Outros

Mudanca no despacho de bagagens aereas no Brasil

09 de dezembro de 2016

Esta em todos os jornais desde marco que a ANAC – Agencia Nacional de Aviação Civil iria mudar as regras de bagagem aérea no pais. Porem semana que vem finalmente será a decisão final sobre o tema. Claro que o assunto voltou a ser noticia uma vez que tudo poderá mudar a partir do ano que vem. Mas o que realmente vai mudar?

luggage

Credito: AFP/GETTY IMAGES

Hoje caso você viaje dentro do Brasil (voo domestico), para a América Central ou para a América do Sul pode levar sem pagar nada mais por isso uma mala de 23 kilos. Entende-se que isso já esta incluso no valor da sua passagem. Viagens internacionais na grande maioria das vezes se você parte do/para o Brasil pode levar ate duas malas de 32 kilos sem pagar nada extra. Com a nova regra que a ANAC votara na semana que vem varias mudanças estão a caminho para confundir e complicar a vida do passageiro:

  • Os voos domésticos continuam até outubro de 2018 com o limite de uma mala de até 23 kg.
  • Voos para América do Sul e Central terão direito a uma mala de 23 kg.
  • Demais destinos internacionais mantêm a permissão de duas malas, mas com peso máximo de 23 kg em vez dos 32 kg atuais.
  • Entre 1º de outubro de 2017 e 30 de setembro de 2018, os passageiros de todos os voos, nacionais e internacionais, terão direito a apenas uma mala de 23 kg.
  • Um ano depois, a partir de 1º de outubro de 2018, as franquias de bagagem despachada passam a ser livremente estabelecidas pelas companhias aéreas.

De acordo com a ABEAR – Associacao que representa as grandes do setor no Brasil: Avianca, Azul, Gol e TAM a mudança seria benéfica principalmente para 2/3 dos passageiros que segundo eles viajam sem malas porem pagam o custo do transporte de malas daqueles que viajam com a casa inteira nas costas, uma vez que o custo operacional seria diluído entre todos os passageiros do mesmo voo. Caso a mudança seja aprovada a bagagem de mao que hoje e de 5kg aumentaria para 10 kg.

Na pratica o que isso quer dizer?

Viajo de avião pelo menos 8 vezes por ano em voos domésticos e/ou internacionais. Os únicos voos que vi pessoas viajando apenas com mala de mao foram São Paulo/Rio, São Paulo/Brasília, Toronto/Nova Iorque, Nova Iorque/Reagan National (DC), Toronto/Los Angeles. Todos os outros voos que peguei as pessoas levam malas despachadas. Por milhares de motivos… presentes de familiares, mudanças entre estados/países, ir de um local quente para um local frio e vice e versa. Uma mudança agora nas regras de bagagem pode ser um tiro no pé das companhias aéreas. Primeiro porque cada uma será livre para fazer o que bem entende… e esperta será a que não mudar as regras e se o fizer oferecer para seus clientes alternativas ou facilidades para poder continuar levando suas malas de 32 kilos.

Em agosto quando começamos nossa mudança de DC para Lome passando por Miami e São Paulo foi uma mega operação logística e de planejamento justamente por conta das malas. Por mais que 90% das nossas coisas tenham vindo para a África pela empresa de mudança internacional, tivemos que lidar com a logística de como chegar ate aqui passando por outras cidades sem pagar absurdamente mais caro por isso. Para o trajeto DC-Fort Lauderdale tivemos de pagar bilhetes de primeira classe para poder num voo domestico carregar duas malas de 23 kilos cada um. Poderíamos levar ate 32 kilos o que seria perfeito, porem nosso trajeto depois ate África não permitia malas de 32 kilos. Enquanto a passagem custava $110 dolares se quiséssemos levar malas deveríamos pagar U$200 por cada uma por ser uma tarifa promocional. Porem por U$320 cada um viajariamos de primeira classe e poderíamos levar as malas “de graça”. Depois quando fiz Miami/São Paulo eu estava sossegada pois estava dentro da minha franquia de 2 malas de 32 kilos para o Brasil. Porem na ultima parte da viagem São Paulo/Lome foi um inferno. Primeiro fui informada em Washington quando compramos as passagens pela Ethiopian Airlines de que eu teria direito apenas a 2 malas de 23 kilos. Ate ai tudo bem pois essa e a norma no mundo inteiro. Pelo o que pesquisei o Brasil e um dos únicos países que permitem franquias de 32 kilos e funcionários de cias aéreas mundo afora odeiam os brasileiros pois carregamos de tudo e mais um pouco… Me segurei no Brasil para não enfiar a casa inteira na mala e quando cheguei ao aeroporto descobri que eu tinha direito as duas malas de 32 kilos uma vez que eu estava saindo do Brasil (mesmo o ticket tendo sido comprado em DC). Nem a própria cia aérea sabia qual informação dar. Resultado poderia ter trazido mais 18 kilos de bagagem e não trouxe para Lome.

Enfim… fiquem de olho quando comprarem suas passagens daqui pra frente, de acordo com a ANAC em abril e maio deste ano os passageiros puderam enviar para a agencia soluções para serem consideradas na votação da semana que vem. Voce enviou essas sugestões? Eu confesso que nem prestei atenção em nada disso ate o perrengue que passamos em agosto… enfim… e sempre assim só damos atenção a determinado assunto quando doi no nosso bolso. Para meus amigos viajantes frequentes fica a dica. Muito provavelmente aquela historia do: “Voce pode trazer um perfumezinho pra mim do outlet?” vai acabar… porque uma vez que você ou paga pela sua mala ou viaja leve começar a valer… ninguém mais fara favores para outrem quando viajar ao exterior. E importante que a população e o Ministério Publico fiquem em cima das cias aéreas para verificarem se elas realmente vão repassar os valores promocionais para aqueles que viajarem sem malas.

E ai quem perde com as novas regras? Eu humildemente acho que todos nos perdemos. E você o que acha disso? Deixe sua opinião na caixa abaixo.

Ate o próximo post  =0)

 

 

Compartilhe

Por Érica Brasilino

1

Pessoas comentaram

Post anterior:


Próximo post:


Comente via Facebook

Deixe seu comentário

1 Comentário

  • Documento de Viagem
    09 dez 2016

    Vamos ficar ligados no nosso próximo vôo! Acho que realmente falta um pouco de orientações mais claras das aéreas ao público em geral .