Posts arquivados em: Mês: dezembro 2016

América EUA O que fazer em Washington DC Viagens Washington

The US National Archives

16 de dezembro de 2016

O National Archives é uma instituição independente que tem como principal função preservar e catalogar documentos governamentais e históricos dos E.U.A, possibilitando o acesso público a estes documentos. Eles também são responsáveis em atestar a veracidade de documentos e autorizar cópias daqueles que tem direitos autorais caso necessário.

No passado cada agência tinha que organizar e catalogar seus arquivos, o que causava perda de documentos ao longo dos anos. Em 1934 o Congresso americano autorizou a criação de um único local para centralizar todos estes documentos.

Localizado na Pennsylvania Avenue em frente a estação de metrô National Archives – Penn Quarter, vale a visita principalmente se você irá visitar os outros museus localizados ao lado. Se você não for americano ou não seja aficionado por história americana, provavelmente será uma visita rápida de meio dia.

O atrativo principal do National Archives Building é a rotunda onde fica exposto permanentemente a Declaração de Independência, a Constituição americana e a Bill of Rights, que são conhecidas em conjunto como Charters of Freedom. São os documentos originais assinados pelo senhor Washington e cia, quando os E.U.A se tornaram livres da Inglaterra. Todos os documentos datam do final dos anos 1700. Claro que há várias galerias e você pode olhar vários e vários documentos que fazem parte da história americana. Mas é impossível entrar na rotunda e o queixo não cair.

O museu fica aberto de domingo a domingo das 10am às 5:30pm. Porém a entrada é permitida somente até as 5pm. Fecha no Thanksgiving e no Natal. Como quase tudo em D.C, a entrada é grátis.

Logo em frente ao National Archives está o Navy Memorial. É um monumento em homenagem aqueles que já serviram ou ainda servem a Marinha, o Marine Corps, a Guarda Costeira e a Marinha Mercante americana. Esta situada bem na saída do metro, impossível não ver.

Num dos dias que passei por aquela área, estava acontecendo a condecoração de um marine. Caso você queira visitar o memorial e saber o dia e a hora que acontecerão eventos por lá, você pode acessar este calendário aqui.

Se você já visitou ou pretende visitar o National Archives e o Navy Memorial deixe seu comentário abaixo.

Até o próximo post   =0)

 

 

Compartilhe

Por Érica Brasilino

1

Pessoas comentaram

América EUA O que fazer em Washington DC Viagens Washington

Marine Barracks Summer Parades

14 de dezembro de 2016

Localizado na esquina da 8th and I Street em Washington D.C, o Marine Barracks é considerada o posto mais antigo dos fuzileiros navais dos EUA. Desde 1806 é a residência oficial do Comandante dos Fuzileiros Navais e também é o quartel general da Banda de Fuzileiros que serve ao presidente americano em exercício. Em 1972 o prédio foi incluído no National Register of Historic Places.

Entre as funções dos fuzileiros que estão on duty no Marine Barracks de D.C podemos listar:

  • Escolta em funerais de marines e dignatários
  • Cerimonial de guarda de honra em funções do Departamento de Estado
  • Segurança do Camp David (Casa de Campo do presidente dos EUA) e da Central de Inteligência da Casa Branca
  • Treinamento de fuzileiros
  • Paradas: Ás sextas a noite e ás terças ao pôr do sol em frente ao Iwo Jima Memorial

E o post de hoje é justamente sobre a parada que é realizada pelos fuzileiros durante os meses de verão. A parada é uma tradição em Washington com pessoas que viajam do país inteiro para assistir, e conseguir ingressos pode ser difícil. Este ano de 2016 as paradas começaram no final de abril e foram até o final de agosto. A última apresentação da temporada contou com a presença do Secretário de Defesa e aproximadamente 5300 pessoas assistiram ao vivo a banda de fuzileiros tocar os mesmos clássicos que serão tocados na Inauguração de Posse do novo presidente dos EUA em Janeiro.

Para atender a parada no histórico Marine Barracks você deve acessar este site aqui e enviar um email com os dados de todas as pessoas do seu grupo. Fique atento pois pessoas não incluídas na lista não podem entrar. As paradas ocorrem todas às sextas entre a última semana de abril e a última de agosto. Os portões abrem às 7 da noite. Às 8:15 os lugares que não forem ocupados por quem fez o cadastro serão distribuídos para aqueles que estiverem aguardando do lado de fora em ordem de chegada. A apresentação tem inicio às 8:45. A fila chamada de General Admission Line nao garante lugares a ninguém, o correto é fazer o agendamento antecipadamente e aguardar a confirmação por email. Maiores informações sobre como agendar você encontra neste site aqui, lembrando que o site esta totalmente em inglês.

Às terças feiras em frente ao Iwo Jima Memorial localizado no cemitério de Arlington, acontece a mesma parada ao pôr do sol. Para essa parada não é necessário enviar emails de reserva, porém não há lugares para sentar, vá preparado para sentar na grama.

Nós agendamos duas vezes enquanto estávamos morando em D.C e não conseguimos atender. Na primeira vez caiu uma chuva torrencial e eles não performaram. A chuva até parou e fomos ao local, mas ao chegar lá demos de cara com a porta. Na segunda vez surgiu um outro compromisso e ficou para a próxima. Quando retornarmos a D.C pretendemos tentar mais uma vez.

***Finalmente assistimos a parada, agora que estamos morando novamente em Washington. Há bolsão de estacionamento grátis caso você esteja dirigindo e de lá, os fuzileiros disponibilizam ônibus até o local da parada. Achei muito organizado. Sentamos num local muito bom e pudemos ver a parada. As arquibancadas são semelhantes as de campos de futebol escolar nos EUA, então evitem roupas desconfortáveis. Muitas de nós estávamos de vestido e salto alto e isso pode ser um perigo. Como fomos no alto verão a quantidade de mosquitos na área era enorme, então leve protetor solar e algo para abanar, uma vez que é ao ar livre. Não é um programa legal para levar crianças muito pequenas, vi várias extremamente entediadas e isso estava acabando com o programa dos pais. E a apresentação é longa, leve água***

Eu já tive a oportunidade de assistir em eventos oficiais a banda do fuzileiros e vale a pena. Não apenas por ter amigos fuzileiros e prestigiar o trabalho deles mas por ser algo histórico, principalmente por ter família americana, é um evento bem patriótico.

Se você tiver interesse em saber mais sobre o Marine Barracks ou se já foi á uma das paradas deixe seu relato na caixa abaixo,

Até o próximo post  =0)

 

Compartilhe

Por Érica Brasilino

2

Pessoas comentaram

Saindo do Brasil

Mudança no despacho de bagagens aéreas no Brasil

09 de dezembro de 2016

Está em todos os jornais desde março que a ANAC – Agência Nacional de Aviação Civil iria mudar as regras de bagagem aérea no país. Semana que vem finalmente será a decisão final sobre o tema. Claro que o assunto voltou a ser notícia uma vez que tudo poderá mudar a partir do ano que vem. Mas o que realmente vai mudar?

Hoje caso você viaje dentro do Brasil (vôo doméstico), para a América Central ou para a América do Sul pode levar sem pagar nada mais por isso uma mala de 23 quilos. Entende-se que isso já esta incluso no valor da sua passagem. Viagens internacionais na grande maioria das vezes se você parte do/para o Brasil pode levar até duas malas de 32 quilos sem pagar nada extra. Com a nova regra que a ANAC votará na semana que vem, várias mudanças estão em pauta:

  • Os vôos domésticos continuam até outubro de 2018 com o limite de uma mala de até 23 kg.
  • Vôos para América do Sul e Central terão direito a uma mala de 23 kg.
  • Demais destinos internacionais mantêm a permissão de duas malas, mas com peso máximo de 23 kg em vez dos 32 kg atuais.
  • Entre 1º de outubro de 2017 e 30 de setembro de 2018, os passageiros de todos os vôos, nacionais e internacionais, terão direito a apenas uma mala de 23 kg.
  • Um ano depois, a partir de 1º de outubro de 2018, as franquias de bagagem despachada passam a ser livremente estabelecidas pelas companhias aéreas.

De acordo com a ABEAR – Associação que representa as grandes do setor no Brasil: Avianca, Azul, Gol e TAM, a mudança seria benéfica principalmente para 2/3 dos passageiros que segundo eles viajam sem malas porém pagam o custo do transporte de malas daqueles que viajam com a casa inteira nas costas, uma vez que o custo operacional seria diluído entre todos os passageiros do mesmo vôo. Caso a mudança seja aprovada a bagagem de mão que hoje é de 5 quilos aumentaria para 10 quilos.

Na prática o que isso quer dizer?

Viajo de avião pelo menos 4 vezes por ano em vôos domésticos e/ou internacionais. Os únicos vôos que vi pessoas viajando apenas com mala de mão foram São Paulo/Rio, São Paulo/Brasília, Toronto/Nova Iorque, Nova Iorque/Reagan National (DC), Toronto/Los Angeles, ou seja, os trechos considerados ponte aérea. Todos os outros vôos que peguei, os passageiros despacharam malas. Por milhares de motivos… presentes de familiares, mudanças entre estados/países, ir de um local quente para um local frio e vice e versa. Uma mudança agora nas regras de bagagem pode ser um tiro no pé das companhias aéreas. Primeiro porque cada uma será livre para fazer o que bem entende… e esperta será a que não mudar as regras e se o fizer oferecer para seus clientes alternativas ou facilidades para poder continuar levando suas malas de 32 quilos.

Em agosto quando começamos nossa mudança de Washington D.C para Lomé passando por Miami e São Paulo foi uma mega operação logística e de planejamento justamente por conta das malas. Por mais que 90% das nossas coisas tenham vindo para a África pela empresa de mudança internacional, tivemos que lidar com a dor de cabeça de como chegar até aqui passando por outras cidades sem pagar absurdamente mais caro por isso. Para o trajeto DC-Fort Lauderdale tivemos de pagar bilhetes de primeira classe para poder num vôo doméstico despachar duas malas de 23 quilos cada um. Poderíamos levar até 32 quilos o que seria perfeito, porém nosso trajeto depois até o Togo não permitia malas de 32 quilos. Enquanto a passagem custava $110 dólares para cada um de nós, se quiséssemos levar malas, deveríamos pagar U$200 por cada mala por ser uma tarifa promocional. Porém por U$320 cada bilhete, viajaríamos de primeira classe e poderíamos levar as malas “de graça”. Depois quando fiz Miami/São Paulo eu estava sossegada pois estava dentro da minha franquia de 2 malas de 32 quilos para o Brasil. Porém na última parte da viagem São Paulo/Lomé, foi um inferno. Primeiro fui informada em Washington quando compramos as passagens pela Ethiopian Airlines de que eu teria direito á apenas 2 malas de 23 quilos. Até aí tudo bem, pois essa é a norma no mundo inteiro. Pelo o que pesquisei, o Brasil é um dos únicos países que permitem franquias de 32 quilos e funcionários de cias aéreas mundo afora odeiam os brasileiros pois carregamos de tudo e mais um pouco… Me segurei no Brasil para não enfiar o mercado inteiro na mala e quando cheguei ao aeroporto descobri que eu tinha direito a duas malas de 32 quilos uma vez que eu estava saindo do Brasil (mesmo o bilhete tendo sido comprado nos EUA). Nem a própria cia aérea sabia qual informação dar. Resultado: poderia ter trazido mais 18 quilos de bagagem e não trouxe para Lomé.

Enfim… fiquem de olho quando comprarem suas passagens daqui pra frente, de acordo com a ANAC em abril e maio deste ano os passageiros puderam enviar para a agência soluções para serem consideradas na votação da semana que vem. Você enviou essas sugestões? Eu confesso que nem prestei atenção em nada disso até o perrengue que passamos em agosto… enfim… é sempre assim, só damos atenção a determinado assunto quando dói no nosso bolso, fica a dica para os meus amigos viajantes. Muito provavelmente aquela história do: “Você pode trazer um perfumezinho pra mim do outlet?” vai acabar… porque uma vez que você ou paga pela sua mala ou viaja leve começar a valer… ninguém mais fará favores para outrem quando viajar ao exterior. É importante que a população e o Ministério Público fiquem em cima das cias aéreas para verificarem se elas realmente vão repassar os valores promocionais para aqueles que viajarem sem malas.

E ai quem perde com as novas regras? Eu humildemente acho que todos nós perdemos. E você o que acha disso? Deixe sua opinião na caixa abaixo.

Até o próximo post  =0)

 

 

Compartilhe

Por Érica Brasilino

1

Pessoas comentaram

América EUA O que fazer em Washington DC Onde comer Viagens Washington

Eastern Market

06 de dezembro de 2016

Toda cidade grande tem seu mercado central onde é possível encontrar de tudo e mais um pouco, Washington não seria diferente. Localizada na estação de metrô do mesmo nome, o Eastern Market é um dos meus locais favoritos em Washington D.C.

em

Se você conhece o Mercado Municipal de São Paulo, não ficará tão impressionado com este de D.C. Até porque o nosso em São Paulo é grandioso. Espaço, número de expositores, tamanho do sanduíche de mortadela. Esse mercado é um espaço mais alternativo, para quem curte artesanato, feirinha hippie, frutas de produtores locais sem química (entenda-se mais caros). O Eastern Market é o local ideal para fazer sua feira da semana sem medo de agrotóxicos, comprar aquela pasta italiana fresca, um salame de qualidade, guacamole sem conservantes. Mas tenha em mente que você pagará um valor mais alto por isso.

Aberto em 1873 o prédio faz parte do plano original de Pierre L’Enfant da criação de Washington D.C de 1791. Desenhado pelo mesmo arquiteto que desenhou o Smithsonian Arts and Industries Building, este é um dos únicos prédios que está aberto até os dias atuais na cidade com a mesma função da qual foi planejado. O prédio faz parte do National Historic Landmark.

O Eastern Market abre de terça a sexta feira das 7 da manha ás 19, sábados das 7 ás 18 e domingos das 9 ás 17. Fechado as segundas feiras.

Caso já tenha visitado ou pense em visitar, deixe uma mensagem na caixa abaixo e compartilhe comigo sua experiência por lá.

Atá o próximo post  =0)

Compartilhe

Por Érica Brasilino

2

Pessoas comentaram

América EUA O que fazer em Washington DC Viagens Washington

Smithsonian National Postal Museum

02 de dezembro de 2016

Hoje falo sobre mais um museu que faz parte do grupo Smithsonian: o Postal Museum. Localizado ao lado da Union Station em D.C, o museu foi aberto em 1993 numa cooperação entre o grupo Smithsonian e o United States Postal Service.  O prédio que abriga o museu é o mesmo que antigamente abrigava o escritório principal dos Correios em Washington.

O tema deste museu claro é o sistema de entrega de correspondências nos EUA e no mundo. É uma viagem no tempo e super didática ao mesmo tempo. As exibições são separadas em galerias independentes e cada uma delas é auto explicativa. Você descobrirá as diferentes maneiras que foram utilizadas para a distribuição e entrega de correios do início do serviço até os dias atuais como cavalos, charretes, trens, aviões, ônibus e etc. Mostra como o correio americano opera em cidades grandes e nos campos, ontem e hoje.

Uma das exibições que mais me comoveram foi a Mail Call que é uma das exibições permanentes e fala sobre a história do correio militar e como os soldados em áreas de guerra esperam ansiosamente pelo dia do correio para receber uma carta ou uma lembrança qualquer de seus entes queridos. É uma maneira de se conectar com a família e saber o que esta acontecendo em casa. Só quem passa por um período de separação por conta de military duties entende sobre o que estou falando. Outra exibição permanente interessantíssima é a Systems at Work que explica como funciona o sistema de entrega de cartas e mercadorias. Vale a pena conferir.

Há também uma exibição de selos do mundo inteiro totalmente interativa que mostra selos de diferentes países e como com o passar do tempo fatos importantes acabam se tornando imagens comemorativas. Na mesma exibição é possível ver selos raros de países que já não existem mais como a antiga URSS.

Mas entre tudo o que vi e aprendi por lá uma das apresentações mais legais é a do projeto Post Secret. Pessoas postam cartões postais anonimamente contando sobre os seus mais profundos segredos. Fiquei horas por lá lendo de tudo o que você puder imaginar de segredos. Caso não possa ir a D.C ver pessoalmente a pilha de cartões recebidas até hoje pelo projeto, acesse o site neste link aqui para ler a respeito.

O museu abre de segunda a domingo das 10 ás 5pm. Fechado apenas no dia 25 de dezembro. Entrada gratuita.

Caso você já tenha visitado ou pretende visitar o National Postal Museum, deixe seu comentário abaixo.

Até o próximo post   =0)

 

 

Compartilhe

Por Érica Brasilino

0

Pessoas comentaram