Africa Mauritius Viagens

Ilhas Maurício – O lado oeste (que realmente vale a pena) da ilha

27 de julho de 2017

E o último post sobre Mauritius demorou quase dois meses para ser publicado, será longo mas terá fotos incríveis (desde que comecei a trabalhar no rascunho dele mil e uma coisas aconteceram na minha vida). Claro que eu deixei para contar sobre a melhor parte da ilha, o lado com as praias e vistas mais estupendas por último. O lado oeste é o mais concorrido pelos turistas, é onde há a maior concentração de hotéis, pousadas e casas de veraneio. Tudo o que lia a respeito quando estava pesquisando sobre o país, indicava que tínhamos que focar especificamente daquele lado, e os guias de turismo e blogs não estavam mentindo.

Nos hospedamos na Pousada Marlin Creek, além de não sermos adeptos de resorts, o valor de vários dias na pousada pagava 1 diária e meia num dos grandes monstros hoteleiros por lá. Mauritius pode ser uma viagem extremamente cara se você optar pelas delícias do all inclusive. Este é um dos segredos das nossas viagens, sempre procuramos locais aconchegantes, intimistas e menores. Além de ter uma ótima classificação no Booking, o casal dono da pousada são uns amores. Amaury e sua esposa são extremamente atenciosos e preocupados com o bem estar dos hóspedes. O café da manhã era bem variado e eles deram ótimas dicas de onde comer e o que fazer (claro que eu já tinha feito o meu dever de casa, mas dicas sempre são bem vindas).

Começamos o tour do lado oeste visitando a Martelo Tower, muito próxima da capital Port Louis. Tivemos um contratempo ao chegar lá… Haviam pessoas muito estranhas na região e não tivemos coragem de descer do carro para ver a torre. Mesmo estando em casal em plena luz do dia, não achamos o local seguro. Vimos a torre pelo vidro do carro e fomos embora. De lá partimos para a Phare d’Albion, já era final do dia e queríamos ver o por do sol deste local. Não nos decepcionou, foi sem sombra de dúvidas um dos locais mais lindos que vimos em Mauritius.

O dia seguinte reservamos ele inteiramente ao Casela Nature Park. Este é um passeio imperdível caso você curta esportes radicais. Casela é um parque onde você pode passar o dia entre animais e a natureza. Há tirolesas, trilhas, hanging bridges e safáris. Pagamos R$73 reais cada um de entrada (MRU 775 – Mauritian Rupies) e R$260 (MRU 2730) pelo tour safari de duas horas num quadriciclo duplo (dois adultos). Ainda pagamos um extra de R$100 (MRU 1000) para a interação com os leões. O Casela é um parque dentro de um parque nacional, então os animais estão soltos no habitat natural. Os animais que estão na área de interação com o público não estão sedados como os animais do Zoo de Lujan na Argentina. Eles estavam ativos numa área cercada com segurança. Os guias são enfáticos ao escolher quem pode entrar na área de interação, dão treinamento antes explicando o que pode e não pode fazer, como se comportar na presença dos felinos, e deixam claro que não seguir a risca as instruções pode ocasionar um ataque por parte dos animais ao grupo. Confesso que fiquei com medo, mas a possibilidade de poder tocar um animal como estes falou mais alto. Fui sem medo.

 

No terceiro dia, dirigimos pelo maior parque da ilha o Black River Gorges National Park. Dirigir por dentro do parque é uma aventura e tanto, uma vez que as curvas são extremamente acentuadas. Como eu já tinha colocado pins no Google Maps, nós já sabíamos o que íamos visitar. Nossa primeira parada foi no parque La Terre de 7 Couleurs. Este é um passeio anunciado por toda a ilha e inclusive você encontra posts a respeito no Tripadvisor. Honestamente… não gostamos. Eles anunciam essa terra que tem 7 cores diferentes e que é o resultado de um vulcão que entrou em erupção a anos atrás… Achamos de uma chatice sem fim. A única coisa que vale a pena lá é a vista espetacular da cachoeira de Chamarel. De 0 a 10, demos nota 3.

Do outro lado da rua tem o Curious Corner of Chamarel, que é uma espécie de Ripley’s Believe it or Not. Seria um local onde você vê experimentos e curiosidades. Achamos o valor bem salgado comparado a outras atrações locais, então decidimos não fazer o passeio. Porém indico veementemente a lanchonete deles. Comemos um peixe com salada e batata frita sensacional (sem pimenta assassina muito comum na culinária local).

Ainda passeando por dentro do parque nacional, chegamos até a Rhumerie de Chamarel, uma fábrica de produção de rum. Há pessoas que amam fazer degustação de vinhos, nós nos apaixonamos por fazer degustação de rum. Como a cana é o produto mais produzido na ilha, a produção de rum de Mauritius é uma das maiores do mundo. La na Rhumerie é possível fazer um tour guiado com explicação sobre o processo de destilação de rum, com degustação de diferentes tipos de rum e geléias produzidas localmente. Foi um passeio bem interessante, sem contar que a rumaria está localizada numa das partes mais altas do parque, a vista é simplesmente exuberante. Ao final do tour você pode fazer uma refeição no restaurante local ou pode gastar seus euros/rupias de Maurício na lojinha da rumaria. Como tudo custava um rim compramos apenas uma geléia local de maracujá divina.

Pra finalizar o dia dirigimos até o Gorges Viewpoint e fomos agraciados com a vista mais maravilhosa que já pudemos encontrar no que diz respeito a floresta/área verde em nossas viagens até hoje. Tirei tantas fotos do mesmo ponto de observação pois era muito difícil acreditar em tanta beleza em um único local. P.S: Só tome muito cuidado ao dirigir nesta sessão do parque, a quantidade de locais que param o carro no acostamento para colher berries no meio do caminho é enorme. É como um esporte local e é muito perigoso.

Já no quarto dia fizemos a tão esperada scenic drive do nosso hotel descendo até a região de Baie du Cap e Bel Ombre. Tombada pela Unesco, é considerada uma das rotas mais bonitas do mundo. Ficamos simplesmente extasiados por dirigir numa rodovia junta ao mar turquesa do oceano índico. Foi sem dúvida o ponto alto da viagem (e o mais esperado também). Macondé é o nome da pedra onde os escravos se jogavam ao mar para não serem transportados para outros países. A mesma pedra foi cortada para dar passagem a rodovia que interliga a ilha. Palavras não são o suficiente para descrever o quão maravilhosa é essa parte da ilha.

De lá fomos para  La Vallee des Couleurs Nature Park. Este parque oferece o mesmo passeio que o Casela, quadriciclo para duas pessoas ou individual. A diferença é que neste o tour de quad passa por cascatas e vistas maravilhosas. O parque é sensacional e o tour de duas horas de quadriciclo foi incrível. Como fizemos um tour em grupo mais um privado de 1 hora com um guia só para nós, ele nos levou no topo da montanha mais alta do parque onde pudemos ver a ilha do pico mais alto e tivemos uma visão de 360 graus. Foi simplesmente animal, valeu cada centavo. O restaurante principal tem uma vista magnifica mas aconselho a tomar cuidado com a pimenta na comida. Quase morremos. Como o parque é de indianos, o tempero é muito forte e não vende cerveja (a agua é grátis!!!). Não me lembro os valores deste parque e eles também não disponibilizam na internet…

No quinto dia pegamos uma praia (finalmente). Mas não foi qualquer praia… foi simplesmente uma das praias mais linda do mundo segundo o Tripadvisor. Passamos o dia na estonteante Le Morne. A agua era de um azul que não dava para acreditar que fosse real, totalmente sem ondas. Uma verdadeira piscina natural a céu aberto. Água morna e vista espetacular. Você pode curtir Le Morne tanto de um resort como na parte pública. Pensamos em pagar um day use num dos resorts locais… até descobrirmos que há um restaurante ótimo chamado Emba Filao que você pode usar a cadeira e mesa deles (desde que você consuma, claro). Como o marido morre de medo de sol, pra ele foi ótimo pois ele pôde curtir a sombra e água fresca enquanto eu me esbaldava no sol maravilhoso de Mauritius. Foi uma maneira maravilhosa de encerrar a nossa viagem cinematográfica por um dos lugares mais lindos do mundo.

Nós somos muito adeptos de viagens de praia, gostamos de destinos quentes e paradisíacos. Já tivemos a oportunidade de conhecer lugares sensacionais no Brasil e no exterior, mas Mauritius é sem sombra de dúvidas um dos lugares mais fenomenais que tivemos a oportunidade de visitar. Não costumamos repetir destinos, mas se tivesse que voltar a algum lugar que já conheço, Mauritius seria a escolha sem pestanejar.

Se você tiver perguntas sobre a ilha, deixa nos comentários que respondo pra você,

Um abraço e até o próximo post  =0)

Compartilhe

Por Érica Brasilino

0

Pessoas comentaram

Post anterior:


Próximo post:


Comente via Facebook

Deixe seu comentário