Estilo de Vida

Porquê desisti do cabelo encaracolado?

11 de agosto de 2017

Já fui enrolada, lisa, loira, morena, ruiva. Hoje voltei para a progressiva… e algumas pessoas me perguntam o porquê…

Quero meu cabelo de volta!

Primeiro… honestamente nunca foi a minha intenção deixar de fazer parte do time das alisadas. Aconteceu única e exclusivamente porquê ano passado quando estávamos de mudança para a África eu sabia que não conseguiria encontrar por lá o tratamento que eu estava habituada a fazer. As mulheres africanas não tem a mesma textura de cabelo que nós deste lado de cá do oceano e eu não queria ficar com o cabelo pela metade (raiz enrolada e ponta lisa). Eu não tenho essa paciência que as meninas têm de esperar o cabelo crescer e fazer texturas durante este meio tempo para passar pelo processo de transição. Eu tiro o meu chapéu para as meninas que fazem isso diariamente. É uma luta. Quando meu cabelo estava exatamente do jeito que eu sempre quis (foto acima), manter ele daquele jeito me custava cerca de 100 reais para colorir + 300 reais em média para a progressiva a cada 90 dias. Quando chegamos nos EUA todos os lugares que eu fui (meu noivo pacientemente me levou em dezenas e teve de lidar com a minha frustração ao ouvir sempre as mesmas respostas) queriam me cobrar 500 dólares somente para a progressiva. E nem era a progressiva mas o que eles chamam de queratina. Aqui não se faz progressiva e encontrar um latino ou brasileiro que faça é um parto. Faltando 30 dias para a nossa viagem para o Togo eu fiz o primeiro corte…

Eu sabia que era uma medida paliativa e que eu teria de encarar o problema de frente… mas a cabeleireira ficou com medo de eu me arrepender e depois processar ela… (aqui é a terra do processo). Este corte pra mim não foi tão drástico porque eu já tive este mesmo corte muitas vezes, então pra mim foi natural. Até que faltando alguns dias para viajar de vez para a África me enchi de coragem e fiz o famoso BC (big chopp):

Não vou mentir… não foi nada fácil lidar com os sentimentos conflitantes que passaram pela minha cabeça após cortar o cabelo. Eu não me sentia feminina, eu sentia falta de passar a mão pela minha cabeça e sentir toda aquela imensidão de cabelo que eu sempre tive. Sem contar que este tipo de corte pede que você gaste mais tempo com maquiagem e acessórios uma vez que o cabelo não está mais em evidência e sim o seu rosto. O Ezio foi um fofo durante todo o processo e sempre me assegurava de que me ama de qualquer maneira, com qualquer cabelo, de qualquer jeito. Meus amigos incentivadores e sempre mencionaram o quanto eu era louca ou corajosa e isso me animava a não chorar todos os dias com saudades do meu cabelão. Ao chegar no Togo confesso que gostei de ter tomado a decisão do cabelo curto. Além de fazer um calor absurdo por lá na casa dos 47C, a água também mudou a textura do meu cabelo.

Quando meu cabelo começou a crescer foi que as coisas começaram a complicar… o cabelo encaracolado precisa de muito tempo para deixar ele no lugar. Claro que como eu no momento estou num período sabático, isso não é um problema. O problema é que eu não tenho saco. Foi aí que me lembrei o motivo pelo qual eu optei pela progressiva quando eu tinha 19 anos de idade:  PRATICIDADE. Eu não tenho paciência para cuidar de cabelo, gosto de coisas práticas e rápidas. Sem contar que ao acordar, eu parecia o Ravengar de tão armado que ele estava. Quanto mais meu cabelo crescia, mais eu fazia uso de faixas, lenços, bandanas, presilhas. Mas tem dias que você tem que sair correndo e/ou acordou atrasada… e ai como fica? Usar turbantes na África é fácil… eu não sei como é usar eles no Brasil, nos EUA, ou em outros lugares… e honestamente… eu já gosto de maquiagem às 5 da manhã… eu não sei se quero chamar a atenção pelo combo maquiagem + turbante num dia que meu cabelo não estiver legal. Mas essa sou eu, se alguém estiver lendo e fizer isso eu acho ótimo. Cada um de nós sabemos até onde vai os nossos limites.

Enfim… estes foram os motivos pelos quais eu voltei ao time da progressiva. Isso é muito pessoal e vai de pessoa para pessoa. Tenho amigas que desistiram da progressiva e estão lindas com seus cachos ao vento e super se adaptaram. Quem sabe um dia eu me adapte. Hoje a minha vontade de voltar á química falou mais alto e eu fiz no Brasil e já estou pesquisando lugares para continuar fazendo aqui. Sei que vai levar um tempo para o meu cabelo voltar a ser o que era na primeira foto deste post, mas não estou com pressa. Se amanhã eu cansar do visual liso, volto a cortar. Eu não tenho problemas com grandes mudanças. E acho que o bacana hoje em dia é ter a liberdade de poder ter o cabelo que a gente quiser e bem entender, sem ter que dar satisfações para ninguém. Se você cansou da progressiva, faça a transição capilar, se cansou da transição, volte para a progressiva. Você só deve satisfações para você mesma.

Feliz, sendo escrava da química novamente 🙂

Compartilhe

Por Érica Brasilino

2

Pessoas comentaram

Post anterior:


Próximo post:


Comente via Facebook

Deixe seu comentário

2 Comentários

  • Flávia March
    11 ago 2017

    Acho vc linda com o cabelo cacheado! Mas o que importa é a gente se sentir bem. Se vc estiver feliz, vai irradiar beleza! E realmente é uma delícia passar a mão no cabelo hehe.
    Nunca fiz nada no meu, quer dizer, há uns dois anos atrás fiz a primeira californiana da vida, morria de medo de usar alguma química. Esse ano, tô com vontade de fazer uma london na franja, mas tenho receio de ter alergia ao produto.
    Lembro quando fiz um corte no ombro e algumas pessoas falaram assim “ah, cabelo cresce, vai crescer rapidinho” kkk, outros curtiram, é sempre assim.
    É bom mudar! Hoje tô amando ter cabelão de novo.
    Bjs!

    • Érica Brasilino
      15 ago 2017

      Amiga… sabe que após o seu comentário fui olhar as fotos e realmente eu sorria mais com o cabelo comprido. Talvez o cabelo curto peça um carão e eu tenha me adaptado a ele nas fotos hahahahaha. Cabelão é lindo demais, eu estou com saudades do meu. Não vejo a hora dele crescer. Se bem que não posso reclamar, neste último ano ele cresceu muito.