Posts arquivados em: Mês: novembro 2016

América EUA O que fazer em Washington DC Viagens Washington

Union Station

29 de novembro de 2016

Union Station em Washington D.C é a estação mais importante da cidade e uma das estações mais utilizadas dos Estados Unidos. Além de conectar o metrô ao sistema de trens da Amtrak, ainda possui shopping center e uma área de alimentação que atrai cerca de 40 milhões de pessoas por ano (fonte Wikipedia).

A visita á estação é válida mesmo se você não for viajar para nenhum lugar. O estilo neoclássico é impressionante. A estação que foi inaugurada em 1907 também abriga o headquarters da Amtrak. Construída para desafogar a área do National Mall, ela foi projetada para demonstrar a grandiosidade da Capital Federal.

Á partir da Union Station você pode viajar para Miami, Nova Iorque e Chicago de trem. Também pode utilizar ônibus que fazem trajetos curtos para os estados vizinhos de Maryland e Virgínia ou trajetos mais longos como Nova Iorque, Filadélfia entre outros destinos. Também é uma das estações do metrô sendo essa parte da linha vermelha.

Você pode visitar a Union Station após passear pelo Capitolio, Library of Congress ou Supreme Court, todas essas atrações estão super próximas e dá pra visitar a pé. Desça a 1st Street NE e chegará lá em 10 minutos de caminhada. Vale a pena sentar na Union Station pra tomar um café e ver o dia a dia corrido dos moradores da cidade.

Entre as lojas que estão presentes no shopping estão a H&M, MAC, The Body Shop e Swarovski. Já na parte de alimentação você pode escolher entre Shake Shack, Chipotle, McDonald’s, e Potbelly.

Caso você já tenha visitado ou pretende visitar deixe seus comentários abaixo.

Até o próximo post  =0)

 

 

Compartilhe

Por Érica Brasilino

0

Pessoas comentaram

América EUA O que fazer em Washington DC Viagens Washington

Folger Shakespeare Library

22 de novembro de 2016

Localizada no bairro de Capitol Hill em Washington D.C, logo atrás da Suprema Corte e da Library of Congress, a Folger Shakespeare Library é uma daquelas jóias escondidas que apenas moradores e apreciadores de arte sabem a respeito.

Você pode visitar o Museu que hoje abriga a maior coleção de artigos impressos de William Shakespeare no mundo. A biblioteca foi aberta dois anos após a morte do escritor (1932) pelo senhor Henry Clay Folger e sua esposa Emily Jordan Folger. O prédio é listado na National Register of Historic Places nos EUA.

Uma das coisas que mais me chamaram a atenção neste prédio são as cenas das peças mais importantes de William Shakespeare que são retratadas pelo lado de fora do prédio em mármore branco. Entre elas há cenas de Henrique IV, Hamlet, Macbeth, King Lear, Júlio César, O Mercador de Veneza, Midsummer Night’s Dream e claro o meu favorito Romeu e Julieta.

A biblioteca contém material extenso sobre Shakespeare e também abriga a terceira maior coleção de livros impressos em inglês antes de 1641 no mundo. Há em sua coleção roupas, registros históricos, pinturas, impressos, desenhos, fotografias, esculturas entre outros (fonte Wikipedia).

A biblioteca está aberta para visitação de segunda a sábado das 10am as  5pm. Aos domingos do meio dia ás 5pm. Tour guiado por docentes que contam a história do prédio, dos fundadores da instituição e sobre o próprio William Shakespeare acontecem de segunda a sábado ás  11, 1pm e 3pm. Domingos ao meio dia e ás 3pm. Desaconselho este tour com crianças pequenas por ser maçante para elas.

Lembrando que a Folger Library pode ser acessada pela estação de metrô Capitol South (linhas laranja, prata e azul).

Ja visitou ou pretende visitar a Library ? Deixe seu comentário abaixo.

Até o próximo post  =0)

Compartilhe

Por Érica Brasilino

0

Pessoas comentaram

Estilo de Vida Livros Togo

Quanto do idioma local é necessário para sobreviver no exterior?

18 de novembro de 2016

Este ano comecei a estudar francês porque estava de mudança para um país francôfonico (falante de língua francesa). Finalizei os dois livros básicos na Aliança Francesa em Washington D.C. Como já falo outros 3 idiomas achei que seria extremamente fácil aprender o quarto… ledo engano

Sou nativa em português, fluente em inglês e intermediária em espanhol. Foi aí que todos os meus problemas começaram… como meu conhecimento de espanhol não é fluente e ainda sofro com conjugações de alguns verbos… meu cérebro acha que francês e espanhol é tudo a mesma coisa…

Minha turma de francês na Aliança Francesa era um mix cultural. Uma completa torre de babel. Éramos um mix de brasileiros, colombianos, espanhóis, americanos, indianos e alemães. A única que precisava de francês realmente num período muito curto de tempo era eu…

O português, o espanhol e o francês tem várias palavras em comum, então durante a explicação da matéria eu percebia claramente que os falantes de espanhol e português na sala tinham uma certa vantagem. Os americanos que não falavam nenhum outro idioma sofriam horrores. A alemã então coitada… parecia que estava indo para a forca… Percebi que quando eu não conseguia formar uma frase em francês meu cérebro automaticamente apertava a tecla espanhol e lá estava eu dando respostas como “Yo también…” quando na verdade eu tinha que responder “Moi aussie…” uma zona linguística!!!

Dai chegou a prova de fogo e me mudei de mala e cuia para Lomé no Togo. Cheguei no aeroporto e além de ser a única mulher a desembarcar sozinha, ninguém falava inglês. Lá estava eu com minha mochila nas costas, passaporte e caderneta de vacinação na mão prestando atenção no que as pessoas estavam fazendo á minha frente para poder usar a boa e velha mímica. Decorei minha frase favorita “Je ne parle pas français, je suis Érica, je suis brésiliene.”. Descobri que a última palavra me abre sorrisos amistosos em todos os lugares aqui.

Passei pela imigração e cá estou eu já a dois meses. Num país que 100% da população fala seu idioma tribal local e metade fala um francês muito diferente do que eu estava aprendendo em sala de aula. Eu me viro. Ando com meu Google Tradutor no celular para cima e para baixo, aponto imagens na tela do celular, dou risada de mim mesma com meu francês rudimentar e me jogo no mundo. O mais importante sempre é você tentar começar a sua comunicação no idioma local com um sorriso e dizer a verdade. Eu sempre falo bom dia, meu nome é Érica, desculpe não falo francês, pergunto se alguém fala inglês (tudo isso em francês) e geralmente encontro alguém com inglês básico pronto pra ajudar. E vou me virando. Eles ficam muito felizes quando eu tento me comunicar no idioma deles. Sempre me ensinam, me corrigem e dão risada comigo dos meus erros. Meu vocabulário tem crescido horrores. Pergunto para as pessoas que falam inglês tudo o que posso sobre a cultura local, costumes, comidas, política. Sou extremamente curiosa sobre tudo aqui.

Acredito que o fato de eu ser comunicativa também ajuda muito. O segredo é não ter medo de se comunicar. Já comprei até cloro para a piscina com um senhor que não falava um A em inglês.

Meus dois livros básicos na Aliança não foram em vão… Aprendi os dias da semana, meses do ano, contar (importantíssimo para poder lidar com números gente!!!!). Tenho um professor de francês duas vezes por semana que ficou chocado quando eu disse para ele que eu precisava de lição de casa pois era uma pessoa extremamente visual e precisava praticar repetições principalmente de gramática. E segue a vida. Como moraremos ate 2019 por aqui meu plano é sair daqui com o inglês de intermediário para avançado. I hope so.

Muitas vezes é frustrante saber 3 idiomas e aqui ter a sensação de que eu não sei nada na verdade. Porém é um desafio. E a vida só tem graça quando você se desafia.

Vou deixar uma dica de leitura caso você pense em viajar para um país que fale francês. Se você não tiver ideia do que “u la la” significa acabei de ler o Guia de Conversação – Francês para Leigos. Ele tem frases prontas para situações do dia a dia, principalmente numa viagem. Além de ser escrito em português ele utiliza a nossa fonética para explicar como pronunciar as palavras em francês. Barato e super prático, você pode encontrar este livro na Saraiva do Morumbi Shopping (fica a dica).

O importante no final do dia é comemorar as pequenas vitórias, perceber como o seu vocabulário aumenta com o passar do tempo e não ser muito duro consigo mesmo. Eu levei oito anos no total para aprender espanhol fluentemente e até hoje continuo aprendendo com o meu marido todos os dias. Sei que uma hora o francês virá naturalmente.

 

Compartilhe

Por Érica Brasilino

2

Pessoas comentaram

América EUA O que fazer em Washington DC Viagens Washington

U.S Supreme Court

15 de novembro de 2016

No post de hoje vou falar sobre a Suprema Corte Americana a U.S Supreme Court que seria o equivalente ao nosso Supremo Tribunal Federal no Brasil. Ela detém a autoridade máxima jurídica para interpretar leis federais e que incluam a constituição dos Estados Unidos.

O cargo de Supreme Court Judge é o cargo mais cobiçados entre os altos magistrados nos E.U.A por ser um cargo vitalício. Os juízes são apontados pelo presidente americano e os senadores tem o poder de aprovar ou barrar as indicações. Claro que há um jogo de poder durante essa confirmação. No momento há uma vaga em aberto e um juiz foi indicado pelo atual presidente Barack Obama. Porém como a maioria do Senado atualmente é Republicana (do partido contrário ao do presidente que é Democrata) eles não aprovaram a nomeação.  Sabe como é… política.

Desacreditei quando estava passeando em frente ao suntuoso prédio da Suprema Corte e o guarda disse que eu poderia entrar e se tivesse sorte poderia assistir á uma sessão. Claro que eu não pensei duas vezes.

Para visitar a Supreme Corte basta você aparecer de segunda a sexta das 9am ás 4:30pm. É possível ver exibições no andar térreo e essas exibições não são fixas, porém todas são relacionadas com a corte, os juízes, os casos famosos, etc. Também há um mini cinema no corredor principal no andar de entrada onde você pode assistir um documentário de aproximadamente 30 minutos explicando sobre como funciona a corte e entrevistas com alguns dos juízes. Caso seja um dia que não tenha audiência marcada (calendário disponível aqui) a cada 30 minutos a partir das 9:30 ate ás 3:30 há visitas guiadas a Court Room principal. Docentes explicam em inglês sem tradutor sobre a história do prédio, dos fundadores da Suprema Corte, a importância do trabalho deles para o país e fatos curiosos. Foi uma visita interessantíssima onde pude aprender como funciona o sistema judiciário nos EUA.

Fotos dentro da cort room infelizmente não são autorizadas mas o tour vale muito a pena.

Este é um passeio para quem é tem curiosidade sobre as leis, o sistema judiciário americano e afins. Para crianças pode ser bem chatinho. Aproveitei que estava visitando a Library of Congress e o Capitol e já visitei a Suprema Corte, uma vez que estão todos na mesma rua um ao lado do outro. Se você tiver pouco tempo vale a pena visitar? Eu visitaria. Mas claro vai de cada um.

E você já visitou ou planeja visitar? Deixa um comentário abaixo sobre suas impressões.

Até o próximo post  =o)

 

 

 

 

Compartilhe

Por Érica Brasilino

2

Pessoas comentaram

América EUA O que fazer em Washington DC Viagens Washington

Library of Congress

11 de novembro de 2016

A Library of Congress (Biblioteca do Congresso) a primeira vista pode soar como um passeio que não seja interessante para pessoas que não são viciadas em leitura como eu. Mas é uma grata surpresa e uma jóia no coração de D.C. Localizada em frente ao Capitólio é definitivamente um must see na cidade.

A biblioteca serve como fonte de pesquisa para o Congresso americano mas também é considerada uma biblioteca nacional. É a instituição federal cultural mais antiga dos Estados Unidos. Detém o título de Maior Biblioteca do Mundo e na sua coleção há materiais do mundo inteiro em aproximadamente 450 idiomas (fonte: Wikipedia).

A biblioteca que inicialmente era localizada dentro do Capitólio, teve sua coleção inicial totalmente perdida num incêndio provocado pelos britânicos na Guerra de 1812. Então para tentar reparar o dano, o Congresso autorizou a compra do acervo pessoal do ex-presidente Thomas Jefferson que tinha em sua casa nada menos que 6487 livros. Eu daria tudo para ter uma coleção de livros assim… Parte dos livros originais de sua coleção pode ser vista numa exibição no local.

A sala principal onde os livros podem ser acessados só pode ser vista do alto e por no máximo alguns minutos. A fila é grande e você tem de ser ninja para tirar fotos do maior número de detalhes possível com gente atrás de você querendo que você saia logo do caminho para eles também tirarem fotos. Por morar em DC eu visitei a Biblioteca várias vezes então consegui ir em dias que estava vazio. Como sei que na maioria das vezes este não é o caso, aconselho a visitar o local ou na baixa temporada ou se for na alta tente ir á Biblioteca logo pela manhã.

A arquitetura do local é estupenda e os afrescos, pinturas, adornos e tudo o mais são de uma beleza imensurável. Cada parede, teto, canto tem um detalhe e tem um motivo para estar ali. Se possível faça o tour guiado (e caso seu inglês permita) pois nele você entenderá o motivo de cada pintura ou estátua.

De acordo com a Wikipedia a Biblioteca tem hoje mais de 32 milhões de livros catalogados e materiais impressos. Entre estes documentos é possível ver ao vivo e a cores o esboço da Declaração de Independência dos Estados Unidos (original claro) e também uma cópia das únicas três existentes até hoje da famosa Bíblia de Gutenberg, o primeiro livro impresso em larga escala da história. A bíblia começou a ser impressa em 1450 e o projeto foi finalizado em 1455. Acredita-se que na ocasião foram impressas 180 copias. Só de ver este artigo já vale toda a visitação (para mim que sou uma leitora ávida… claro).

A Library of Congress está localizada em frente ao Capitol Building e pode ser acessada pelo estação do metrô Capitol South (linhas laranja, prata e azul). Esta aberta á visitação de segunda a sábado das 8:30 as 16:30. Fechada apenas no Thanksgiving, Natal e Ano Novo.  Por abrir antes da maioria dos locais de D.C vale a pena começar o dia bem cedinho por ela. Entrada grátis.

Caso já tenha visitado ou pretenda visitar a Library, deixe seu comentário abaixo,

Até o próximo post  =o)

 

 

 

Compartilhe

Por Érica Brasilino

3

Pessoas comentaram

América American National Parks EUA O que fazer em Washington DC Viagens Washington

Roteiro de 3 Dias em Washington DC

08 de novembro de 2016

Atendendo a pedidos da minha adorada amiga Robs, o post de hoje é um roteiro de 3 dias por DC. O que ver e fazer na cidade que tem milhões de eventos e lugares para visitar com tempo reduzido? Quando recebemos nossos familiares por lá eu já sabia de primeira onde levar eles e por quê. Tenha em mente que serão três dias muito cansativos mas que dá pra cobrir os pontos mais importantes da cidade, gastar a sola do tênis, aprender muita história americana e perder uns quilos. Vamos as dicas.

Dia 1

Monumentos do National Mall + Tidal Basin e seus Monumentos + Holocaust Museum + Bureau of Engraving and Printing

De metrô vá até a estação Foggy Bottom e ao subir as escadas rolantes desça a 23rd St. pro lado direito. Descendo essa rua inteira, ao final você vai dar de cara com o Lincoln Memorial. Comece seu passeio por ele e aprecie a grandiosidade que é este monumento. Depois sente na escadaria de frente ao monumento e aprecie a vista do local onde Martin Luther King Jr fez seu famoso discurso I Have a Dream.  Seguindo pelo lado esquerdo veja os monumento dedicados aos que perderam suas vidas na Guerra do Vietnã. São três memoriais: O The Three Soldiers, Vietnã Women’s Memorial e o Vietnan Veterans Memorial. Siga andando em direção ao Washington Monument e pare para apreciar o lago Constitution Gardens. Há uma mini ilha no centro do lago que pode ser acessada por um caminho a pé. Ali veja os nomes dos 56 políticos e homens de dinheiro que assinaram a Independência dos EUA. Continue andando em direção ao Washington Monument e pare no imponente World War II Memorial. Um dos mais belos na minha opinião. Encontre seu estado americano do coração e tire sua selfie. Após apreciar toda a beleza deste monumento espetacular, vá até o Washington Monument. Ele geralmente é aberto para visitações como expliquei neste post. Só que no momento ele esta fechado devido a um problema no elevador principal. Mas visite ele por fora mesmo assim. Ele é muito alto e pode ser visto de várias partes da cidade (além de estar presente em vários filmes e seriados).

De frente para o Lincoln Memorial hora de caminhar de volta em direção a ele. Pare no meio do caminho no DC War Memorial que por não ser um monumento nacional mas sim do estado muitas pessoas casam nele. Na sequência caminhe até o Korean War Veterans Memorial. Fique impressionado como as estátuas parecem ser homens de verdade num campo de batalhas. Após ver este último monumento do National Mall atravesse a avenida bem em frente que se chama Independence Av SW e você já estará na entrada do Martin Luther King Jr Memorial que fica exatamente no Tidal Basin. Ali fique impressionado com as frases de impacto que foram ditas em vários discursos e sermões do pastor que tanto lutou pelo movimento Civil Rights contra a segregação racial nos EUA. Uma vez que você já esta no Tidal Basin comece a caminhar em direção ao lado direito e você chegará no meu memorial favorito: o Franklin Delano Roosevelt Memorial. O único presidente que ficou no poder por 4 mandatos seguidos e tirou os EUA da depressão no pós segunda guerra. Tão grandioso quanto o legado que ele deixou no pais. Após continue caminhando pelo seu lado direito e chegue ao George Mason Memorial um dos pais da constituição americana. Seguindo o lago ainda pelo seu lado direito você chegará ao Thomas Jefferson Memorial que também é muito bonito e fecha a parte de monumento do Tidal Basin.

Quando você chegar neste ponto você já terá percorrido 6.5 kms e aproximadamente 14 mil passos de acordo com o meu iWatch. Quando faço estes passeios por D.C no dia seguinte preciso de Tylenol para levantar da cama, mas é um exercício que vale muito a pena. Não pense que você vai descansar, agora é hora de ir ver o dinheiro ser feito no Bureau of Engraving and Printing. E na sequência hora de ficar chocada com a maldade humana no emocionante Holocaust Memorial Museum. Se você seguir este roteiro já terá aproveitado muitíssimo bem o seu primeiro dia em DC. No final do dia após tantas andanças eu me daria ao luxo de atacar uma cheesecake na famosa The Cheesecake Factory na estação Clarendon do metrô. Vai por mim.

Dia 2

Library of Congress + US Supreme Court + Capitol + US Botanic Gardens + Smithsonian Air & Space Museum + Museum of the American Indian

Vá direto para a estação Capitol South e comece seu dia ás 8 da manhã. Na Library of Congress veja o primeiro livro impresso da história entre outras curiosidades. O passeio é imperdível. Após se impressionar com o prédio suntuoso e cheio de cultura e conhecimento, vá para o prédio do lado direito e se sinta importante ao visitar a Suprema Corte americana. Se tiver sorte conseguirá pegar um tour guiado pela sala onde ocorrem os julgamentos mais importantes do país. Ao sair de lá, atravesse a rua e visite o centro do poder americano o Capitólio, um dos prédios mais emblemáticos e filmados da capital do poder. Faça o tour guiado e absorva todo o conhecimento e as informações disponíveis. Saia do Capitólio e desça a Independence Avenue pelo lado esquerdo e respire o ar puro e veja toda a beleza do US Botanic Garden. Após essa pausa para apreciar a natureza ataque um lanche no McDonalds que esta localizado dentro do Air & Space Museum e já aproveite para visitar um dos museus queridinho dos turistas em D.C. Se tiver muito cansado tente assistir um dos filmes nas salas 3D do museu que duram em média 45 minutos e são ótimos para aprender e descansar simultaneamente. Caso você tenha tempo e energia eu aconselharia uma passagem super rápida no museu do lado o do American Indian (lembrando que os museus fecham as 5 da tarde).

Neste roteiro do segundo dia a distância percorrida entre os pontos de interesse será de 3,2 kms. Lembrando que você ainda deve levar em consideração o seu tempo caminhando dentro dos museus. Pode tomar aquele shake extra no McDonald’s do Air and Space Museum afinal você estará no lucro.

Dia 3

White House + National Museum of African American History and Culture + National Museum of American History + Smithsonian National Museum of Natural History + National Gallery of Art Sculpture and Garden + National Archives

O último dia é um banho de conhecimento e cultura. Vá direto para a estação McPherson Square e de lá ande até a casa mais famosa do mundo. Sim o Obama mora ali na Casa Branca e está bem mais perto do que você pensa. Após tirar suas selfies e postar no Instagram, hora de ir em direção ao National Mall e ver todos os museus que o seu tempo permitir. Começamos pelo novíssimo National Museum of African American History que infelizmente eu não tive a oportunidade de ver pois inaugurou em outubro e nós já estávamos na África. Visite e me conte tudo o que tem de fantástico neste lugar. Na sequência vá para o museu ao lado, o American History e aprenda sobre a história dos EUA contada por eles. Se bater a fome aproveite para comer no próprio museu, pois a cafeteria deles é ótima e quase não há comida na rua se for um dia de semana no inverno. Na sequência, siga para o museu mais visitado dos E.U.A: o Museum of Natural History e se encante com tudo o que foi mostrado no filme Uma Noite no Museu. Após tirar fotos de dinossauros e afins siga para o National Gallery of Art Sculpture Garden e tome um café de frente para a fonte lindíssima rodeada de instalações de arte ao ar livre. Se você visitar D.C no inverno, a pista de patinação no gelo estará disponível no jardim. Caso seja antes das 5 da tarde de um pulo rapidamente no National Archives para ver o documento original da Declaracão de Independência americana. O documento é mantido numa sala com pouca iluminação e com controle de ar. Os americanos piram por lá.

E após andar por todos estes museus, eu aproveitaria essa última noite na cidade para andar pelo National Mall mais uma vez, só que a noite. Os monumentos sob a luz do luar são de uma magnitude absurda. Vale muito a pena.

D.C é uma cidade que passar apenas 3 dias é uma pena. Tem TANTA coisa para ver, fazer, aprender… fiquei lá por 8 meses e ainda não vi tudo. Não vejo a hora de voltar e continuar a descobrir coisas fantásticas por essa cidade linda.

Caso tenha alguma dúvida ou comentário deixa uma mensagem pra mim abaixo,

Até o próximo post  =o)

 

Compartilhe

Por Érica Brasilino

1

Pessoas comentaram

Estilo de Vida Outros

Minha Nécessaire de Viagem

04 de novembro de 2016

Hoje vou falar sobre um dos itens mais importantes na minha mala de viagem, não importa o destino: a nécessaire!

A grande verdade é que não importa o formato, mas sim o que você leva para o seu destino.

Eu geralmente carrego duas nécessaires dentro da bolsa/mochila no avião. As outras com os itens grandes eu levo na mala de mão, caso alguma mala seja extraviada eu não tenho que me preocupar em não receber meus itens mais necessários.

Após tantas viagens uma coisa que aprendi é dar valor aos mini itens. Sabe quando você se hospeda em hotéis que oferecem miniaturas de sabonetes, shampoos e afins ou quando você faz compras na Sephora da vida e ganha miniaturas? Guarde eles para as suas viagens. Alem de economizar espaço, você também economiza dinheiro uma vez que itens miniaturas muitas vezes são mais caros que os de tamanho normal.

Ja vi vários posts a respeito do que levar e do que usar. De tanto pesquisar a respeito, montei o meu kit salva vidas. Isso é muito particular e vai de cada pessoa. Já vi cada nécessaire na internet que penso honestamente se as blogueiras de luxo usam tudo aquilo ou se é puro jabá. Vejo blogueiras falando que você tem que se maquiar ao chegar no destino. Muitas vezes não dá!!!! Se você dividiu o avião com mais 300 pessoas e não esta na primeira classe você terá que dividir o banheiro com mais ou menos 280 pessoas. Duvido você conseguir usar a tonelada de produtos que elas comentam nos posts que estão  por ai na blogosfera.

Vou mostrar aqui o que eu sempre uso na minha realidade de quem voa na classe econômica e alem de ter de usar o banheiro correndo tem que acabar de se maquiar no próprio assento usando a bandeja da poltrona a frente como penteadeira.

Nécessaire 1

Pente e prendedores de cabelo diversos: para não chegar no destino com o cabelo de medusa caso seja um vôo longo. Sempre ajuda ter vários elásticos a mão.

Escova de dentes, pasta e fio dental são itens obrigatórios: Mesmo que você deteste a comida do avião há grandes chances de você comer alguma coisa. Ninguém merece chegar no destino e falar com as pessoas com uma alface nos dentes.

Absorventes SEMPRE: Já precisei pedir absorventes para as comissárias e garanto, não há nada mais desagradável do que a sensação de que algo pode manchar sua roupa a qualquer momento. Mesmo que não esteja perto do seu período menstrual leve sempre extras. Nunca se sabe quando alguém vai pedir um para você. Olha a sororidade ae gente!

Kit de pincéis, batom, delineador líquido, primer e batons miniatura diversos: Porque talvez você não queira aparecer na imigração com cara de quem acabou de acordar (mesmo que você tenha acabado de acordar). Ou talvez você esta indo encontrar seu namorado/noivo/marido após ficarem 5 meses separados e queira causar uma ótima impressão ao correr pro abraço (olha a auto biografia ae gente).

Apontador: Porque nunca se sabe quando você comprará algo no Duty Free e precise apontar ali pra usar na hora.

Amostras de perfumes diversos: Sabe quando você vai numa loja e ganha amostras de perfumes? Não use na sua casa onde você tem a disposição vários perfumes, leve nas suas viagens e economize espaço e peso na mala.

Nécessaire 2

Na segunda nécessaire estão itens indispensáveis não importa quantos dias você viajará.

Sabonete e porta sabonete: Porque nunca sabemos como será a configuração do hotel/pousada onde estaremos. Ou caso você seja convidada de alguém sempre é de bom tom levar seus próprios itens para não pedir emprestado para o seu anfitrião. E caso peça, lembre-se sempre de repor no final da viagem.

Shampoo, condicionador, spray modelador de cabelo: Não importa pra onde você vá, há grandes chances de ter de lavar seus cabelos. E também há um pente extra em tamanho grande pois muitas vezes perdemos o único pente que temos na viagem.

Lâmina de barbear descartável: Claro que nós mulheres sempre pensamos em nos depilar antes de uma viagem, mas ás vezes ficamos no destino mais tempo do que o previsto e sem acesso a nossa depiladora oficial.

Hidratante de pele e perfume miniatura: Porque uma pele precisa de cuidados em qualquer lugar do mundo, e estar cheiroso é sempre bom.

Cotonetes: Além de manter nossa limpeza corporal ajuda na maquiagem.

Removedor de esmaltes: Eu sempre carrego dois, um em lenço e outro líquido. Porque esmaltes sempre descascam e eu particularmente detesto ficar com unhas pela metade.

Paleta de maquiagem completa (blush, iluminador, bronzer, sombras, máscara para cílios, lápis de olho – que pode ser usado como delineador – e uma segunda máscara para cílios extra). Tudo num único lugar economizando espaço e peso, sua lombar agradece.

Como mencionei várias vezes ao longo do post a ideia é levar o maior número de itens economizando espaço. O melhor é tirar proveito de itens miniaturas. Quando algumas coisas acabam como shampoo e condicionador por exemplo eu reutilizo os frascos com outros produtos da minha preferência. A natureza agradece.

 

E você como leva seus itens essenciais de viagem? Se tiver dicas para otimizar espaço por favor compartilhe comigo nos comentários.

Até o próximo post  =0)

 

Compartilhe

Por Érica Brasilino

0

Pessoas comentaram