Compras Gatos Outros

Viajando de carro com gatos

25 de julho de 2017

Ao voltar para os EUA fui informada pelo marido que iríamos tirar uns dias de folga. Não porque queríamos, mas por conta do cronograma da nova posição dele. Não tivemos tempo de organizar nada, de reservar nada, de pensar em nada. Após 8 dias de volta a DC já íamos por o pé na estrada rumo a Miami para a casa da minha sogra. O que fazer com a Bella? Levar ela com a gente ou deixar ela num hotel para pets? Após muito pesquisar decidimos levar ela com a gente. Mesmo sabendo que seria estressante, não queríamos nos separar dela e o pior já tinha passado (a viagem de avião entre o Togo e os EUA).

Foram 6 dias de estrada (3 para descer para Miami e 3 para voltar para Washington), 3415 quilomêtros, 4 hotéis pelo caminho, casa da minha sogra e uma gatinha aventureira. Mas como organizar tudo isso? A primeira decisão foi a de não reservar hotel. Não sabíamos como estaria o humor dela, como estaria o trânsito (estamos em plena época de férias de verão por aqui), então decidimos que iríamos dirigir até onde conseguíssemos e quando estivéssemos cansados pararíamos para comer e enquanto comíamos, íamos procurar um hotel pela região que fosse pet friendly.

Feliway

 

O primeiro dia foi bem estressante… a Bella mal tinha se adaptado ao hotel que estávamos em DC (ficamos 8 dias por lá) e de repente se viu na malinha de transporte de novo… 20 minutos antes de colocar ela lá dentro usamos o spray de feromônios da Feliway. Não estou sendo paga para falar sobre o produto para vocês (queria eu!!!!). É caro ai no Brasil gente, não vou mentir. Inclusive como comentei no post sobre como voar com gatinhos (disponível aqui) eu comprei em São Paulo pois não tinha no Togo e a viagem aconteceu de última hora. Paguei R$234 na Cobasi. Um assalto a mão armada mas o produto realmente funciona. Ao alocar ela no carro optamos por posicionar a mala de transporte no chão no banco atrás do motorista (após ler milhões de blogs falando sobre como viajar com gatinhos de carro, os relatos eram categóricos em mencionar que dentro do carro o chão é o local mais seguro para o gatinho). Também é a maneira mais fácil para quem estiver sentado no banco do passageiro poder checar se esta tudo bem com o animalzinho. O primeiro dia foi um inferno. Ela chorou, se debateu, tentou escapar da mala… até que conseguiu!!! Quando percebemos ela já estava embaixo dos pés do Ezio entre os pedais do carro. Um mega perigo. Eu realmente achei que não íamos conseguir chegar em Miami. Com muito custo consegui alocar ela dentro da mala novamente, vi por onde ela tinha passado e usei um dos cadeados da minha mala de viagens para segurar bem o fecho da mala dela. E pra tentar acalma-la usei uma echarpe por cima para deixar ela no escuro. Meia hora depois de muito miar, se debater e afins, ela percebeu que não tinha escapatória e dormiu.

Quando fizemos check in no hotel a prioridade foi ela. Trouxemos a caixa de areia no porta malas com a areia que ela já estava usando, então pelo menos este cheiro era familiar. Já deixamos também prontos os potinhos de viagem de água e comida. Ao abrir a malinha ela saiu correndo procurando o primeiro lugar escuro e escondido que pôde encontrar. Como não achou ela se jogou embaixo dos cobertores na cama. E de madrugada ouvimos ela andando pelo quarto reconhecendo o território, comeu, bebeu água, usou a caixa de areia e dormiu. O segundo dia já foi mais sossegado, houveram algumas tentativas de escapar mas foram em vão. Durante os 3 dias descendo para Miami, todos os restaurantes que paramos para comer ao longo do caminho, foram fáceis de entrar com ela. Eu colocava a malinha embaixo da mesa entre as minhas pernas e ela ficava bem quietinha. Como também tinha o barulho de pessoas, pratos e afins, ela mesma ficava o mais quieta possível para não ser notada.

Na casa da minha sogra ela ficou duas semanas dentro do nosso quarto. Fomos para Orlando por uns dias e minha sogra ficou de olho nela. Graças a Deus tudo correu bem.

Ao voltar para Miami após ler a respeito de remédios homeopáticos para gatos, acabamos comprando este aqui. Deve-se dissolver uma colher de chá no potinho de água uma vez por dia. Segundo as instruções o remédio é um calmante natural. Sei que este remédio operou milagres pois na viagem de volta para DC essa gata APAGOU por 3 dias seguidos. Ela entrava no carro e dormia profundamente. Não sei se foi o spray de feromônios, o calmante, o fato de ela já ter se habituado a mala de transporte e o balanço do carro… sei que ela dormiu durante o dia no carro super tranquila.

Natural Pet Pharmaceuticals

 

Enfim esta foi a nossa experiência ao viajar de carro com a Bella. Cada gatinho tem um temperamento e muito provavelmente pode responder aos estímulos de maneira distinta. Se eu faria tudo de novo? Não. Só fizemos por pura necessidade e porque não estamos ainda alocados na nossa casa. Mas na próxima viagem pretendo deixar ela reinando lindamente na casa dela.

E você já viajou de carro com o seu gatinho? Compartilha comigo a sua experiência,

Até o próximo post  =0)

Compartilhe

Por Érica Brasilino

0

Pessoas comentaram

Post anterior:


Próximo post:


Comente via Facebook

Deixe seu comentário