa de gente neurótica, mas é a melhor maneira (ainda) de proteger seu suado dinheiro de ser visto por pessoas mal-intencionadas no aeroporto

– Garrafa de água (já viu quanto custa uma água descartável no aeroporto??)

– Barra de proteínas, chocolates, balas, chicletes (a espera pode ser mais longa do que você imagina).

– Revistas ou livros (pelo mesmo motivo acima)

– Envelope para recibos caso precise de reembolso da empresa

– Chaves de casa e do carro (saiba onde estão para não se estressar no retorno para casa)

– Bilhete de estacionamento do aeroporto (guarde com a sua vida, você precisará dele na volta)

– Cadeado e chaves da bagagem despachada

– Etiquetas para bagagem despachada

Mala Despachada

– Sutiã

– Calcinha/Cueca

– Meias

– Pijamas

– Sandálias

– Calçados

– Tênis

– Botas

– Chinelos

– Calças

– Saias/Shorts

– Jeans

– Maiô/Biquíni/Sunga

– Chapéu/Boné/Viseira

– Sacola de praia

– Blazer

– Cardigã

– Echarpe/Lenço

– Jaqueta

– Casaco

– Capa de Chuva

– Blusas

– Vestidos

– Camisetas/Camisas

– Tops

– Cachecol

– Gravatas

– Toucas

– Luvas

– Cintos

– Mochila

– Bolsa pequena

– Sacolas de plástico

– Guarda chuva

– Jóias

– Balança para bagagem portátil

 

Cuidados Pessoais

– Lâmina + Creme de Barbear, loção pós barba, colônia, perfume

– Hidratante, removedor de maquiagem, água miscelar

– Protetor Solar, protetor labial, cosméticos (batom, lápis, sombra, máscara para cílios e qualquer outro item que seja indispensável para você)

– Escova e creme dental, fio dental, enxaguante bucal

– Solução para lentes de contato

– Sabonete, xampu, condicionador, creme de hidratação ou leave in, desodorante, loção pós sol, cotonetes, algodão, escova/pente de cabelo, absorventes, cortador e lixa de unha, pinça, secador de cabelo, chapinha, baby liss, prendedores de cabelo

– Medicamentos para dor de cabeça, enjôo, febre, dor no corpo, vitaminas, analgésicos, repelentes, itens de primeiro socorro

 

Extras

– Saco para roupa suja

– Sabão em pó para viagem

– Detalhes de contato dentro de todas as malas despachadas

Lembrando que essa e uma idéia de como montar sua mala… não estou afirmando que é a maneira mais correta, claro que a partir de listas assim lembramos de algo que talvez seja primordial levar e eu não citei aqui. E você acrescentaria algo a lista? Compartilha comigo o que esta faltando aqui para aprimorarmos juntos e viajarmos menos estressados com os preparativos.

 

Até o próximo post  =0)

 

 

 

 

 

 

 

Compartilhe

Por Érica Brasilino

1

Pessoas comentaram

Outros Saindo do Brasil

Mudança no despacho de bagagens aéreas no Brasil

09 de dezembro de 2016

Está em todos os jornais desde março que a ANAC – Agência Nacional de Aviação Civil iria mudar as regras de bagagem aérea no país. Semana que vem finalmente será a decisão final sobre o tema. Claro que o assunto voltou a ser notícia uma vez que tudo poderá mudar a partir do ano que vem. Mas o que realmente vai mudar?

Hoje caso você viaje dentro do Brasil (vôo doméstico), para a América Central ou para a América do Sul pode levar sem pagar nada mais por isso uma mala de 23 quilos. Entende-se que isso já está incluso no valor da sua passagem. Viagens internacionais na grande maioria das vezes se você parte do/para o Brasil pode levar até duas malas de 32 quilos sem pagar nada extra. Com a nova regra que a ANAC votará na semana que vem, várias mudanças estão em pauta:

  • Os vôos domésticos continuam até outubro de 2018 com o limite de uma mala de até 23 kg.
  • Vôos para América do Sul e Central terão direito a uma mala de 23 kg.
  • Demais destinos internacionais mantêm a permissão de duas malas, mas com peso máximo de 23 kg em vez dos 32 kg atuais.
  • Entre 1º de outubro de 2017 e 30 de setembro de 2018, os passageiros de todos os vôos, nacionais e internacionais, terão direito a apenas uma mala de 23 kg.
  • Um ano depois, a partir de 1º de outubro de 2018, as franquias de bagagem despachada passam a ser livremente estabelecidas pelas companhias aéreas.

De acordo com a ABEAR – Associação que representa as grandes do setor no Brasil: Avianca, Azul, Gol e TAM, a mudança seria benéfica principalmente para 2/3 dos passageiros que segundo eles viajam sem malas porém pagam o custo do transporte de malas daqueles que viajam com a casa inteira nas costas, uma vez que o custo operacional seria diluído entre todos os passageiros do mesmo vôo. Caso a mudança seja aprovada a bagagem de mão que hoje é de 5 quilos aumentaria para 10 quilos.

Na prática o que isso quer dizer?

Viajo de avião pelo menos 4 vezes por ano em vôos domésticos e internacionais. Os únicos vôos que vi pessoas viajando apenas com mala de mão foram São Paulo/Rio, São Paulo/Brasília, Toronto/Nova Iorque, Nova Iorque/Reagan National (DC), Toronto/Los Angeles, ou seja, os trechos considerados ponte aérea. Todos os outros vôos que peguei, os passageiros despacharam malas. Por milhares de motivos… presentes de familiares, mudanças entre estados/países, ir de um local quente para um local frio e vice e versa. Uma mudança agora nas regras de bagagem pode ser um tiro no pé das companhias aéreas. Primeiro porque cada uma será livre para fazer o que bem entende… e esperta será a que não mudar as regras e se o fizer oferecer para seus clientes alternativas ou facilidades para poder continuar levando suas malas de 32 quilos.

Em agosto quando começamos nossa mudança de Washington D.C para Lomé passando por Miami e São Paulo foi uma mega operação logística e de planejamento justamente por conta das malas. Por mais que 90% das nossas coisas tenham vindo para a África pela empresa de mudança internacional, tivemos que lidar com a dor de cabeça de como chegar até aqui passando por outras cidades sem pagar absurdamente mais caro por isso. Para o trajeto DC-Fort Lauderdale tivemos de pagar bilhetes de primeira classe para poder num vôo doméstico despachar duas malas de 23 quilos cada um. Poderíamos levar até 32 quilos o que seria perfeito, porém nosso trajeto depois até o Togo não permitia malas de 32 quilos. Enquanto a passagem custava $110 dólares para cada um de nós, se quiséssemos levar malas, deveríamos pagar U$200 por cada mala por ser uma tarifa promocional. Porém por U$320 cada bilhete, viajaríamos de primeira classe e poderíamos levar as malas “de graça”. Depois quando fiz Miami/São Paulo eu estava sossegada pois estava dentro da minha franquia de 2 malas de 32 quilos para o Brasil. Porém na última parte da viagem São Paulo/Lomé, foi um inferno. Primeiro fui informada em Washington quando compramos as passagens pela Ethiopian Airlines de que eu teria direito á apenas 2 malas de 23 quilos. Até aí tudo bem, pois essa é a norma no mundo inteiro. Pelo o que pesquisei, o Brasil é um dos únicos países que permitem franquias de 32 quilos e funcionários de cias aéreas mundo afora odeiam os brasileiros pois carregamos de tudo e mais um pouco… Me segurei no Brasil para não enfiar o mercado inteiro na mala e quando cheguei ao aeroporto descobri que eu tinha direito a duas malas de 32 quilos uma vez que eu estava saindo do Brasil (mesmo o bilhete tendo sido comprado nos EUA). Nem a própria cia aérea sabia qual informação dar. Resultado: poderia ter trazido mais 18 quilos de bagagem e não trouxe para Lomé.

Enfim… fiquem de olho quando comprarem suas passagens daqui pra frente, de acordo com a ANAC em abril e maio deste ano os passageiros puderam enviar para a agência soluções para serem consideradas na votação da semana que vem. Você enviou essas sugestões? Eu confesso que nem prestei atenção em nada disso até o perrengue que passamos em agosto… enfim… é sempre assim, só damos atenção a determinado assunto quando dói no nosso bolso, fica a dica para os meus amigos viajantes. Muito provavelmente aquela história do: “Você pode trazer um perfumezinho pra mim do outlet?” vai acabar… porque uma vez que você ou paga pela sua mala ou viaja leve começar a valer… ninguém mais fará favores para outrem quando viajar ao exterior. É importante que a população e o Ministério Público fiquem em cima das cias aéreas para verificarem se elas realmente vão repassar os valores promocionais para aqueles que viajarem sem malas.

E aí quem perde com as novas regras? Eu humildemente acho que todos nós perdemos. E você o que acha disso? Deixe sua opinião na caixa abaixo.

Até o próximo post  =0)

 

 

Compartilhe

Por Érica Brasilino

1

Pessoas comentaram

Estilo de Vida Outros

Minha Nécessaire de Viagem

04 de novembro de 2016

Hoje vou falar sobre um dos itens mais importantes na minha mala de viagem, não importa o destino: a nécessaire!

A grande verdade é que não importa o formato, mas sim o que você leva para o seu destino.

Eu geralmente carrego duas nécessaires dentro da bolsa/mochila no avião. As outras com os itens grandes eu levo na mala de mão, caso alguma mala seja extraviada eu não tenho que me preocupar em não receber meus itens mais necessários.

Após tantas viagens uma coisa que aprendi é dar valor aos mini itens. Sabe quando você se hospeda em hotéis que oferecem miniaturas de sabonetes, shampoos e afins ou quando você faz compras na Sephora da vida e ganha miniaturas? Guarde eles para as suas viagens. Alem de economizar espaço, você também economiza dinheiro uma vez que itens miniaturas muitas vezes são mais caros que os de tamanho normal.

Ja vi vários posts a respeito do que levar e do que usar. De tanto pesquisar a respeito, montei o meu kit salva vidas. Isso é muito particular e vai de cada pessoa. Já vi cada nécessaire na internet que penso honestamente se as blogueiras de luxo usam tudo aquilo ou se é puro jabá. Vejo blogueiras falando que você tem que se maquiar ao chegar no destino. Muitas vezes não dá!!!! Se você dividiu o avião com mais 300 pessoas e não esta na primeira classe você terá que dividir o banheiro com mais ou menos 280 pessoas. Duvido você conseguir usar a tonelada de produtos que elas comentam nos posts que estão  por ai na blogosfera.

Vou mostrar aqui o que eu sempre uso na minha realidade de quem voa na classe econômica e alem de ter de usar o banheiro correndo tem que acabar de se maquiar no próprio assento usando a bandeja da poltrona a frente como penteadeira.

Nécessaire 1

Pente e prendedores de cabelo diversos: para não chegar no destino com o cabelo de medusa caso seja um vôo longo. Sempre ajuda ter vários elásticos a mão.

Escova de dentes, pasta e fio dental são itens obrigatórios: Mesmo que você deteste a comida do avião há grandes chances de você comer alguma coisa. Ninguém merece chegar no destino e falar com as pessoas com uma alface nos dentes.

Absorventes SEMPRE: Já precisei pedir absorventes para as comissárias e garanto, não há nada mais desagradável do que a sensação de que algo pode manchar sua roupa a qualquer momento. Mesmo que não esteja perto do seu período menstrual leve sempre extras. Nunca se sabe quando alguém vai pedir um para você. Olha a sororidade ae gente!

Kit de pincéis, batom, delineador líquido, primer e batons miniatura diversos: Porque talvez você não queira aparecer na imigração com cara de quem acabou de acordar (mesmo que você tenha acabado de acordar). Ou talvez você esta indo encontrar seu namorado/noivo/marido após ficarem 5 meses separados e queira causar uma ótima impressão ao correr pro abraço (olha a auto biografia ae gente).

Apontador: Porque nunca se sabe quando você comprará algo no Duty Free e precise apontar ali pra usar na hora.

Amostras de perfumes diversos: Sabe quando você vai numa loja e ganha amostras de perfumes? Não use na sua casa onde você tem a disposição vários perfumes, leve nas suas viagens e economize espaço e peso na mala.

Nécessaire 2

Na segunda nécessaire estão itens indispensáveis não importa quantos dias você viajará.

Sabonete e porta sabonete: Porque nunca sabemos como será a configuração do hotel/pousada onde estaremos. Ou caso você seja convidada de alguém sempre é de bom tom levar seus próprios itens para não pedir emprestado para o seu anfitrião. E caso peça, lembre-se sempre de repor no final da viagem.

Shampoo, condicionador, spray modelador de cabelo: Não importa pra onde você vá, há grandes chances de ter de lavar seus cabelos. E também há um pente extra em tamanho grande pois muitas vezes perdemos o único pente que temos na viagem.

Lâmina de barbear descartável: Claro que nós mulheres sempre pensamos em nos depilar antes de uma viagem, mas ás vezes ficamos no destino mais tempo do que o previsto e sem acesso a nossa depiladora oficial.

Hidratante de pele e perfume miniatura: Porque uma pele precisa de cuidados em qualquer lugar do mundo, e estar cheiroso é sempre bom.

Cotonetes: Além de manter nossa limpeza corporal ajuda na maquiagem.

Removedor de esmaltes: Eu sempre carrego dois, um em lenço e outro líquido. Porque esmaltes sempre descascam e eu particularmente detesto ficar com unhas pela metade.

Paleta de maquiagem completa (blush, iluminador, bronzer, sombras, máscara para cílios, lápis de olho – que pode ser usado como delineador – e uma segunda máscara para cílios extra). Tudo num único lugar economizando espaço e peso, sua lombar agradece.

Como mencionei várias vezes ao longo do post a ideia é levar o maior número de itens economizando espaço. O melhor é tirar proveito de itens miniaturas. Quando algumas coisas acabam como shampoo e condicionador por exemplo eu reutilizo os frascos com outros produtos da minha preferência. A natureza agradece.

 

E você como leva seus itens essenciais de viagem? Se tiver dicas para otimizar espaço por favor compartilhe comigo nos comentários.

Até o próximo post  =0)

 

Compartilhe

Por Érica Brasilino

0

Pessoas comentaram

Estilo de Vida Outros

Voltei!

26 de outubro de 2016

Tou de volta ao mundo blogueiro 🙂

Para quem não sabe passamos alguns meses nos Estados Unidos por conta do trabalho do meu marido. Enquanto estávamos por lá comecei o blog para passar o tempo e escrever sobre a cidade mais fantástica que já morei até agora: Washington D.C (desculpe São Paulo, mas eu ainda te amo). A ideia era compartilhar sobre tudo de incrível, fantástico, maravilhoso, estupendo que vi/fiz por lá. O blog teve uma audiência bacana e vários colegas que viajaram/viajarão para lá utilizaram/estão utilizando este humilde espaço como referência para organizar as viagens deles. O que é um baita incentivo já que tem gente bacana gastando umas horinhas da vida deles lendo meus pensamentos e colocações por aqui.

Como eu tinha tempo de sobra em D.C deixei vários posts agendados e mesmo na loucura que tomou conta da minha vida da metade de agosto pra cá alguns posts continuaram a ser publicados até o final de setembro. Só que a fonte secou e eu fiquei sem tempo, sem internet e com uma mala nas costas indo de um lado paro o outro sem tempo para blogar.

Estávamos em transição entre EUA-Brasil-Togo e desde 11 de agosto minha vida se resumiu a malas e caixas. Saímos de Washington D.C nos EUA rumo a Miami de férias por alguns dias, deixei o marido com a família dele na Flórida e desci pro Brasil por um mês onde revi meus familiares, amigos, ex alunos, ex colegas de trabalho, beijei, abracei, amassei todo mundo, curti as Olimpíadas em casa e finalmente embarquei para a nossa nova aventura no Togo. Cheguei aqui e tive de me adaptar a minha nova rotina, ao nosso novo lar, clima, comida, ambiente, fuso horário, idioma, cultura… e nessa bagunça toda meu bloguinho ficou abandonado.

Mas finalmente voltou a hora de escrever, coisa que descobri que amo! Como muitos amigos meus comentaram que curtem meus posts vou continuar na frequência de terças e sextas. Ainda tenho vários lugares para escrever localizados em Washington D.C mas já tenho um projeto de escrever minhas impressões, fotos e dicas sobre os outros lugares que já visitamos no Brasil, Argentina, Costa Rica, México, EUA, Espanha e agora em terras africanas a começar pelo Togo.

Vocês vão continuar me acompanhando?

Um beijo e até o próximo post   =o)

Compartilhe

Por Érica Brasilino

2

Pessoas comentaram

Documentação de Viagem Outros Saindo do Brasil

O que é um visto?

27 de setembro de 2016

Visto é uma autorização de entrada/saída para um determinado país. Cada país tem suas leis de visita e imigração, portanto cada lugar neste mundão que você decidir visitar, seja a trabalho, turismo, negócios, estudos, tratamento médico, etc, você deve primeiramente verificar qual a documentação necessária para se aventurar em terras longínquas e estrangeiras antes mesmo de fechar o pacote com a agência de viagens. Os Estados Unidos como todos sabem requerem visto de entrada para turistas já a Arábia Saudita requer visto de saída do país para qualquer estrangeiro. Besteira? Desnecessário? Não! Apenas siga as leis de cada lugar e abrace a diversidade neste planeta chamado Terra.

Entrar num país sem visto ou usar um visto de turismo para arrumar emprego é ilegal. A pessoa que assim o fizer está sujeita a ser presa e deportada e muitas vezes proibida de retornar a aquele país para sempre. Então evite dores de cabeça internacionalmente e cumpra á risca as regras do visto que você tiver para qualquer lugar que você viajar.

Existem vistos de inúmeras categorias, porém as mais comuns são: diplomático, turismo, negócios, trânsito, tripulante, investidor, estudante, trabalho, atleta e religioso. Para cada tipo de viagem, cada país tem autonomia para determinar qual o tipo de visto é necessário para cada solicitante. E para cada tipo de visto, há documentações diferentes a serem apresentadas no Consulado e/ou Embaixada. Verifique com antecedência quais documentos irá precisar.

Não é necessário o uso de despachante para a grande maioria dos vistos. Tenho vistos dos EUA, Canadá e Togo e não utilizei em nenhum destes processos o uso de terceiros. Preenchi os formulários sozinha e fiz as entrevistas por conta própria. Todas as informações estão disponíveis aí na internet para todo mundo e não é nenhum bicho de sete cabeças. Agora se você tem dinheiro sobrando e não tem paciência de procurar informações ai são outros quinhentos.

Um grande mito sobre este mundo dos vistos é a recusa. Quais motivos levam um cônsul a negar um visto? Na grande maioria das vezes a falta de atenção dos solicitantes na hora de preencher o documento, a falta de verdade nas respostas (considerada fraude consular), falta de provas sobre os laços do solicitante com o país dele de origem, ausência de fundos financeiros para o custeio da viagem, falta de motivo aparente para a viagem são alguns dos motivos mais comuns para a recusa.

A pessoa que tem o visto negado não esta proibida de tentar o visto novamente, mas o consulado pode solicitar um tempo mínimo de seis meses a um ano para que o solicitante faça a entrevista de novo. Fique atento a esta informação caso seu visto seja negado.

Este post é apenas um resumo do que é um visto, quais tipos de vistos existem e motivos de recusa. Outros motivos para recusa podem surgir, cada caso é um caso.  Pense e planeje com atenção sua viagem internacional e analise bem qual o tipo de visto você precisará. Taxas de visto não são reembolsáveis caso você solicite um visto de turismo e decide que precisa mesmo é de um de estudante. Fique atento!

Caso tenha dúvidas ou comentários deixe seu relato na caixa abaixo,

Até o próximo post  =D

 

 

 

 

 

Compartilhe

Por Érica Brasilino

2

Pessoas comentaram